home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

07/06/2016

Mercado editorial cresce 3,9%

A industria editorial portuguesa valia 345 milhões de euros em 2015 o que representa um crescimento de 3,9% face ao ano anterior, anunciou a Informa D&B. É o segundo ano de crescimento positivo.

Este é o segundo ano consecutivo de crescimento, depois de um período de quedas que começou em 2008 e se prolongou até 2013. A quebra registada no período entre 2008 e 2013 deveu-se por um lado à redução de rendimento das famílias e por outro á grande disponibilidade de conteúdos na Internet.
 
Em sentido inverso, o ano passado, as exportações do setor recuaram quase 25% para 36 milhões de euros. Os principais mercados de destino dos livros portugueses são Angola e Moçambique, com participações sobre o valor total das exportações de 31% e 28%, respetivamente.
 
O setor da indústria editorial em Portugal é composto por 410 empresas, que geram um volume de emprego aproximado de 2 200 trabalhadores. Nos últimos anos, o número de editoras tem vindo a diminuir, embora no exercício 2014 tenha havido uma ligeira retoma. Apesar da dimensão média das empresas ser reduzida, tem-se assistido nos últimos anos a um processo de concentração impulsionado por operações de aquisição e fusão realizadas por grupos de maior dimensão.
 
Os cinco operadores de maior dimensão reuniram em 2014 uma quota de mercado conjunta de 65%, percentagem que passa para 77% se se considerar a participação conjunta dos dez primeiros.

Fonte: Oje



NOTÍCIAS RELACIONADAS
24/04/2018
Vitalidade do sistema político tem sido preocupação do Presidente da República [Portugal]
24/04/2018
PSI20 sobe 0,30% em linha com ganhos das bolsas europeias [Portugal]
24/04/2018
Governo quer “com urgência” aumentar a oferta no arrendamento e desafia proprietários [Portugal]
20/04/2018
Presidente da República quer finanças públicas saudáveis “ao serviço das pessoas” [Portugal]
20/04/2018
Portugal foi exemplar nas reformas que permitem crescimento atual
20/04/2018
Human Rights Watch elogia Portugal por vencer a crise sem rejeitar a democracia