home > notícias

MUNDO

28/11/2016

Portugal vai ter centro europeu de investigação de medicina regenerativa

A sede será em Guimarães, arrancará em Fevereiro de 2017 e o nome escolhido é uma alusão aos Descobrimentos.

Traduzindo para português, chama-se As Descobertas – Centro para a Medicina Regenerativa e de Precisão e vai ser um centro europeu de investigação de excelência com sede em Portugal. A Comissão Europeia acabou de aprovar cerca de 15 milhões de euros para o financiamento directo deste centro, uma candidatura que foi coordenada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Liderado pela Universidade do Minho, o centro contará ainda com a parceria da University College de Londres (Reino Unido), da Universidade do Porto, da Universidade de Aveiro, da Universidade de Lisboa e da Universidade Nova de Lisboa. Arrancará oficialmente em Fevereiro de 2017, com a assinatura em Bruxelas do contracto de financiamento – anunciou em comunicado esta segunda-feira a Universidade do Minho.

O centro, cujo nome só foi divulgado em inglês (The Discoveries Centre for Regenearative and Precision Medicine), dedicar-se-á à investigação de doenças músculo-esqueléticas, neurodegenerativas e cardiovasculares. “Pretendemos desenvolver terapias para salvar vidas e prolongar a qualidade de vida das pessoas. Como não há especialistas nestas três áreas [em simultâneo], fizemos parcerias”, esclarece ao PÚBLICO Rui L. Reis, o coordenador científico do novo centro e que é vice-reitor da Universidade do Minho.

“Durante dois anos, vamos instalar-nos. Neste processo, iremos recorrer a equipamentos já existentes nos centros com que colaboramos”, salienta Rui Reis, doutorado em engenharia de polímeros, biomateriais e engenharia de tecidos humanos. O também presidente da Sociedade Internacional de Engenharia de Tecidos e Medicina Regenerativa considera que o novo centro terá um “efeito estruturante na ciência portuguesa”.

A sede será no Avepark – Parque de Tecnologia das Caldas das Taipas, em Guimarães. As instalações fazem parte do Roteiro Nacional de Infra-estruturas, promovido pela FCT. Neste caso, esta infra-estrutura do Roteiro é a TERM Research Hub (de Tissue Engineering and Regenerative Medicine), e será dedicada à engenharia de tecidos humanos, à medicina regenerativa, aos biomateriais e às células estaminais. Além dos 15 milhões de euros agora aprovados, a sede do novo centro terá um investimento adicional de 11 milhões, que serão assegurados pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte e pela FCT.

Nos próximos sete anos, espera-se que sejam investidos no centro As Descobertas 100 milhões de euros, com o apoio da FCT e das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, do Centro e de Lisboa e Vale do Tejo, refere o comunicado de imprensa.

Rui Reis destaca ainda o “rigoroso” processo de candidatura europeia a que a proposta foi sujeita nos últimos três anos. Ao todo, foram apresentadas 170 candidaturas e apenas dez foram seleccionadas. O centro As Descobertas foi o único projecto português aprovado.

Fonte: Publico PT



NOTÍCIAS RELACIONADAS
07/11/2017
Reynaldo Gianecchini percorre Portugal com peça de teatro
07/11/2017
Universidade do Porto condecorada pela Marinha do Brasil
07/11/2017
Bonecos de Estremoz podem ser Património da Humanidade em dezembro
06/11/2017
São Martinho, a mais antiga feira de cavalos de Portugal
06/11/2017
Portugal vai promover-se como destino para andar de bicicleta ou a pé
06/11/2017
70 mil km para descobrir a Mina Lusitana