home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

01/02/2017

Empresas podem aceder partir de hoje às linhas de Crédito Capitalizar

As pequenas e médias empresas (PME) podem a partir de hoje recorrer às cinco linhas de Crédito Capitalizar, com um montante global de 1.600 milhões de euros, junto das instituições financeiras, de acordo com o Ministério da Economia.

Espera-se que o Crédito Capitalizar venha a apoiar cerca de 20 mil empresas.

As linhas Capitalizar foram lançadas a 16 de janeiro e passam agora a estar disponíveis nos bancos que assinaram os protocolos.

A linha de Crédito Capitalizar, que se insere no programa Capitalizar, é gerida pela PME Investimentos em articulação com o Sistema Nacional de Garantia Mútua, destinadas a PME com montantes de financiamento por empresa entre 25 mil e dois milhões de euros e com prazos entre três e 10 anos.

O Crédito Capitalizar está estruturado em cinco linhas: Micro e pequenas empresas; Fundo de maneio; Plafond de tesouraria; Investimento geral; e Investimentos projetos 2020.

A linha Micro e Pequenas Empresas tem uma dotação de 400 milhões de euros e visa potenciar o acesso a financiamento para investimentos em ativos e reforço de capitais, enquanto a de Fundo de Maneiro conta com uma dotação de 700 milhões de euros e tem como objetivo financiar necessidades de fundo de maneio das empresas com financiamentos de médio prazo, em alternativa ao crédito de curto prazo.

Já a linha Plafond de Tesouraria, com uma dotação de 100 milhões de euros, pretende alargar a oferta de crédito em sistema de 'revolving', dando uma maior flexibilidade à gestão corrente de tesouraria, segundo a tutela. A linha Investimento Geral conta também com um orçamento de 100 milhões de euros e visa financiar investimentos em ativos com elevado prazo de recuperação.

Com o montante de 300 milhões de euros, a linha Investimento Projetos 2020 pretende alargar a oferta de crédito bancário para financiamento de projetos aprovados no âmbito do Portugal 2020, com enfoque em despesas elegíveis e outros segmentos de mercado em que a Linha de Crédito e Garantias IFD 2016-2020 possa vir a relevar-se insuficiente, segundo o ministério.

"São linhas que pretendem dar dinheiro às empresas com prazos mais favoráveis do que a banca consegue conceder, como também spreads mais baixos, permitindo assim às empresas, em particular às pequenas e médias empresas financiarem-se num contexto mais amplo do que as linhas que já tínhamos lançado anteriormente", afirmou o ministro à Lusa a 16 de janeiro.

Fonte: http://www.portugalglobal.pt/PT/PortugalNews/Paginas/NewDetail.aspx?newId=%7b48E4B7D8-4979-4BF8-B939-C66CAF44BE14%7d



NOTÍCIAS RELACIONADAS
28/04/2017
Há duas novas variedades de arroz made in Portugal
27/04/2017
Governo já executou 90% das medidas do Startup Portugal
27/04/2017
Novo cabo submarino de fibra ótica ligará Portugal ao Brasil
27/04/2017
Embaixada de Portugal no Brasil debateu reforço da rede consular
26/04/2017
Taxa de emprego na União Europeia superior a 70% em 2016
25/04/2017
Morar em Portugal: o novo sonho da classe média brasileira