home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

31/05/2016

Economia portuguesa cresceu mais do que o previsto

O Instituto Nacional de Estatística reviu, esta terça-feira, em alta o crescimento da economia no primeiro trimestre, com o PIB a crescer 0,9% em termos homólogos e 0,2% face ao trimestre anterior.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou, esta terça-feira, o destaque das Contas Nacionais Trimestrais relativas ao primeiro trimestre deste ano. Números melhores que os que havia revelado, na estimativa rápida de 13 de maio, segundo os quais a economia portuguesa crescera 0,1% no primeiro trimestre deste ano face ao último trimestre de 2015 e avançara 0,8% em termos homólogos.

Apesar da revisão em alta, os números avançados significam que o crescimento da economia abrandou em termos homólogos, uma vez que entre janeiro e março do ano passado o PIB tinha aumentado 1,7%, estabilizando face aos últimos três meses de 2015, quando o PIB avançou igualmente 0,2%.

Segundo o INE, em termos homólogos, o PIB registou um aumento de 0,9% em volume entre janeiro e março (variação de 1,3% no trimestre anterior).

A procura externa líquida registou um contributo negativo de 1,1 pontos percentuais para a variação homóloga do PIB, igual ao observado no quarto trimestre de 2015, verificando-se uma desaceleração das exportações de bens e serviços e das importações de bens e serviços.

O contributo da procura interna, por sua vez, foi de 2,0 pontos percentuais, inferior ao observado no trimestre precedente (2,4 pontos percentuais) "devido à redução do investimento, uma vez que o consumo privado acelerou e o consumo público manteve o ritmo de crescimento do trimestre anterior", explica o instituto.

Comparativamente com o quarto trimestre de 2015, o PIB registou uma taxa de variação de 0,2% em termos reais (taxa idêntica à observada no trimestre anterior).

"O contributo da procura interna foi positivo devido essencialmente ao crescimento do consumo privado, enquanto o contributo da procura externa líquida foi negativo, refletindo a redução das exportações de bens e serviços e o aumento das importações de bens e serviços", destaca o INE.

Segundo o gabinete de estatísticas, comparando com a estimativa rápida para o primeiro trimestre, a nova informação de base utilizada implicou revisões nas taxas de variação homóloga e em cadeia do PIB, "particularmente devido à incorporação de informação adicional sobre os deflatores das exportações e das importações".

O consumo privado, em volume, apresentou uma subida homóloga de 2,9% no primeiro trimestre do ano, 0,6 pontos percentuais acima da taxa de variação observada no trimestre precedente.

"Esta evolução deveu-se sobretudo à aceleração da despesa com bens duradouros, que passou de uma variação homóloga de 7,5% no trimestre anterior para 12,8%, refletindo em larga medida a evolução da componente automóvel", sinaliza.

O investimento, por sua vez, registou uma redução de 0,6%, após o crescimento homólogo de 4,4% no trimestre anterior, refletindo a diminuição da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que passou de um crescimento homólogo de 1,0% no trimestre anterior para uma queda de 2,2%.

Por sua vez, o contributo da variação de existências para o crescimento homólogo do PIB foi de 0,3 pontos percentuais, inferior ao verificado no trimestre precedente (0,5 pontos percentuais).

"O comportamento da FBCF em construção explicou, em grande medida, a diminuição da FBCF total verificada no primeiro trimestre, registando uma variação homóloga de -3,9% em termos reais, após ter aumentado 4,4% no quarto trimestre", refere o INE.

De acordo com o instituto, as exportações de bens e serviços em volume passaram de uma variação homóloga de 2,8% no quarto trimestre para 2,2% no primeiro trimestre, "em resultado da desaceleração de ambas as componentes, mais intensa no caso dos serviços".

As exportações de bens registaram uma taxa de variação homóloga de 2,6% (2,8% no trimestre anterior), enquanto as exportações de serviços aumentaram 1,1% em termos homólogos (2,7% no quarto trimestre).

O INE sinaliza, nesta rubrica, que as exportações de turismo aceleraram no primeiro trimestre de 2016, enquanto as exportações de outros serviços diminuíram.

As importações de bens e serviços em volume, por sua vez, aumentaram 4,6% em termos homólogos, ainda assim desacelerando face ao crescimento de 5,3% observado no trimestre precedente.

"Esta evolução resultou do abrandamento das importações de bens, que cresceram 5,0% em termos homólogos (6,2% no trimestre anterior), uma vez que as importações de serviços aceleraram, apresentando uma taxa de variação homóloga de 1,7% (0,1% no quarto trimestre de 2015)", justifica.

O VAB (Valor Acrescentado Bruto) total a preços base desacelerou, passando de um crescimento homólogo de 1,3% no último trimestre de 2015 para um crescimento de 0,5% no primeiro trimestre de 2016.

O emprego para o conjunto dos ramos de atividade da economia, corrigido de sazonalidade, registou um crescimento homólogo de 1,1% no primeiro trimestre, após o aumento de 1,8% no trimestre anterior, enquanto o emprego remunerado (igualmente corrigido de sazonalidade) apresentou uma variação homóloga de 1,7% no primeiro trimestre (1,8% no quarto trimestre).

O Governo prevê um crescimento económico de 1,8% este ano, estimativa que inscreveu no Orçamento do Estado para 2016 e que manteve com a apresentação do Programa de Estabilidade.

Esta meta tem sido considerada otimista, ficando abaixo das estimativas das principais instituições financeiras internacionais e nacionais: a Comissão Europeia e o Banco de Portugal antecipam que o PIB português cresça 1,5%, enquanto o Fundo Monetário Internacional prevê que avance 1,4%.

Fonte: Jornal de Notícias



NOTÍCIAS RELACIONADAS
20/10/2017
Simulador IRS 2018
20/10/2017
Correios de Portugal e do Brasil firmam parceria para potenciar ecommerce entre dois países
20/10/2017
EU Market Access Brazil., edição 52
20/10/2017
Em busca de visto, brasileiros movimentam Consulado de Portugal
18/10/2017
Arbitragem administrativa no Brasil e em Portugal
17/10/2017
Portugal sobe no ranking mundial para investir em imobiliário