home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

03/11/2016

Primeiro-ministro português defende vaga para o Brasil no Conselho de Segurança

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, defendeu a reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas e que o Brasil passe a ser membro permanente do colegiado.

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, defendeu a reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas e que o Brasil passe a ser membro permanente do colegiado. Segundo ele, a eleição do português António Guterres para o cargo de secretário-geral da ONU pode ser o primeiro passo para uma série de mudanças no organismo internacional.

"O processo [de escolha de Guterres] foi pela primeira vez aberto, transparente, participante. Foi talvez a primeira marca da reforma das Nações Unidas. Essa reforma tem que prosseguir, e uma das boas formas de prosseguir é com um novo Conselho de Segurança, que corresponda àquilo que é a realidade do mundo hoje, que já não é mais a realidade do pós-guerra. E na realidade do mundo de hoje não pode haver um Conselho de Segurança onde o Brasil não seja membro permanente do conselho", disse o primeiro-ministro português.

Costa também defende que a língua portuguesa seja incluída entre os idiomas oficiais da ONU.

O primeiro-ministro de Portugal foi recebido hoje (1º) pelo presidente Michel Temer para uma reunião de trabalho, no Palácio do Planalto. Os dois assinaram atos de cooperação nas áreas de ciência tecnologia e educação. À noite, no Itamaraty, Temer ofereceu um jantar ao primeiro-ministro português. Agência Brasil

Fonte: Portugal Digital



NOTÍCIAS RELACIONADAS
24/04/2018
Vitalidade do sistema político tem sido preocupação do Presidente da República [Portugal]
24/04/2018
PSI20 sobe 0,30% em linha com ganhos das bolsas europeias [Portugal]
24/04/2018
Governo quer “com urgência” aumentar a oferta no arrendamento e desafia proprietários [Portugal]
20/04/2018
Presidente da República quer finanças públicas saudáveis “ao serviço das pessoas” [Portugal]
20/04/2018
Portugal foi exemplar nas reformas que permitem crescimento atual
20/04/2018
Human Rights Watch elogia Portugal por vencer a crise sem rejeitar a democracia