home > notícias

ASSOCIADOS

03/02/2017

Grande Prémio EDP para a obra radical do artista luso-brasileiro Artur Barrio

O artista, que nasceu em Portugal mas foi ainda criança para o Rio de Janeiro, é autor de uma obra provocadora. Barrio questiona a noção de objecto artístico e usa materiais como carne, sangue, lixo e fezes.

O artista plástico Artur Barrio, com uma carreira de mais de 50 anos e autor de uma obra radical, é o vencedor do Grande Prémio EDP Arte 2016, foi esta sexta-feira anunciado pela Fundação EDP numa conferência de imprensa no MAAT, em Lisboa. O prémio, atribuído pela fundação da empresa de energia desde 2000, destina-se a artistas já consagrados, tem o valor de 50 mil euros e completa-se com uma exposição retrospectiva e um ambicioso catálogo.

Tal como na última edição, o júri internacional não procurou um nome óbvio para o mais relevante prémio de artes plásticas nacional e a escolha do artista luso-brasileiro é uma surpresa. Foi feita por "unanimidade", diz o comunicado da Fundação EDP, e justifica-se "pelo interesse e relevância histórica" da sua carreira.

Artur Barrio nasceu no Porto em 1945, mas foi ainda criança, aos dez anos, viver para o Rio de Janeiro com a família. Ele próprio define-se como um “nómada”, vivendo actualmente entre o Rio de Janeiro, Gaia e Malta. Mas Artur Barrio, 72 anos, cuja obra tem vivido num contexto brasileiro, manteve sempre a nacionalidade portuguesa, o que permitiu ao júri distingui-lo com este prémio destinado a artista portugueses ou a artistas estrangeiros a residir em Portugal.

"Aqui sou brasileiro, lá sou português", afirma ao PÚBLICO numa entrevista feita antes do anúncio do prémio, acrescentando que a questão da nacionalidade é completamente irrelevante para a sua prática artística. "O prémio é uma completa surpresa, como foi com todos os prémios. Completamente inesperado, nunca imaginei. Vai ser um bafafá, uma fofoca", ironiza. Barrio foi o vencedor do Prémio Velázquez de Artes Plásticas de 2011, concedido a artista ibero-americanos pelo Ministério da Cultura da Espanha.

Depois de Ana Jotta há três anos (o prémio é trienal), Artur Barrio é o sexto artista a receber o Grande Prémio EDP, numa linhagem que inclui nomes como Lourdes Castro (2000), Mário Cesariny (2002), Álvaro Lapa (2004), Eduardo Batarda (2007) e Jorge Molder (2010). "É uma honra estar ao lado do grande Mário Cesariny",

Artista multimédia, com um trabalho que vai do texto e do desenho à performance, as suas obras mais conhecidas, intituladas Situações, são resultado de acções do artista com uma forte componente política de luta contra a ditadura brasileira nos anos 1960 e 1970. Situação T/T1, concebida no contexto de uma exposição, passa pelo abandono de 14 enigmáticas trouxas ensanguentadas num parque municipal de Belo Horizonte. Já 4 Dias, 4 Noites é uma experiência-limite em que percorre as ruas do Rio de Janeiro sem se alimentar ou dormir durante quatro dias seguidos. 

Nenhuma destas acções, como explicou ao PÚBLICO, são repetidas. "Nunca refaço. São efémeras e não se perpetuam" Uma situação, como aconteceu com as Trouxas Ensanguentadas, outro nome por que é conhecida Situação T/T1, "pode ter um desdobramento, mas nunca monto e desmonto". A palavra "situação", esclareceu, não tem nenhuma filosofia especial por detrás, e alguns dos espectadores, como aconteceu em Belo Horizonte, podem nem perceber que estão perante uma obra de arte. Provocador, usa também a palavra "choque" para descrever uma situação que acabou com a intervenção da Polícia, uma vez que as trouxas pareciam corpos ensanguentados.

Ao incluir materiais como sangue, fezes ou carne, Artur Barrio concede-lhes um estatuto de material artístico, questionando as categorias tradicionais da arte, as condições de produção e o seu consumo pelo público. Se a primeira obra em Belo Horizonte foi cuidadosamente registada em vários momentos, já a segunda resultou num caderno-livro de 400 páginas que permanece em branco.

Os cadernos-livros são outro dos media fundamentais para perceber a sua obra, num artista que recusa a prática do atelier. "Não tenho atelier. Tive um, há muitos anos, quando estava em Aix [-en-Provence, em França], e correu muito mal." Artur Barrio viveu largas temporadas fora do Brasil a partir dos nos 70 - passou por Portugal em 1974 -, onde regressou em 1994, já depois do sucesso crítico internacional, que começou com a exposição Out of Actions: Between Performance and the Object, 1949–1979, no MOCA em Los Angeles.

O júri deste ano é formado por Hans Ulrich Obrist, ensaísta e director artístico da Serpentine Gallery em Londres (considerado o homem mais poderoso do mundo da arte pela ArtReview), Suzanne Cotter, directora do Museu de Serralves, Chus Martínez, directora do Instituto de Arte de Basileia, Emília Tavares, curadora do Museu do Chiado, e Nuno Crespo, curador e crítico de arte (do PÚBLICO). Mais da casa, o júri inclui também António Mexia, presidente executivo da EDP, Pedro Gadanho, director do MAAT (o novo museu da EDP), e João Pinharanda, antigo programador artístico da EDP e actual adido cultural em Paris.

Embora a actividade artística de Artur Barrio se desenvolva no Brasil nas últimas décadas, também tem sido possível ver o seu trabalho em Portugal, mais recentemente no Museu de Serralves, no Porto, onde a última exposição aconteceu em 2012. E se em 2011 foi o nome que o Brasil levou à Bienal de Veneza, Barrio não deixou de ser contabilizado como um dos sete artistas portugueses presentes na Bienal de São Paulo de 2010 pela DGArtes (Chus Martínez era uma das curadoras), o organismo do Ministério da Cultura que apoia a internacionalização dos artistas portugueses. 

“Atitude é um conceito chave no trabalho de Artur Barrio. O que está presente nessa palavra – que ele transformou vezes sem conta nos seus trabalhos, situações e performances – é uma noção do pessoal, da reação individual às circunstâncias, ao nosso tempo”, realça Chus Martínez, um dos membros do júri, citada no comunicado.

Fonte: https://www.publico.pt/2017/02/03/culturaipsilon/noticia/grande-premio-edp-para-a-obra-radical-do-artista-lusobrasileiro-artur-barrio-1760693



NOTÍCIAS RELACIONADAS
17/10/2017
Lisbon Green Valley recebe prêmio de sustentabilidade [Belas Clube de Campo]
17/10/2017
TAP registou o mês de Setembro como o melhor mês de sempre [TAP]
16/10/2017
TAP atinge 1 milhão de passageiros na ponte aérea [TAP]
16/10/2017
Análise PwC Portugal à proposta de Orçamento do Estado para 2018: principais alterações [PWC]
11/10/2017
Salários até perto de 670 euros beneficiam da isenção do IRS [PWC]
11/10/2017
Consultora Ernst & Young diz que o Porto está entre as cinco cidades favoritas para acolher Agência do Medicamento [EY do Brasil]