home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

18/01/2017

Quase 60 municípios têm hortas comunitárias, Guimarães tem mais área

A Associação Sistema Terrestre Sustentável Zero constatou-se a vontade de os municípios constituírem hortas municipais. As bolsas de terrenos podem ser ajudar a alcançar o objectivo.

A associação Zero contabilizou 59 municípios com hortas comunitárias, num total de 69 hectares, com Guimarães a liderar, estando registados 3700 hortelões, e defende que se trata do início de outra forma de produzir alimentos.

PUB

No inquérito realizado pela Associação Sistema Terrestre Sustentável Zero participaram 135 municípios portugueses, incluindo Açores e Madeira, tendo 59 indicado possuir hortas comunitárias, com 69 hectares disponibilizados em talhões para que os cidadãos produzam alimentos.

Porém, "77% dos municípios que declararam não possuir hortas comunitárias manifestaram interesse em investir numa ou em várias", refere a Zero. Além de Guimarães, o grupo dos concelhos com mais hortas comunitárias inclui Funchal, com seis hectares, Lisboa (5,7 hectares), Porto (3,58 hectares) e Gaia (3,5 hectares).

"Muitos municípios estão fortemente empenhados em constituir hortas municipais", as quais "têm um papel muito importante nas comunidades porque permitem que pessoas que não têm terra possam produzir os seus próprios alimentos", disse à Paulo Lucas, da Zero.

Para o ambientalista, este projecto "tem capacidade para evoluir para outras situações, nomeadamente para a constituição de bolsas de terrenos a nível municipal", potenciando ainda mais a produção local de alimentos, que "tem de ser uma realidade" em Portugal, nos próximos anos.

A Zero quer mais investimento municipal na produção local e descentralização de competências nas autarquias locais nesta área. Paulo Lucas recordou que as alterações climáticas obrigam a repensar o modelo energético, assim como a forma de produzir, distribuir e fazer chegar os alimentos a casa dos consumidores, e defendeu que "há um grande caminho a fazer".

A produção, disse, "tem de ser feita e distribuída de acordo com circuitos agro-alimentares locais, curtos, potenciando os mercados locais, a venda porta a porta, a ligação entre produtores e consumidores".

E, para a Zero, as hortas comunitárias são a fase anterior àquela situação. Trata-se do "início de um processo, correu bem e temos de evoluir para outras formas de produzir alimentos a nível local", realçou Paulo Lucas. Também apontou a necessidade de cada consumidor, em sua casa, fazer a reciclagem dos materiais orgânicos. "40% dos resíduos sólidos urbanos são caracterizados como bio resíduos, portanto, são restos alimentares que podem ser valorizados organicamente e depois devolvidos aos solos como nutrientes", explicou.

Além da necessidade de produzir alimentos de uma forma cada vez mais natural, com utilização de poucos químicos, "temos de diminuir os custos destes produtos", defendeu Paulo Lucas. O inquérito também concluiu que, embora não haja certificação por parte das autarquias, em 58% dos casos são aplicados princípios da agricultura biológica.

No total dos 59 municípios listados, 58% dos talhões estão totalmente ocupados, e 26 concelhos apresentam uma ocupação de 100%, enquanto sete têm ocupação inferior a 50%. Quanto ao destino dos alimentos produzidos nas hortas, 74% é para consumo dos hortelões e famílias e os excedentes são distribuídos pela comunidade local ou por instituições de solidariedade social.

Fonte: https://www.publico.pt/2017/01/18/ecosfera/noticia/quase-60-municipios-tem-hortas-comunitarias-guimaraes-tem-mais-area-1758726



NOTÍCIAS RELACIONADAS
18/08/2017
Empresas portuguesas são as que pagam mais tarde
18/08/2017
Web Summit quer encontrar os projetos de sustentabilidade mais inovadores [Portugal]
17/08/2017
Marcelo promulga alargamento dos "vistos gold" mas alerta para "risco"
17/08/2017
Lisboa regista maior crescimento de rendas de comércio de rua na Europa
17/08/2017
“O Brasil é o principal destino da pera rocha portuguesa”
17/08/2017
Portugal com 37 fusões e aquisições em julho. Somam-se 12 mil milhões de euros este ano