home > notícias

MUNDO

04/10/2016

Brasileiros são a maioria dos estudantes estrangeiros da Universidade do Algarve

Com um pé nas aulas e outro na praia, duas centenas de estudantes vindos do Brasil sonham com uma 'janela aberta' para a Europa.

Os jovens brasileiros estão descobrir o Algarve, juntando o útil ao agradável — estudar e ao mesmo tempo ter a praia ali mesmo lado da Universidade. A maioria dos 15% de estudantes estrangeiros que ingressaram no 1º ano de licenciatura ou mestrado integrado na Universidade do Algarve (Ualg), vieram do Brasil. Não é por acaso que a Ualg usa o slogan: “Estudar onde é bom viver”. Num universo de 8 mil alunos, 1200 são estrangeiros. “Quem não fale inglês, aqui, não tem chance”, diz Lucas Paris, 22 anos, que chegou há um mês para estudar engenharia civil, mas já conhecia Portugal a jogar à bola.

No início da semana, o evento “Internacional Day” foi o momento oficial em que os alunos, provenientes de 70 nacionalidades, se apresentaram e deram a conhecer os seus países. O encontro, com uso obrigatório da língua inglesa, destinou-se a aproximar os alunos do Programa Erasmus e de outros programas de intercâmbio, em ambiente familiar. Lucas Pires, por não dominar o idioma, ficou fora de jogo. “Vou ter que aprender inglês”, comentou ao sair da sala, na altura em que uma colega, mexicana, projectava um vídeo com imagens, a apelar a uma visita ao seu país. 

“Nunca tinha saído do Brasil”, diz outro estudante do 1º ano de engenharia mecânica. Vinicius Elias, de 19 anos, veio da cidade Três Corações, no estado de Minas Gerais. Do seu percurso de vida, destaca que passou os primeiros anos da infância no litoral de São Paulo, e é daí que lhe ficou o gosto pelo mar. “Estou feliz, porque posso estudar e tenho bonitas praias”, o que não acontecia na cidade onde ultimamente vivia. As expectativas que alimenta são de, um dia, partir deste lugar ao sul e ao sol e adquirir “outras experiências na Europa”. 
O estudante de engenharia, Lucas Paris, antes de mergulhar nas engenharias, quer aprofundar os conhecimentos na língua de Shakespeare. “Dei umas voltas a conhecer a região, e vejo que todo o mundo fala inglês”, comentou. Para quem vem de Curibita, no estado de Paraná, observa, o Algarve está a ser “muito interessante”, visto pelo lado turístico.
 

Sonho de bola

Antes de aterrar em Faro, Lucas Paris descobriu Portugal através do futebol, quando tinha 17 anos. “Jogava num clube/empresa, e todo o jogador brasileiro quer vir jogar na Europa”. O sonho viria a concretizar-se no Boavista, mas o jovem — ainda sem idade para se legalizar — passou no teste futebolístico, mas acabaria por regressar ao país de origem para aguardar a maioridade. Quando completou os 18 anos voltou para concretizar o seu projecto de vida. Porém, uma lesão no pé obrigou-o a desistir da carreira. Retomou os estudos no Brasil, mas Portugal não lhe saiu da cabeça. “Sair do futebol foi aborrecido”. Assim, quando teve conhecimento que a Ualg aderiu ao Exame Nacional de Ensino Médio (ENEM), do sistema de ensino no Brasil (ensino secundário), não hesitou em fazer as malas — desta vez, para se licenciar em engenharia. “Sempre quis pegar Portugal de qualquer jeito”, sublinha. 

O número de estudantes brasileiros, a frequentar a Ualg passou de 40, no ano de 2015/16 para as actuais duas centenas. A instituição, através dos acordos internacionais, aceitou substituir as provas de ingresso nos cursos pelos resultados do ENEM.

Mudar de vida

Mas não são apenas os jovens a viajar para estudar em Portugal. Sandra Pascoal, de 53 anos, após 38 anos a trabalhar em laboratórios de análises clínicas, decidiu mudar de vida quando se reformou. A ideia que sempre a perseguiu, diz, foi “experimentar uma outra profissão, diferente da área da saúde”, quando atingisse estabilidade financeira. O turismo foi a opção. Começou por fazer um curso técnico de guia turística, no Brasil. Portugal estava no horizonte. Ao verificar que tinha sido seleccionada para ingressar na Ualg, diz, agarrou “esta oportunidade com as duas mãos”. Do Algarve só conhecia as histórias sobre o “sucesso do turismo”, com uma forte implantação do mercado britânico. “Estava muito curiosa para saber mais coisas desta região do Mediterrânio”, observa. Do resto do país, a estudante chegada de São Paulo só conhecia Fátima, visitada numa viagem anterior. “Sou brasileira, católica, não é?”, justifica. 

Fonte: Público PT



NOTÍCIAS RELACIONADAS
24/03/2017
Praias de Portugal distinguidas
24/03/2017
Publituris Portugal Trade Awards
24/03/2017
Cooperativa de Lisboa salva do lixo 500 toneladas de fruta e hortaliças em 3 anos
24/03/2017
Fórum Econômico Mundial nomeia português como jovem líder global
24/03/2017
Brasil Junino leva artistas e grupos brasileiros para a Europa
24/03/2017
Portugal pode ser nova a sede da Agência Europeia do Medicamento