home > notícias

MUNDO

10/11/2016

‘Amália: Saudades do Brasil’ é inaugurada no Rio de Janeiro

A exposição ‘Amália: Saudades do Brasil’ é inaugurada hoje, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro, quando se completam 40 anos sobre o álbum ‘Amália no Canecão’, uma das emblemáticas salas cariocas.

A exposição, que estará patente até 08 de dezembro, reúne os cartazes originais da estreia de Amália no Casino de Copacabana, em 1944, além de registos inéditos de som e imagem, incluindo a partitura original do clássico ‘Ai, Mouraria’, composto no Rio de Janeiro.

A mostra, ao lado dos documentos históricos, apresenta obras inspiradas na criadora de ‘Povo que lavas no rio’, assinadas por artistas contemporâneos, como Vik Muniz, Francesco Vezzoli e Ana Pérez-Quiroga, que apresenta ‘O quase mesmo autógrafo’, uma peça produzida propositadamente para esta mostra.

Esta peça de Pérez-Quiroga, natural de Coimbra, é constituída por 30 imagens impressas a jato de tinta sobre papel fotográfico ‘Epson UltraSmooth Fine Art Paper’, impressões de 29.7×21 centímetros, com texto impresso e texto vinil autocolante, explicou à Lusa fonte da organização da mostra.

Também hoje, mas à noite, sobem ao palco da Grande Sala da Cidade das Artes, numa homenagem a Amália Rodrigues (1920-1999), os fadistas Pedro Moutinho, Fábia Rebordão e Lenita Gentil, acompanhados por Custódio Castelo, na guitarra portuguesa, Carlos Menezes, na viola baixo, e Jorge Fernando, voz e viola, músico que acompanhou Amália e a quem cabe a direção musical.

A mostra visa dar “a conhecer a relação de Amália Rodrigues com o Brasil, a importância deste país na construção da sua presença no mundo”, segundo comunicado da organização.

O título da exposição, com curadoria de Frederico Santiago, Luís Neves e Sara Cavaco, remete para uma composição de Vinicius de Moraes, ‘Saudades do Brasil em Portugal’, composta para a voz de Amália, e que a gravou em dezembro de 1969, quando o criador brasileiro visitou a fadista na sua casa em Lisboa, e ali se realizou uma tertúlia, em que, entre outros, participaram Natália Correia, David Mourão-Ferreira e José Carlos Ary dos Santos.

Amália Rodrigues, com o compositor luso-francês Alain Oulman, gravou ‘Naufrágio’, da brasileira de ascendência açoriana Cecília Meirelles, e ao Brasil foi buscar um outro título, ‘Formiga Bossa-Nova’, do português Alexandre O’Neill, que Oulman também musicou.

A fadista atuou regularmente no Brasil e a exposição, que já esteve patente em S. Paulo, “dá a conhecer a relação de Amália Rodrigues com o Brasil, a importância deste país na construção da sua presença no mundo e a influência que a artista teve e continua a ter nas novas gerações de criadores, não só na área da música como também nas artes visuais”, segundo a organização.

Fonte: Revista Port.Com



NOTÍCIAS RELACIONADAS
24/03/2017
Praias de Portugal distinguidas
24/03/2017
Publituris Portugal Trade Awards
24/03/2017
Cooperativa de Lisboa salva do lixo 500 toneladas de fruta e hortaliças em 3 anos
24/03/2017
Fórum Econômico Mundial nomeia português como jovem líder global
24/03/2017
Brasil Junino leva artistas e grupos brasileiros para a Europa
24/03/2017
Portugal pode ser nova a sede da Agência Europeia do Medicamento