home > notícias

ASSOCIADOS

16/01/2017

Roland Berger: Fundos de pensão estão longe das melhores práticas de investimento, diz pesquisa

Retornos têm sido inferiores às metas atuariais mostra levantamento

Independente das aplicações temerárias e fraudulentas que já são investigadas pela Polícia Federal em algumas instituições, os fundos de pensão brasileiros ainda estão longe das melhores práticas de investimento quando comparados aos principais fundos de pensão do exterior. O resultado é que essas deficiências têm levado a retornos inferiores às suas metas atuariais e a déficits consecutivos, o que pode comprometer a sustentabilidade ao longo dos anos.

As conclusões constam de um levantamento feito pela consultoria Roland Berger, que comparou a carteira de investimentos dos quatro principais fundos de pensão do país (Previ, Petros, Funcef e Funcesp) com fundos considerados referência no exterior. A pesquisa levou em conta as características de cada mercado.

— Há grande diferença de performance dos fundos de pensão no Brasil em relação aos principais fundos do exterior. O pior desempenho, registrado por déficits consecutivos, indica que os fundos brasileiros estão longe das melhores práticas de investimento feitas por seus pares - diz António Bernardo, presidente da Roland Berger no Brasil. Ao final de 2015, os quatro principais fundos de pensão do país somavam juntos um déficit de R$ 63 bilhões.

Ele observa que a gestão dos fundos de pensão no Brasil ainda é focada no curto prazo, enquanto no exterior é feita pensando em retornos sustentáveis nos próximos 40/50 anos. Por isso, os fundos do exterior têm em sua carteira uma parcela maior em ações, que tendem a oferecer melhor retorno em prazos mais longos. Além disso, eles aplicam em papéis de setores muito variados e em empresas de diversos países. Por exemplo, o fundo norueguês Government Pension Fund, com US$ 900 bilhões em recursos em portfólio, tem em sua carteira entre 7% e 8% das ações apenas do mercado espanhol.

No Brasil, embora a legislação brasileira permita investir até 10% dos recursos em ativos no exterior, a média dos fundos brasileiros é de 0,1%, o que atrela o retorno ao desempenho da economia brasileira.

Com base nos dados dos fundos brasileiros, a pesquisa a Roland Berger constatou que 71% da carteira corresponde a aplicações em renda fixa e, majoritariamente, em títulos do governo. No exterior, esse percentual é de em média 30%, considerando papéis do governo, mas também de empresas privadas.

— É como colocar todos os ovos na mesma cesta - diz Miguel Costa, gestor de projetos da Roland Berger no Brasil e um dos autores do levantamento.

O investimento dos fundos em renda variável, no Brasil, se concentra em, no máximo, cinco ações, geralmente de pouca liquidez e de setores ligados a decisões governamentais. O estudo mostrou que quanto maior a diversificação em renda variável maior o retorno real obtido ao longo dos anos.

No Brasil, o peso da renda variável na carteira dos fundos era de menos de 20%, em 2014, e o retorno obtido com eles foi de menos de 1% entre 2010 e 2014. Na Austrália, onde o peso da renda variável na carteira dos fundos era de 50%, em 2014, o retorno obtido entre 2010 e 2014 foi de quase 6%, segundo o estudo da Roland Berger.

— Os retornos são reais, deflacionados, para que seja possível comparar os fundos brasileiros com os fundos estrangeiros - explica Miguel Costa.

Outros fundos de países da América Latina, como Colômbia, México e Chile, apresentam alocação de recursos em ações mais alta do que os fundos brasileiros, o que tem garantido retornos mais expressivos, diz Costa.

A conclusão da Roland Berger é que os gestores de fundos de pensão brasileiros terão que redefinir sua estratégia de longo prazo, considerando metas, estrutura de ativos para garantir retornos consistentes e mitigar o risco de se tornarem insustentáveis.

— Não vimos clareza nessa estratégia de longo prazo. Também é necessário melhorar a governança. Isso tem ocorrido nos últimos meses, mas é preciso que haja um controle interno mais rigoroso - observa Bernardo.

Procurada, a Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp) informou que os fundos brasileiros agem com prudência ao gerir recursos de terceiros.

— A tranquilidade do retorno dos investimentos em títulos públicos faz com não se queira arriscar demais. Isso faz parte da prudência ao gerir ativos de terceiros. E esses outros investimentos, como fundos imobiliários, ações e outros, não estavam performando bem nos últimos anos — disse Luís Ricardo Martins, presidente da Abrapp.

Fonte:

http://oglobo.globo.com/economia/fundos-de-pensao-estao-longe-das-melhores-praticas-de-investimento-diz-pesquisa-20766983



NOTÍCIAS RELACIONADAS
18/08/2017
Passeio em São Paulo: 9 dicas de roteiros culturais para estrangeiros na cidade [BR-Visa]
17/08/2017
A Semana em Brasília [Souza Cescon]
17/08/2017
EDP Renováveis fecha novo contrato "de longo prazo" nos EUA [EDP]
15/08/2017
EDP São Paulo investiu R$ 60 milhões em melhorias no Vale do Paraíba e Litoral Norte em 2017 [EDP]
14/08/2017
Tribunal Superior do Trabalho decide que a lei que regulamentou a tercerização não se aplica a contratos encerrados antes da vigência da lei [Souza Cescon]
14/08/2017
Entenda as condições para asilo e refúgio no Brasil [BR-Visa]