home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

13/12/2016

Portugal foi o país da Europa a receber mais remessas de emigrantes em 2015

Segundo dados divulgados pelo Eurostat, no ano passado Portugal recebeu 3,3 mil milhões de euros em remessas de transferências pessoais de emigrantes.

Portugal voltou a ser, tal como em 2014, o país da União Europeia (UE) a receber mais remessas de transferências pessoais de emigrantes em 2015, segundo dados divulgados pelo Eurostat. Os 3,3 mil milhões de euros que circularam para o país ficaram à frente dos números da Polónia (3,2 mil milhões de euros) e Reino Unido (2,7 mil milhões). Desse valor total, 1,9 mil milhões foi transferido a partir de outros Estados-membros da UE e 1,4 de emigrantes fora do espaço comunitário.

A nível de saídas de verbas das transferências pessoais, a França voltou a liderar em 2015, com dez mil milhões de euros, seguida do Reino Unido (7,7 mil milhões), Itália (6,4 mil milhões) e Espanha (6,2 mil milhões, referentes apenas a pagamentos a trabalhadores expatriados). Portugal ficou-se pelos 523 milhões de euros.

Em termos de balanço entre entradas e saída de verbas de transferências pessoais, Portugal registou o segundo maior excedente, de 2,8 mil milhões de euros, apenas superado pela Polónia (2,9 mil milhões). Na média da UE, entraram 11 mil milhões de remessas e saíram 31,3 mil milhões em 2015.

Fonte: http://www.revistaport.com/noticia.php?categoria=7&id=544&titulo=Portugal%20foi%20o%20pa%C3%ADs%20da%20Europa%20a%20receber%20mais%20remessas%20de%20emigrantes%20em%202015



NOTÍCIAS RELACIONADAS
20/04/2018
Presidente da República quer finanças públicas saudáveis “ao serviço das pessoas” [Portugal]
20/04/2018
Portugal foi exemplar nas reformas que permitem crescimento atual
20/04/2018
Human Rights Watch elogia Portugal por vencer a crise sem rejeitar a democracia
20/04/2018
Moody’s e DBRS podem 'mexer' hoje no rating de Portugal
20/04/2018
Portugal com 3.º maior crescimento na taxa de emprego entre os 20 e 64 anos em 2017
19/04/2018
Bolsa de Lisboa fecha em alta ligeira em linha com mercado europeu