home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

10/11/2016

2º Seminário e 1ºWorkshop Internacional sobre Conduta Empresarial Responsável (CER) Melhores Práticas

O objetivo do 2o Seminário e do 1o Workshop é apresentar, debater e disseminar melhores práticas sobre Conduta Empresarial Responsável (CER), Responsible Business Conduct (RBC) em sua versão em Inglês,com foco na governança, gestão, e resultados no desenvolvimento de ações e iniciativas nos quatro pilares básicos da CER escolhidos para o workshop e no engajamento das empresas brasileiras e europeias na adoção dos princípios da CER.

Esta 2ª edição do Seminário, visa identificar as melhores práticas e compartilhar experiências de empresas brasileiras e europeias de implementação bem-sucedida das diretrizes e princípios da Conduta Empresarial Responsável com um foco específico na Valoração Economica e Financeira e avaliação do Retorno sobre o Investimento (Social and Economic ROI) das iniciativas de Competitividade Sustentável, tanto do ponto de vista interno das organizações, assim como do ponto de vista externo (consumidores, fornecedores, mercados, instituçoes financeiras, etc.). Este seminário visa congregar uma ampla gama de atores e representantes (empresas, governo, sociedade civil, consumidores e usuarios, setor academico e comunidade diplomata), no intuito de promover uma compreensão geral, uma troca de melhores práticas e a aceitação e difusão dos princípios e das diretrizes da CER, de maneira efetiva.

O Workshop tem como objetivo criar condições para que as empresas, brasileiras e europeias, possam trocar experiências na área de Conduta Empresarial Responsável, principalmente nas quatro áreas selecionadas, através da apresentação e da troca de experiências e melhores práticas dos projetos apoiados e/ou desenvolvidos pelas empresas participantes. Esta dinâmica de intercâmbio de experiencias abre oportunidades e caminhos para desenvolver parcerias e alianças estratégicas entre as empresas participantes, visando fazer a diferença e construir um legado, além de alavancar os negócios entre empresas sediadas no Brasil e o mercado da União Europeia.

Empresas selecionadas da UE e do Brasil debaterão de forma interativa entre elas, apresentando suas melhores práticas em CER, em especial aquelas relacionadas aos temas selecionados, e como esses programas têm sido benéficos para suas empresas e seus stakeholders, e como lidaram com os desafios associados à absorção dos princípios e das diretrizes de CER nas suas operações no Brasil, e como podem criar um diferencial competitivo para atuar e/ou vender seus produtos/serviços para outros mercados, além do seu mercado doméstico de referencia. O propósito é promover e compartilhar as melhores práticas/experiências e descrever como a absorção dos princípios e das diretrizes de CER se tornam indispensáveis, não apenas para apoiar o Desenvolvimento Sustentável, mas também para criar diferenciais levando a empresas a serem mais competitivas e sustentáveis (duradouras). Por exemplo: os clientes europeus e brasileiros estão cada vez mais preocupados com a gestão responsável das cadeias de suprimentos e têm maiores expectativas em relação ao comportamento das empresas.

Os quatro pilares básicos da CER escolhidos para este evento são:

• CER -  Ambiental, Social e Ações Comunitária.

  • Ações desenvolvidas pelas empresas com impacto ambiental, com baixa emissão de carbono (low carbon actions): green building; agrobusiness; outras
  • Ações desenvolvidas pelas empresas com impacto social e desenvolvimento comunitário (local) – geração de emprego e renda; arranjos produtivos locais; outras

• Competitividade Sustentável – Vantagens competitivas de uma Conduta Empresarial Responsável.

  • Ações ligadas aos pilares da CS e de CER, que contribuam para o desenvolvimento do Brasil, e que gerem diferencial competitivo para acessar mercados internacionais ou aumentar quota do mercado nacional, reconhecimento pelo cliente, usuario ou mercado, etc.

• CER -  Empresas e Direitos Humanos (Business and Human Rights).

  • Ações empresariais com impacto nos direitos humanos – diferencial nas demandas de direitos humanos nas localidades aonde atuam, e/ou como diferencial competitivo internacional: programas de não discriminação, respeito e promoção dos DDHH entre os trabalhadores da empresa e demais stakeholders, etc.

• CER - Ações nas Cadeias de Suprimentos (Supply Chain): envolvendo as Micro e Pequenas Empresas e incorporando clientes e usuarios no processo e no gerenciamento responsável das cadeias de suprimentos.

  • Projetos destinados a extender a CER a nivel vertical no processo productivo desde os fornecedores até os usuarios finais, certificações, apoio para atingir metas e objetivos de sustentabilidade para fornecedores, etc.

 

Organização e apoio:

Tendo em vista o objetivo da Delegação da União Europeia de desenvolver uma relação entre os setores público, privado e social, bem como aprimorar a cooperação entre as instituições europeias e brasileiras, ambos eventos ocorrerão na FIESP, com o propósito de promover a expansão de um diálogo igualitário entre as autoridades e as empresas europeias e brasileiras, e em parceria, alem de com a FIESP, com as Eurocâmaras como organismo federativo das empresas da UE por meio das Câmaras de Comércio dos Estados-Membros. Além disso, participarão no evento diversas organizações brasileiras e internacionais relevantes, como o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o Ponto de Contato Nacional das Diretrizes da OCDE para as empresas multinacionais, o Pacto Global das Nações Unidas no Brasil, o Banco Interamericano de Desenvolvimento, o Instituto Ethos, CSR EUROPE, e o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS).

Datas e inscrição (ambos eventos são gratuitos e não tem nenhum custo de inscrição).

O 2o Seminário sobre CER será realizado no dia 22/11 das 08.06h as 12.46h no Salão Nobre da FIESP, 15º andar, Avenida Paulista, 1313, São Paulo. A participação no evento será gratuita, por meio inscrição prévia no site da FIESP (um convite com o link para a inscrição sera enviado nos proximos dias). As vagas são limitadas.

O Workshop vinculado a este seminário será realizado no mesmo dia 22/11 das 14.06h as 18.06h também no Salão Nobre da FIESP. A participação será exclusivamente por convite dos organizadores, FIESP e Delegação da UE, para empresas com programas de CER nas quatro áreas acima indicadas (ou interesse em participar para conhecer essos projetos e eventualmente implementa-lhos nessas empresas). As empresas interessadas em participar podem solicitar um convite e mais informações  da dinâmica do workshop enviando e-mail para:

Qualquer dúvida envie um e-mail para os organizadores nos emails acima indicados.

Cenário e Antecedentes

Nos últimos anos, a Comissão Europeia e o Serviço Europeu para a Ação Externa (SEAE) têm trabalhado em estreita colaboração para facilitar o progresso e o diálogo sobre a Conduta Empresarial Responsável (CER), tanto nos 28 países da UE, como em outros países. 

Esse engajamento deve ser visto no contexto mais amplo do compromisso da UE com a promoção do Desenvolvimento Sustentável, que continua sendo um objetivo fundamental da União Europeia à luz do Tratado de Lisboa. Conforme enfatizado no relatório da Presidência relativo à revisão da Estratégia de Desenvolvimento Sustentável da União Europeia (SDS UE) de 2009, a estratégia continuará a oferecer uma visão de longo prazo, e constituirá o marco político geral para todas as políticas e estratégias internas e externas da União Europeia. 

O comunicado da Comissão "Rio+20: rumo à economia verde e a melhor governança” de 2012 se refere à estratégia Europa 2020 como uma ferramenta eficaz para alcançar o Desenvolvimento Sustentável na UE, estabelecendo os alicerces de um futuro mais competitivo e sustentável, baseado num crescimento inteligente, sustentável e inclusivo.

Nesse marco, a UE tem-se mantido na linha de frente da luta pela reduçãodas mudanças climáticas e em prol de uma economia com baixas emissões de carbono, enfatizando, assim, as medidas e as políticas ambientais e o Desenvolvimento Competitivo e Sustentável, em termos mais amplos. 

Em nível bilateral, um elemento chave na atual política comercial da UE é a negociação e implementação dos dispositivos de Comércio e Desenvolvimento Sustentável (CDS) nos acordos comerciais bilaterais e regionais da UE, como princípio normativo e elemento básico de sustentação das relações comerciais da UE com países parceiros. Todos os Tratados de Livre Comércio mais recentes da UE incluem capítulos vinculativos de Comércio e Desenvolvimento Sustentável, que envolvem, entre outros, o compromisso das partes de respeitar os Acordos Ambientais Multilaterais, assim como disposições específicas promovendo práticas e esquemas comerciais que apoiem e promovam os objetivos de desenvolvimento sustentável, como a CER. Esse enfoque também faz parte das negociações em andamento.

Com a maior biodiversidade no planeta e abrangendo a maior parte da Amazônia, a maior floresta úmida tropical contínua do mundo, o Brasil tem desempenhado um papel proeminente na conservação da biodiversidade global e dos ambientes naturais, assim como no Desenvolvimento Competitivo e Sustentável. Como a UE, o Brasil tem impulsionado a agenda global do Desenvolvimento Sustentável, assim como as medidas ambientais, como ficou evidenciado no seu protagonismo durante a Conferência Rio + 20 de 2012 e seu papel ativo nos comitês Agenda pós-2015 e Metas de Desenvolvimento Sustentável.

A UE e o Brasil realizam reuniões anuais do Diálogo de Alto Nível sobre a Dimensão Ambiental do Desenvolvimento Sustentável, nas quais são discutidas as questões ambientais mais importantes. A UE, seus Estados Membros e o Brasil compartilham em geral os mesmos objetivos e pontos de vista sobre a sustentabilidade, sendo parceiros com frequência, como no grupo Amigos do Parágrafo 47 da Declaração do Rio +20 e em outros foros internacionais. Assim, o Brasil e a UE são parceiros importantes para exercer pressão em prol de uma ação internacional maior para resolver as questões ambientais globais, em especial a preservação da biodiversidade e das florestas, e para promover a economia verde, no contexto do Desenvolvimento Competitivo e Sustentável e da erradicação da pobreza.

Entretanto, o Desenvolvimento Sustentável não será alcançado com apenas políticas: deve ser abraçado pela sociedade como um todo, como princípio norteador das muitas escolhas que cada empresa e cada cidadão faz no dia a dia. Isso exige profundas modificações na maneira de pensar, nas estruturas econômicas, sociais, ambientais e culturais e nos padrões de consumo e produção. Nesta perspectiva, a UE tem mobilizado esforços ativamente na promoção do Desenvolvimento Competitivo e Sustentável, incluindo a adoção dos princípios e das diretrizes de CER pelas empresas. Além disso, as empresas europeias são líderes mundiais em tecnologia competitiva e sustentável e estão na vanguarda da inovação para o empreendedorismo sustentável.

O Desenvolvimento Sustentável, incluindo as questões ambientais, ganhou proeminência adicional no contexto da última Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável 2015, bem como, especialmente, a 21ª Conferência das Partes da Convenção sobre o Marco da ONU sobre a Mudança Climática 2015 (COP21/CMP11).Nesse cenário, o evento poderá aproveitar essa dinâmica positiva e avançar, assim, a agenda bilateral sobre o Desenvolvimento Competitivo e Sustentável, em especial fomentando o debate sobre os beneficios econômicos, sociais, ambientais e culturais derivados dos programas de CERimplementados pelas empresas, assim como fomentar um intercambio practico de informações sobre programas já desenvolvidos, ou no pipe-line, das empresas no intuito de fomentar maior difussão dos mesmos, assim como eventualmente cooperações e interação entre as empresas com interesse em programas similares e complementares e até em considerar desenvolver programas conjuntos.

Fonte: Assessoria



NOTÍCIAS RELACIONADAS
07/11/2017
António Costa: “Portugal é um ótimo sítio para investir”
07/11/2017
Investimento imobiliário em Portugal reforçado por mais 12 meses
07/11/2017
Há um ano foram ao Web Summit. O que é feito destas startups?
07/11/2017
Governo adota campanha “fortíssima” para atrair Agência do Medicamento
06/11/2017
É mais barato fazer faculdade em Portugal ou no Brasil?
06/11/2017
Organização da Web Summit está “convencida” a ficar em Portugal, diz Ana Lehman