home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

13/12/2016

Portugal foi o país da Europa a receber mais remessas de emigrantes em 2015

Segundo dados divulgados pelo Eurostat, no ano passado Portugal recebeu 3,3 mil milhões de euros em remessas de transferências pessoais de emigrantes.

Portugal voltou a ser, tal como em 2014, o país da União Europeia (UE) a receber mais remessas de transferências pessoais de emigrantes em 2015, segundo dados divulgados pelo Eurostat. Os 3,3 mil milhões de euros que circularam para o país ficaram à frente dos números da Polónia (3,2 mil milhões de euros) e Reino Unido (2,7 mil milhões). Desse valor total, 1,9 mil milhões foi transferido a partir de outros Estados-membros da UE e 1,4 de emigrantes fora do espaço comunitário.

A nível de saídas de verbas das transferências pessoais, a França voltou a liderar em 2015, com dez mil milhões de euros, seguida do Reino Unido (7,7 mil milhões), Itália (6,4 mil milhões) e Espanha (6,2 mil milhões, referentes apenas a pagamentos a trabalhadores expatriados). Portugal ficou-se pelos 523 milhões de euros.

Em termos de balanço entre entradas e saída de verbas de transferências pessoais, Portugal registou o segundo maior excedente, de 2,8 mil milhões de euros, apenas superado pela Polónia (2,9 mil milhões). Na média da UE, entraram 11 mil milhões de remessas e saíram 31,3 mil milhões em 2015.

Fonte: http://www.revistaport.com/noticia.php?categoria=7&id=544&titulo=Portugal%20foi%20o%20pa%C3%ADs%20da%20Europa%20a%20receber%20mais%20remessas%20de%20emigrantes%20em%202015



NOTÍCIAS RELACIONADAS
22/03/2017
PORTUGAL É «UMA BOA PORTA DE ENTRADA PARA A EUROPA E UMA PONTE PARA EXPORTAR E INVESTIR NOUTROS MERCADOS»
22/03/2017
Porto supera Lisboa como distrito com maior procura imobiliária
21/03/2017
O Brasil nunca esteve tão apaixonado por Portugal
21/03/2017
Um paralelo entre os impostos sobre os serviços de Brasil e Portugal
21/03/2017
Portugal Fashion. Casar 'arte da moda portuguesa' e abraçar a 'mudança'
21/03/2017
Portugal está a entrar num 'novo ciclo', mas é preciso investimento e estabilidade