home > notícias

MUNDO

09/09/2016

Brasil garante as medalhas de ouro e bronze na natação paralímpica

Daniel Dias, o maior medalhista paralímpico do Brasil, já garantiuno primeiro dia de competições o seu primeiro ouro no Rio de Janeiro.

A natação concentra muitas das chances de medalha para o Brasil nos Jogos Paralímpicos e Daniel Dias deve ser o dono do maior número delas. Na quinta-feira (8) já veio a primeira. A cara de mau do chinês Zheng Tao diz tudo: ele não gosta de adversários por perto e chegou sozinho na frente e bateu o recorde mundial dos 100 metros costas.
O catarinense Talisson Glock, que tem um braço e uma perna amputados, terminou a prova em quarto lugar. Na mesma posição chegou também para Caio Amorim nos 400 metros estilo livre. Ele nasceu com má formação congênita nas pernas.
Mas quem veio para o primeiro dia da natação não saiu de lá sem ver uma medalha brasileira. Aliás, foi bem mais do que isso, foi história sendo escrita dentro da piscina. Quando Daniel Dias foi anunciado, o público parecia pressentir que a medalha era uma questão de tempo. E foi. Ninguém alcançou o nadador nos 200 metros livre. Daniel, que nasceu com má formação nos braços e na perna direita, fez o tempo de 2 minutos, 27 segundos e 88 centésimos e garantiu a 16ª medalha nos jogos, 11 delas de ouro. Ele é o maior medalhista paralímpico do Brasil.
Ainda teve o bronze do tocantinense Italo Pereira nos cem metros costas. Ele nasceu com má formação nas pernas. Foi só o primeiro dia da natação. O Brasil ainda tem muitos dias para ouvir o hino brasileiro na premiação do pódio outras vezes.

Fonte: Globo



NOTÍCIAS RELACIONADAS
22/05/2017
Madonna procura escola para os filhos em Portugal
22/05/2017
Portugal já conquistou oito medalhas na Taça do Mundo
19/05/2017
Após canonização dos pastorinhos, Papa comprometeu-se a repetir a “mensagem de paz” de Fátima
19/05/2017
Artistas de Portugal e do Brasil na Bienal de Lyon dedicada à modernidade
18/05/2017
Jonas: 'Portugal é maravilhoso e o Benfica então nem se fala'
18/05/2017
Portugal depois da crise