home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

29/03/2016

Turismo garante 7,9% do emprego e vai disparar em 2016

Portugal está a beneficiar da instabilidade de países como a Turquia. Só em janeiro as reservas alemãs aumentaram 20%.

Os últimos anos de boom no Turismo já se fazem sentir ao nível do emprego. Há mais empresas no setor e o número de postos de trabalho não tem parado de aumentar.
 
No final do ano passado, transportes e turismo eram responsáveis por 363 mil empregos; 7,9% do emprego em Portugal, de acordo com o World Travel & Tourism Council (WTTC).
 
Em 2016, numa altura em que os players do setor já apontam para um novo ano de recorde, este organismo com mais de 25 anos, antevê que o número de pessoas empregadas nesta área possa subir para 441 mil, mais 4,6% do que o registado no ano passado.
 
A contribuição total será, no entanto, bem maior: 915 mil empregos suportados por esta indústria – 22% do emprego em Portugal repartido entre agências de viagens, hotéis, empresas de transporte (excepto transporte pendular), companhias aéreas, e negócios de lazer e entretenimento para turistas.
 
“Sempre que a procura aumenta, há necessidade de reforçar equipas. Este ano, no Algarve por exemplo, os operadores turísticos estão a reservar mais cedo e por mais tempo, indo além de julho e agosto. Isso significa que é possível estender a operação hoteleira, melhorar taxas de ocupação, e dessa forma, necessitaremos sempre de contratar pessoas. Por outro lado, permite atenuar a sazonalidade”, explicou ao Dinheiro Vivo, Gonçalo Rebelo de Almeida administrador do Grupo Vila Galé.
 
O Ministério da Economia, contactado pelo Dinheiro Vivo, justificou que ainda não tem dados fechados para o ano de 2015. No entanto, fonte oficial confirmou que o Governo está a preparar um agregador em parceria com o Instituto Nacional de Estatística para que as estatísticas do setor do Turismo possam ser acompanhadas em tempo real. Informações como o número de pessoas a trabalhar direta e indiretamente nesta indústria também estarão acessíveis.
 
A estatística do WTTC atravessa 184 países e procura perceber o impacto económico da indústria do Turismo e Transportes nas várias economias a regiões – por exemplo, G20, aliança do Pacífico ou OCDE onde Portugal também se insere. A entidade salienta que o setor está a crescer a um ritmo superior ao das próprias economias há já cinco anos.
 
Segundo o a organização, o turismo criou 284 milhões de empregos em todo o mundo e daqui a dez anos suportará 370 milhões. Em Portugal, daqui a dez anos, o setor poderá responder por mais de um milhão de empregos. Portugal é, por isso, o 33º país onde o Turismo e Viagens mais pesa para a criação de riqueza.
 
Em 2015, o WTTC estima que o turismo e viagens tenha gerado 11,3 mil milhões de euros para o PIB (6,4% da riqueza). O valor, antecipam, deverá acelerar em 2016 para atingir 14,6 mil milhões, mais 2,2%. Os dados são consistentes com as expectativas do setor. Fonte do mercado assume que depois dos conflitos no Norte da Europa e entre a Ucrânia e Rússia, Portugal possa beneficiar da instabilidade vivida no centro da Europa. Também o fluxo de turistas que até aqui procurava a Turquia poderá começar a olhar para destinos como Portugal ou Espanha, onde o clima é igualmente convidativo. Esta questão já foi, inclusivamente, levantada pela associação alemã das agências de viagens (DVR), que admite que Portugal beneficie com a instabilidade vivida na Turquia, onde os alemães são os principais visitantes.
 
Em janeiro, assegura a DVR, as reservas efetuadas para Portugal aumentaram 20%. Na hotelaria, Gonçalo Rebelo de Almeida antecipa igualmente que “2016 deverá ser bastante positivo” e este optimismo é válido “tanto para o setor do turismo como para o grupo Vila Galé que prevê um crescimento a rondar os 7%”.
 
E, a proporcionar este aumento, está a vinda de mais ingleses, irlandeses, alemães, holandeses e franceses. Os que “têm crescido mais”, conta ao Dinheiro Vivo. A acompanhar o crescimento do setor está o investimento que, de acordo com os dados da WTTC, ascendeu a 2,4 mil milhões de euros em Portugal, no ano passado. Isto significa 8,9% do investimento feito em Portugal. Em novembro, o Porto tinha 30 projetos para a hotelaria em fase de licenciamento; a Associação da Hotelaria de Portugal admite que ao longo deste ano possam abrir 29 novos hotéis. Não são só aberturas.
 
Todos os anos, o setor é obrigado a reabilitações e remodelações. “Este ano, as remodelações nas nossas unidades representaram um investimento superior a sete milhões de euros. Além disso, estamos a desenvolver o novo Vila Galé Porto Ribeira e o Vila Galé Sintra e, no Brasil, o novo resort em Touros, perto de Natal”, conta Gonçalo Rebelo de Almeida que, no pico da crise, prosseguiu uma estratégia de investimento, mesmo “em regiões de menos procura como Évora ou o Douro”.
 
 O desenvolvimento do produto e a inovação também têm grande foco no setor. Nos transportes, por exemplo, a TAP leva a cabo uma nova reestruturação de frota tanto na sua companhia principal, a TAP SA, como na empresa de foco mais regional, a TAP Express – ; a antiga Portugália Airlines. A TAP vai receber 53 novos aviões, a TAP Express já começou a renovar a sua frota para receber aviões Embraer 190 e ATR 72.
 
Mesmo assim, Vítor Neto, antigo secretário de Estado do Turismo, e Presidente da Comissão Organizadora da Bolsa de Turismo de Lisboa, considera que hoje “não está a verificar-se mais investimento do que na década anterior. O que aconteceu é que o turismo urbano conheceu um crescimento muito forte”, especialmente “Lisboa e Porto que conheceram ritmos de crescimento mais elevados por exemplo que o Algarve”.

Fonte: Portugal Global



NOTÍCIAS RELACIONADAS
28/06/2017
Gastos de brasileiros no exterior aumentaram 34% em maio
27/06/2017
Transportes de mercadorias aumentam nos portos, estradas e ferrovias [Portugal]
27/06/2017
Incêndios: Governo quer dar condições para recuperar empregos e empresas [Portugal]
27/06/2017
Projeto português apresentado em encontro de ministros da Justiça da CPLP
26/06/2017
Brasileiros de TI promovem evento de capacitação e networking em Portugal
26/06/2017
Portugal: o novo eldorado da classe média brasileira