home > notícias

MUNDO

15/12/2016

Museu de Arte Popular vai ter um centro para contar a sua história

O Museu de Arte Popular, em Lisboa, que reabre quinta-feira ao público parte do espaço expositivo com a mostra 'Da Fotografia ao Azulejo', vai ter um centro interpretativo para contar a sua história, com mais de 70 anos.

De acordo com a diretora-geral do Património Cultural, Paula Silva, os primeiros passos desse centro interpretativo vão ser dados em breve, com a abertura de uma sala que conterá uma maquete do museu e um filme sobre a história da sua atividade, iniciada em 1948.

Durante uma visita guiada aos jornalistas, Paula Silva e o diretor do Museu de Arte Popular (MAP), Paulo Costa, mostraram o conteúdo da exposição que reabre metade do espaço expositivo, na sequência de obras de conservação, que consiste numa viagem pelo Portugal da primeira metade do século XX, através de azulejos e das fotografias que os inspiraram.

A exposição constitui o culminar da pesquisa de Jose Luis Mingote Calderon, conservador da Coleção Europeia do Museu Nacional de Antropologia de Madrid, que, ao longo de diversos anos, desenvolveu pesquisa de terreno em Portugal e fez uma recolha de imagens usadas para a criação dos azulejos sobre monumentos, atividades tradicionais e paisagens simbólicas.

Organizada e inicialmente apresentada pelo Museu Nacional de Soares dos Reis, no Porto, a exposição esteve em Espanha, no Museo Etnográfico Provincial de León e, mais recentemente, no Museo Nacional de Antropología.

Paula Silva disse ainda que o objetivo é prosseguir no MAP as obras de conservação, e abrir gradualmente todo o espaço expositivo do museu, imprimindo nele uma programação própria que passará não só por exposições, mas por outras atividades.

À entrada da primeira sala surge um percurso de fotografias de antigas estações de caminho-de-ferro, começando por Vilar Formoso, cujos edifícios estão em parte revestidos de azulejos, e estão expostas seis ampliações de imagens estudadas pelo investigador, que deram origem a painéis de azulejos.

A exposição percorre três salas do museu com as fontes gráficas que deram origem aos azulejos: fotografias, ilustrações, imagens retiradas de jornais e postais que os criadores depois compunham com vários elementos.

No interior foram também colocadas algumas peças do acervo do Museu Nacional de Etnologia: um carro de bois do Douro e artefactos das vindimas, um traje de lavradeira de Viana do Castelo, e uma capa típica de Miranda do Douro.

O comissário e investigador Jose Luis Mingote Calderon, que também acompanhou a visita, disse que "existe uma tradição antiga de criar azulejos a partir de gravuras e [que], depois do surgimento da fotografia, foi muito ampliada".

"Com o surgimento da fotografia no início do século XX, deu-se um grande desenvolvimento das artes gráficas. A fotografia forneceu a verdade do país e lançou o movimento da modernidade", salientou, em declarações aos jornalistas.

Inaugurado em 1948, o MAP nasceu da reformulação do antigo pavilhão da 'Secção da Vida Popular' criado para a Exposição do Mundo Português de 1940, em Belém, com projeto da autoria dos arquitetos António Reis Camelo e João Simões.

Chegou a estar totalmente encerrado entre 2008 e 2010, ano em que reabriu com uma exposição sobre a identidade temática e o trajeto histórico do museu, intitulada 'Os Construtores do MAP - Um Museu em Construção', e, mais tarde, foram encerradas várias áreas expositivas devido a infiltrações.

A exposição 'Da Fotografia ao Azulejo' vai ficar patente no MAP até outubro de 2017.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com/cultura/704973/museu-de-arte-popular-vai-ter-um-centro-para-contar-a-sua-historia



NOTÍCIAS RELACIONADAS
07/11/2017
Reynaldo Gianecchini percorre Portugal com peça de teatro
07/11/2017
Universidade do Porto condecorada pela Marinha do Brasil
07/11/2017
Bonecos de Estremoz podem ser Património da Humanidade em dezembro
06/11/2017
São Martinho, a mais antiga feira de cavalos de Portugal
06/11/2017
Portugal vai promover-se como destino para andar de bicicleta ou a pé
06/11/2017
70 mil km para descobrir a Mina Lusitana