home > notícias

MUNDO

19/12/2016

Jornal espanhol elege Portugal como país mais “cool”

Somos bons no desporto, na inovação tecnológica, no turismo e até na capacidade de diálogo com os outros países. Para os espanhóis do El Confidencial, Portugal tornou-se "um exemplo a seguir".

e fosse vivo, mas sabemos o que ele disse, em 1875, quando discorreu sobre as Causas da Decadência dos Povos Peninsulares. Mas já vamos às vantagens desta hipotética fusão.

A decadência deste lado da fronteira, dizem os espanhóis, são águas passadas. “Portugal conta com êxitos políticos, sociais, culturais e desportivos mas, além disso, baixa o desemprego, a língua portuguesa recupera a sua relevância e a taça de campeões europeus reluz por trás das suas vitrines, enquanto as instituições internacionais copiam o seu modelo se despenalização do consumo de droga, o turismo continua a encher as ruas, têm um ex-primeiro ministro na ONU e os seus partidos dialogam e alcançam acordos”. Tudo bom, portanto. “Mas quem o havia de dizer em maio de 2011 quando a troika tomava as rédeas da sua soberania?”, pergunta o El Confidencial.

Ninguém, muito menos nós. “As medidas impostas pela Comissão Europeia, pelo Banco Central Europeu e pelo Fundo Monetário Internacional para injetar 78 mil milhões de euros causaram estragos durante três anos, três longos anos para os cidadãos portugueses que, nas ruas, não falavam de ‘ajustes orçamentais’ mas sim de ‘sequestro'”, lê-se nas páginas deles sobre as nossas, negras.

Ao contrário do que aconteceu em alguns países da Europa, continua o El Confidencial, “em Portugal a austeridade e os cortes fizeram com que parte do eleitorado abandonasse as premissas da parelha executiva anterior […]. A sua vitória pírrica (deixaram quase 800.000 votos pelo caminho) abriu a escotilha por onde espreitava a oposição que, contra todos os prognósticos, estacionou as suas divergências e se uniu sob a batuta do atual primeiro-ministro, António Costa”.

A aliança com o outro lado da fronteira não entusiasma portugueses nem espanhóis, mas há dois partidos que se têm empenhado em mostrar as vantagens de nos unirmos para perseguir aquilo que consideram ser interesses comuns de ambos: do lado de lá é o Partido Ibérico Íber, cá é o Movimento Partido Ibérico (MPI). A ideia é a de criar um lobby que pudesse pressionar a União Europeia a estar mais atenta às necessidades de dois países que, sozinhos e até há tão pouco tempo em profunda crise, não têm o mesmo poder.

Seriamos, dizem os promotores, a quinta potência europeia em termos de PIB e ficaríamos à porta do G8.

A política marítima é “um exemplo claríssimo” de uma área onde a cooperação poderia dar lucros. Portugal e Espanha formam metade do Atlântico Norte e “seguem caminhos separados em vez de se unirem para protegerem os interesses nas pescas”. Um segundo ponto de convergência é a relação desequilibrada de ambos os países com o Banco Central Europeu cujas políticas “nos têm afectado de igual forma” mas contra as quais “não temos conseguido apresentar uma frente comum que evite as decisões desastrosas que têm sido tomadas em relação às nossas economias” disse ao El Confidencial Paulo Gonçalves, do MPI. A ideia é a criação de um Banco Central Ibérico que estude, entre outras coisas, se interessa ou não aos dois países permanecer dentro da moeda única.

O jornal tentou entender, junto de especialistas, qual o segredo da reviravolta e “todos os académicos concordam que é essa capacidade para o diálogo que sustenta o bom momento que o país atravessa”. Claramente, o El Confidencial nunca tentou apanhar um uber na Portela.

Mas, no que à política diz respeito, somos um exemplo na Europa. Um exemplo e uma espécie de ato de circo, algures entre o equilibrismo e o contorcionismo. “O êxito internacional está associado à imprevisível estabilidade de um governo de esquerdas, do qual faz parte o Partido Comunista, numa época em que essa tendência é uma contracorrente, não só na Europa mas também nos Estados Unidos, onde os populismos de direita ganham força e onde a austeridade domina boa parte do discurso”, disse ao El Confidencial Miriam Costa, investigadora do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE.

Mais estranho ainda, para os nossos vizinhos, é que, num regime semi-presidencialista, o Presidente da República, da ala política oposta, dê “via verde” ao atual governo e com ele se reúna, semanalmente. E qual é afinal a razão desta súbita onda de otimismo? Éder, como é óbvio. “Para um país com tendência para a saudade, essa amálgama de melancolia, derrotismo e fatalidade que canta como ninguém o fado, aquele tiro de fora da área despertou a auto-estima de um povo que, agora sim, confia na sua forma de fazer as coisas”, escreve o jornal.

Às glórias futebolísticas, e aos inescapáveis Ronaldo em jogo e Jorge Mendes nos bastidores, diz o El Confidencial, juntam-se os nomes, por exemplo, de Telma Monteiro e de Patrícia Mamona. É um soft-power que se estende às ciências, com o neurologista António Damásio, ao cinema, com Daniela Ruah, à gastronomia, com José Avidez, à música, com Mariza, e à arte, com a escultora Joana Vasconcelos, elenca o jornal, lembrando ainda que há seis cientistas portugueses entre os mais citados do mundo.

As fronteiras do nosso pequeno retângulo parecem também não conseguir conter a influência internacional dos nossos políticos. Exemplos? José Manuel Durão Barroso, Jorge Sampaio, Mário Soares e agora António Guterres, no topo da diplomacia mundial como secretário-geral da ONU.

Desde o 25 de abril, apenas cinco dos primeiros-ministros portugueses não ocuparam cargos internacionais. Num artigo publicado no Fórum Económico Mundial, Rodrigo Tavares, presidente executivo da Granito & Partners, citado pelo El Confidencial, explica as quatro razões para estas ascenções: “em primeiro lugar, gozaram de prestígio internacional como opositores da ditadura fascista, o sistema de governo exige uma grande capacidade de mediação, Portugal é visto como um país neutro e o passado colonial do país amplia-nos a visão do mundo”.

Portugal não tem que se reinventar, é só “ir beber ao passado” porque não é a primeira vez que esta “pequena república com 92 mil quilómetros quadrados e dez milhões de habitantes se distingue como referência mundial”, diz o El Confidencial que faz, depois, um resumo da nossa história colonial.

E, por fim, a estrela da peça: o turismo. Diz o El Confidencial, e com razão, que em 2015 se bateram recordes de visitantes estrangeiros num setor que continua importantíssimo para o PIB, do qual representa 5% por cento, e para o emprego, já que quase 10% por cento da população trabalha em setores que dependem direta ou indiretamente do fluxo de turistas. Em 2015, mais de 17 milhões de pessoas visitaram Portugal, gastando pelas nossas ruas mais de 11 mil milhões de euros, qualquer coisa como 30 milhões por dia. No Porto, o número de visitantes aumentou quase 30% para perto de 1,5 milhões. Em Lisboa, foram quase 4,2 milhões. Isto não é o El Confidencial que diz, é o Instituto Nacional de Estatística. Nem um nem outro fazem referência aos preços das casas nos bairros very typical, onde muita gente está a ser “notificada” com o fim dos contratos de arrendamento, mas onde há mais gente, mais animação e mais emprego e as noites de terça-feira parecem sábados, o que sustenta, em parte, outros motivos para visitar Portugal.

O El Confidencial não é o primeiro jornal a elogiar Portugal e a julgar, por exemplo, pelo número — e qualidade — dos restaurantes que abriram no país em 2016 e pelas temperaturas que se mantiveram estranhamente elevadas até meados de dezembro, as referências elogiosas vão correr por mais uns tempos nas páginas da imprensa internacional.

Mas faz pouco tempo, lembra o jornal, que os meios de comunicação só referiam Portugal pelas piores razões: “a corrupção, os incêndios, a prisão do ex-primeiro-ministro José Sócrates, as mortes dos caloiros na universidade, a troika e o desemprego”. A tendência inverteu-se, mas isto não quer dizer que a euforia não seja má conselheira. “Ainda bem que despertamos para o que temos de bom sem termos que escutar, todos os dias, que vivemos num país sem esperança. Mas já ontem fomos tidos como um país de esperança para depois cairmos em desgraça. Pode voltar a suceder”, diz ao El Confidencial a investigadora Miriam Costa.

Sandro Mendonça, professor de Economia no ISCTE, é um pouco mais cru: “antes vomitavam-nos, agora querem engolir-nos. É necessário continuarmos céticos”.

Fonte: http://observador.pt/2016/12/18/jornal-espanhol-elege-portugal-como-pais-mais-cool/



NOTÍCIAS RELACIONADAS
28/06/2017
Shakira em Portugal a 22 de novembro
28/06/2017
Embaixada de Portugal em Brasília recebe recital de poesia
28/06/2017
"Portugal é a melhor equipa" na Taça das Confederações
27/06/2017
Ilhas entre os destinos preferidos dos portugueses
27/06/2017
Brasília acolhe ciclo de música sinfônica portuguesa
27/06/2017
Volta a Portugal 2017 começa em Lisboa e termina em Viseu