home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

22/11/2016

Lisboa é o quinto centro de arranque mais atrativo da Europa

Dezenas de jovens empresários pretendem transformar a capital de Portugal numa colmeia para empresas de tecnologia.

O objetivo é tornar Lisboa a próxima Berlim e gerar um “zumbido tecnológico”, oferecendo jovens talentosos e custos muito inferiores aos estabelecidos nos outros centros europeus.

Com Lisboa a sediar a maior conferência tecnológica da Europa, Web Summit, as esperanças elevaram-se para o facto de que isso pode acelerar o investimento em novos empreendimentos e reverter a fuga de cérebros dos jovens empresários.

Lisboa é uma pequena mancha no universo dos gigantes de arranque da Europa, como Londres e Berlim, devido a uma grave escassez de capital de risco na economia portuguesa, que continua a crescer lentamente.

O investidor alemão Simon Schaefer, que decidiu construir um espaço de escritórios para 400 trabalhadores de tecnologia na cidade, na esperança de replicar um projeto semelhante ao que fundou em Berlim, em 2012, afirmou à ‘Reuters’ que “Lisboa é emocionante”. “Você vê empresários internacionais pensando: “onde posso construir uma empresa?” E encontra Lisboa no mapa”, continuou.

Como o setor de inicialização é recente e a maioria das empresas permanece pequena, os dados ainda são escassos. No entanto, há sinais de crescimento rápido, embora a partir de uma base baixa, incluindo planos para criar espaços de escritórios para até 3 500 mil trabalhadores de tecnologia.

Além disso, quando o Governo se ofereceu para co-financiar startups, os capitalistas de risco prometeram mais de 500 milhões de euros. O Governo ainda está a avaliar as propostas e, apesar de não se saber quantas irão dar frutos, a soma ultrapassou em muito as expetativas oficiais.

Quando ocorreu a queda, o desemprego aumentou e milhares se dirigiram para o exterior. Portugal não tinha falta de competência e energia para criar startups tecnológicas, mas a escassez de capital significava que o talento tinha de ir ao estrangeiro em busca de financiamento.

A Grã-Bretanha beneficiou da fuga de cérebros. Em 2009, o empresário português José Neves fundou a loja online de vestuário de luxo Farfetch, em Londres. Hoje, é a segunda entrada mais valiosa da Grã-Bretanha, de acordo com a empresa de pesquisa CB Insights.

Já a Seedrs, co-fundada pelo empresário português Carlos Silva, na capital britânica, é a maior empresa online de crowdfunding da Europa.

No entanto, a saída está a começar a trazer benefícios: tanto a Farfetch, como a Seedrs têm, agora, grandes operações de volta a Portugal.

Lisboa tem saltado na tendência através do lançamento de uma série de incubadoras e aceleradores de negócios, as operações que promovem novas empresas. O estilo de vida descontraído e o encanto histórico de Lisboa, que desencadeou um boom turístico, aumentaram a mistura.

Um estudo da European Startup Initiative, uma organização sem fins lucrativos, descobriu, este ano, que Lisboa é o quinto centro de arranque mais atrativo da Europa, depois de Berlim, Londres, Amesterdão e Barcelona. Os resultados basearam-se nas respostas de 689 fundadores de startups, em que lhes foi perguntado, caso pudessem começar de novo, onde procurariam criar as suas empresas.

Anthony Douglas, com nacionalidade portuguesa, é fundador da tecnologia que enfrentou a recessão e iniciou um negócio há seis anos. Ele criou um aplicativo de golfe de nome Hole19, atualmente com um milhão de usuários em 172 países.

Douglas descobriu que o seu capital de inicialização durou mais no período antes da receita começar a fluir. “É possível construir um produto e uma empresa, com uma taxa de queima mais baixa do que em qualquer outro país, com pessoas talentosas, onde todos falam inglês”, disse, acrescentando que tem 30 funcionários, com uma idade média de 26 anos.

Ainda não há estimativas de quão grande o impacto das startups pode ser sobre a economia portuguesa, mas o governo socialista procura criar recursos pela simples razão das startups criarem massas de empregos.

Carlos Silva, que regressou a Lisboa para dirigir a operação portuguesa depois da fundação da Seedrs, afirmou que a situação de financiamento começou a mudar a partir do momento em que “os empresários portugueses teriam que subir num avião em direção a Londres para levantar capital”.

Existem, também, grandes esperanças de que alguns engenheiros portugueses que fundem ou trabalhem em empresas de grande dimensão no estrangeiro, regressem e canalizem os seus lucros para jovens que se iniciam na tecnologia.

Fonte: Portugal Global



NOTÍCIAS RELACIONADAS
16/10/2017
Portugal: 185 foram com vistos top em 2017
16/10/2017
Mercado imobiliário do Porto em franca expansão
16/10/2017
Web Summit. A máquina que transforma os negócios das startups
16/10/2017
Parque automóvel híbrido e elétrico português pode chegar aos 40 por cento em 2020
16/10/2017
Exportação aumenta a bom ritmo mas falta mão-de-obra
16/10/2017
Comissão Europeia adota iniciativa para impulsionar estágios na Europa