home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

02/01/2017

Governo quer empresas exportadoras a apoiar língua portuguesa no estrangeiro

O Governo quer que as empresas exportadoras ajudem a promover a língua portuguesa no estrangeiro, apoiando os leitorados e cátedras de português no exterior e daí tirando benefícios, anunciou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros.

"Um dos diplomas que está em processo de decisão no Governo é a criação da figura da empresa promotora da língua portuguesa (...) que permite às empresas que se queiram associar ao Instituto Camões, aos leitorados em meia centena de países, às cerca de 40 cátedras que Portugal tem para o ensino e investigação em língua, literatura e cultura portuguesa em todo o mundo o possam fazer", disse Augusto Santos Silva, no discurso de abertura do IV Encontro Anual do Conselho da Diáspora Portuguesa, que decorre hoje em Cascais.

As empresas poderão depois "usar essa associação nas suas próprias estratégias comerciais de implantação nos mercados em que queiram estar", acrescentou, apelando aos conselheiros da Diáspora, portugueses residentes no estrangeiro com relevância em setores como a Economia, Cultura, Ciência e Cidadania, para que ajudem a sensibilizar as empresas para esta novidade.

Em declarações à Lusa após o discurso, o governante explicou tratar-se de um instrumento que "permite casar melhor as estratégias comerciais das empresas exportadoras com o apoio que elas entendam dar ao ensino do português e promoção da língua portuguesa nos mercados onde são exportadoras".

"A ideia básica é permitir que as empresas se associem aos leitorados e cátedras de Português no estrangeiro, a programas de bolsas do Instituto Camões e possam ter benefícios disso", acrescentou.

Augusto Santos Silva anunciou ainda que, em 2017, pela primeira vez, haverá um programa de atividades culturais portuguesas no exterior, preparado articuladamente pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros e pelo Ministério da Cultura, com o apoio do Ministério da Economia.

A apresentar a 06 de janeiro, o programa, que está em preparação, incluirá atividades culturais a realizar pelas embaixadas, consulados, pelas delegações da AICEP, pelas delegações do turismo nas partes do mundo onde o Governo quer apostar.

O ministro apelou aos conselheiros que usem este novo quadro, que no futuro deverá ser preenchido com as atividades da sociedade civil: fundações, criadores, mediadores, curadores, museus ou bibliotecas.

Fonte: http://www.portugalglobal.pt/PT/PortugalNews/Paginas/NewDetail.aspx?newId=%7b06798938-4E9E-42E1-B92A-ACCB79578DFA%7d



NOTÍCIAS RELACIONADAS
16/10/2017
Portugal: 185 foram com vistos top em 2017
16/10/2017
Mercado imobiliário do Porto em franca expansão
16/10/2017
Web Summit. A máquina que transforma os negócios das startups
16/10/2017
Parque automóvel híbrido e elétrico português pode chegar aos 40 por cento em 2020
16/10/2017
Exportação aumenta a bom ritmo mas falta mão-de-obra
16/10/2017
Comissão Europeia adota iniciativa para impulsionar estágios na Europa