home > notícias

MUNDO

02/01/2017

Portugal consolida posição no surf mundial com entrada no Big Wave Tour

O plano de ativação da marca "Portuguese Waves" ascende a um valor de 850 mil euros.

Portugal está cada vez mais na rota do surf mundial. O último passo nesse sentido ocorreu no passado fim-de-semana com o Nazaré Challenge, integrado no evento WSL Big Wave Tour – BWT, que este ano se realizou pela primeira vez no nosso País.

O Nazaré Challenge junta-se, assim, a outros eventos de surf em território nacional como o WSL Azores Pro, Cascais Billabong Pro e o Meo Rip Curl Pro Portugal (Peniche).

“Portugal é, a par com a Austrália, o único país do Mundo que acolhe todas as competições que integram o leque do surf competitivo internacional (Championship Tour masculino e Feminino, Qualifying series Masculino e Feminino, Mundial Pro Júnior e o Big Wave Tour) o que demonstra a enorme diversidade e qualidade das nossas ondas que fazem do nosso país o melhor destino de surf da Europa”, sublinha um comunicado do Turismo de Portugal.

O Big Wave Tour é um evento único, que une o espetáculo natural das ondas gigantes a um conjunto restrito de surfistas. A competição tem um prémio monetário de cerca de 91 mil euros.

Foi com Garrett McNamara que o “canhão da Nazaré”, como lhe chamou, na Praia do Norte, passou a constar no mapa mundial das ondas gigantes e no Guinness, com o recorde da maior onda surfada.

Desde 2008 que Portugal tem sido um dos principais destinos de eventos da WSL – World Surf League. Este ano, já acolheu, pelo menos, sete eventos oficiais, com diferentes tipos de graduações, desde provas de qualificação mundiais, à etapa do circuito mundial, marcando também presença no ‘top 3’ do ‘ranking’ mundial de investimento em ‘prize money’ em provas da World Surf League.

“Estes factos demonstram o compromisso real do turismo português (Turismo de Portugal) em consolidar Portugal e as suas ondas como um destino de ‘surf premium’, sendo o melhor destino de surf da Europa e um dos melhores do Mundo.

Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal, revela que “o eixo estratégico como é considerado o Mar, a costa e as ondas em Portugal tem sido um dos “motores” para o desenvolvimento do surf em Portugal, sobretudo fora da época alta”.

“O WCT Pro Portugal, por exemplo, evento que se realiza há oito anos em Peniche onde o seu constante crescimento em termos de retorno de investimento e impacto socioeconómico são a prova de que este é o caminho a seguir e que embora os resultados sejam extremamente positivos existe ainda muito trabalho para fazer”, assegura este responsável do Turismo de Portugal.

Luís Araújo considera ainda que a ‘umbrella’ «Portuguese Waves» é, por isso, “uma marca forte e um atrativo muito relevante para a promoção de Portugal enquanto destino turístico e da sua oferta turística”.

Esta plataforma de promoção do surf em Portugal tem vindo a permitir a divulgação do destino nacional e da sua oferta turística, através de perspetivas diferenciadas que visam impactar não só os surfistas, mas acima de tudo associar o destino Portugal aos atributos positivos que lhe confere o surf, “o que beneficia e valoriza o turismo no seu todo, sendo igualmente um fator de distinção no que diz respeito a trazer para Portugal eventos ao longo de todo o ano”.

O plano de ativação da marca «Portuguese Waves» ascende a um valor de 850 mil euros. Estima-se que a indústria do surf gere 400 milhões de euros por ano.

Fonte: http://www.portugalglobal.pt/PT/PortugalNews/Paginas/NewDetail.aspx?newId=%7b27DB44E4-5F28-4EEB-9EA4-6E04A18E5638%7d



NOTÍCIAS RELACIONADAS
07/11/2017
Reynaldo Gianecchini percorre Portugal com peça de teatro
07/11/2017
Universidade do Porto condecorada pela Marinha do Brasil
07/11/2017
Bonecos de Estremoz podem ser Património da Humanidade em dezembro
06/11/2017
São Martinho, a mais antiga feira de cavalos de Portugal
06/11/2017
Portugal vai promover-se como destino para andar de bicicleta ou a pé
06/11/2017
70 mil km para descobrir a Mina Lusitana