home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

20/06/2016

Governo português está a negociar 25 novas rotas aéreas

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, garante que o Governo trabalha "muito" na questão das ligações a Portugal, estando atualmente a avaliar 25 novas rotas aéreas.

O ministro português da Economia, Manuel Caldeira Cabral, revelou em entrevista ao "Jornal de Negócios" que o Governo está a negociar a abertura de 25 novas rotas aéreas no país.

"Há 25 novas rotas aéreas que estão a ser abertas e negociadas. A China é uma das rotas e é muito importante. Os turistas chineses tem um poder de compra muito grande, fazem muitas compras e gastos nas férias. A China é um novo mercado e importante", afirmou o ministro da Economia.

Manuel Caldeira Cabral sublinhou que o Governo trabalha "muito" na questão das ligações aéreas a Portugal.

"Não vejo que Portugal seja só um país que esteja dependente de turismo, mas o turismo é um sector estratégico e é um sector onde Portugal é bom, ponto", afirmou o governante.

"É muito bom porque tem um clima agradável, mas é mais do que isso  e oferece coisas imateriais que os turistas apreciam muito: a cultura, a gastronomia, um bom acolhimento, as pessoas falarem línguas estrangeiras, ou um sistema de saúde de confiança, ter segurança nas ruas, isto são aspectos chave para o turismo", destaca Manuel Caldeira Cabral. "E queremos valorizar estes aspectos, numa política de promoção e atracção de mais turistas", acrescenta o ministro na sua entrevista ao "Jornal de Negócios", esta segunda-feira.

Fonte: Portugal Digital



NOTÍCIAS RELACIONADAS
22/06/2017
Portugal é o segundo país da Europa onde mais se confia nas notícias
20/06/2017
Fileira do imobiliário vai vender "Houses of Portugal" em quatro mercados estratégicos
20/06/2017
Construção metálica já representa 2% das exportações nacionais [Portugal]
20/06/2017
Centeno: "Portugueses hoje estão mais orgulhosos de Portugal"
19/06/2017
“Que venham os brasileiros”, convida António Costa
19/06/2017
Histórico. Já estamos a exportar mais eletricidade do que importamos [Portugal]