home > notícias

ASSOCIADOS

15/04/2016

Glexyz: Prototipagem virtual poupa 70% no tempo e 50% nos custos

Está a prestes a lançar um novo produto para o mercado, mas precisa de testes funcionais fidedignos?

A Glexyz propõe uma solução de prototipagem virtual capaz de testar qualquer produto e avaliar a sua performance no momento atual e no futuro, permitindo a deteção antecipada de problemas e a observação do comportamento do objeto analisado com desgaste. A startup criada por André Luz, 33 anos, foi finalista do 17º Prémio do Jovem Empreendedor ANJE e uma das cinco empresas que representou Portugal na etapa internacional do TechMatch Global, encontro mundial de investidores e empreendedores realizado em Bratislava no ano de 2015. Resultado de mais de uma década de investigação, a tecnologia da Glexyz permite poupar 70% do tempo despendido e reduzir para metade os custos associados à prototipagem física de produtos.

 
Os primeiros passos para a construção da Glexyz foram dados há 10 anos, enquanto André Luz era investigador na Rolls-Royce, dedicando-se ao estudo de motores de avião. “Sempre que queríamos implementar uma melhoria no motor, tínhamos que passar por um programa de testes que demorava meses e custava uma fortuna”, refere o empreendedor. André Luz encarou o problema como um impulso para construir uma solução, surgindo então a Glexyz. A empresa “disponibiliza no mercado uma solução de teste virtual de produtos. Normalmente após desenharmos um produto, fabricamos um protótipo físico para testar se o design funciona como pretendemos. Utilizando o software da Glexyz, após desenharmos o produto, podemos testá-lo virtualmente (em 3D) como se efetuássemos um teste na realidade. Daí que a nossa tecnologia se chame prototipagem virtual.”, explica o fazedor.
 
Com capacidade para efetuar testes a qualquer tipologia de produto (desde um pacemaker até aviões ou arranha-céus), a tecnologia da Glexyz diferencia-se pela capacidade de testar elementos no momento atual, mas também após longos períodos de atividade. “O software de prototipagem virtual da Glexyz é o único, nos planos nacional e internacional, que testa um design não só quando o produto sai do processo de fabrico, mas também analisa como é que o produto se vai comportando à medida que vai sendo utilizado. A plataforma permite assim perceber como o desgaste de utilização de um produto afeta o seu comportamento e em que condições o objeto vai ser danificado”, afirma o responsável. A esta caraterística distintiva cumpre ainda somar a poupança de recursos proporcionada pela solução da empresa, com a redução dos recursos temporais (70%) e monetários (50%) despendidos no teste de produtos. 
 
A Glexyz nasceu no setor aeroespacial e a sua solução tem vindo a ser utilizada por agentes empresariais nesta área, mas também na indústria automóvel e de defesa. Os setores mencionados apresentam alguns desafios de engenharia para a próxima década, facto que obriga à disponibilização de um programa capaz para a testagem de produtos. Nesse sentido, a Glexyz concentra atenções nas três áreas de atividade, abrindo portas à exploração de novos mercados. A funcionar em sistema cloud, a tecnologia de prototipagem virtual da empresa pode ser utilizada em qualquer parte do mundo. “A Glexyz foca-se nos mercados com maior capacidade de desenvolvimento de produto. Estamos atualmente nos Estados Unidos da América, no Brasil e em Espanha. Pretendemos, nos próximos três anos, expandir para Alemanha, França, Inglaterra, México, China, Índia, Coreia do Sul e Japão”, menciona André Luz.
 
Glexyz_2

EXPANSÃO E NOVOS PROJETOS NA CALHA PARA O FUTURO
 
O futuro da Glexyz já tem alguns planos traçados. “Estamos a trabalhar numa versão modificada da nossa tecnologia para os setores de construção e matérias-primas específica para o mercado dos PALOP. O objetivo é maximizar a utilização de recursos internos em novos desenvolvimentos de infraestruturas”, afirma o empreendedor. A empresa está numa nova ronda de financiamento com o objetivo de aumentar a capacidade computacional, de forma a estabelecer presença física em mercados prioritários. 
 
Nos planos da empresa está também a operacionalização de um novo projeto no âmbito do Horizonte 2020 com a Airbus, no valor de 500 mil euros. A médio prazo, o empreendedor acredita ainda que será possível “expandir a tecnologia de teste virtual para outros setores, nomeadamente realidade virtual, manutenção e cibersegurança”. 
 
Atualmente instalada fisicamente em Lisboa e São Paulo, a Glexyz validou a sua tecnologia com vários clientes de referência nos últimos quatro anos. A saber: Mercedes, Volkswagen, Airbus, Bosch, e Denso. O contacto com estes players permitiu, não só, perceber as vantagens económicas e competitivas proporcionadas pela empresa, mas ainda notar que a possibilidade de erro da plataforma era menor quando comparada com os testes físicos. 
 
O volume de faturação conseguido pela empresa em 2015 foi 500 mil euros e a previsão para 2016 fixa-se nos dois milhões de euros. Durante o período de existência, a Glexyz já foi distinguida como um dos finalistas do 17º Prémio do Jovem Empreendedor e da competição TechMatch Global 2015. A empresa conquistou ainda o estatuto de parceiro referência da Mercedes-Benz Brasil, sendo André Luz frequentemente convidado para palestras em feira e conferências de inovação em Portugal e nos mercados estrangeiros.  
 
SOBRE O EMPREENDEDOR
 
André Godinho Luz, 33 anos, é CEO da Glexyz. Doutorado em Engenharia Mecânica pelo Imperial College London, o fazedor foi investigador na Rolls-Royce Jet Engines até ter fundado o seu projeto empresarial. 

Fonte: Anje



NOTÍCIAS RELACIONADAS
07/11/2017
Comissário Carlos Moedas antecipa uma "revolução" na indústria de pagamentos bancários [Roland Berger]
07/11/2017
Lucro da EDP aumenta 86% para 1.147 milhões nos primeiros nove meses do ano [EDP]
07/11/2017
EDP Espírito Santo promoveu oficina de grafite e rimas em Guarapari [EDP]
07/11/2017
Franco | Advogados anuncia expansão no atendimento Penal [Franco Advogados]
06/11/2017
Instituto Tomie Ohtake apresenta exposição com as obras dos vencedores EDP nas artes [EDP]
06/11/2017
Medida Provisória nº 806/17: Instituição de Tributação de Fundos de Investimento Fechados e Alterações na Sistemática de Tributação de Outros Fundos [CPBS]