home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

17/02/2017

2016 foi ano recorde para o turismo em Portugal

O Instituto Nacional de Estatística divulgou a atividade turística de dezembro.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou a atividade turística de dezembro de 2016 e as expectativas apontam para que o setor tenha atingido um novo recorde no ano passado.

Até novembro, Portugal registou quase 18 milhões de hóspedes e mais de 51 milhões de dormidas, o que representou, respetivamente, crescimentos de 9,9% e 9,5% face ao ano anterior, em que o número de turistas em Portugal já tinha batido um máximo histórico.

Ainda com os dados finais do ano por apurar, o presidente da Confederação Empresarial do Turismo, Francisco Calheiros, já tinha indicado que 2016 seria um ano recorde.

O desempenho do sector turístico foi uma das razões para a revisão em alta das estimativas de crescimento económico da Comissão Europeia, num relatório sobre Portugal publicado na segunda-feira.

Nas previsões económicas de Inverno, Bruxelas prevê que a economia cresça 1,6% este ano, face aos 1,2% antecipados em novembro – uma previsão superior até à do Governo no Orçamento do Estado para 2017, em que assumiu um crescimento do PIB de 1,5%, refere o Jornal Económico.

“O forte desempenho na segunda metade de 2016, especialmente do turismo, melhorou as perspetivas da economia portuguesa”, sublinhou a Comissão Europeia. 

Fonte: http://www.revistaport.com/noticia.php?categoria=5&id=1157&titulo=2016%20foi%20ano%20recorde%20para%20o%20turismo%20em%20Portugal



NOTÍCIAS RELACIONADAS
24/04/2018
Vitalidade do sistema político tem sido preocupação do Presidente da República
24/04/2018
PSI20 sobe 0,30% em linha com ganhos das bolsas europeias
24/04/2018
Governo quer “com urgência” aumentar a oferta no arrendamento e desafia proprietários
20/04/2018
Presidente da República quer finanças públicas saudáveis “ao serviço das pessoas”
20/04/2018
Portugal foi exemplar nas reformas que permitem crescimento atual
20/04/2018
Human Rights Watch elogia Portugal por vencer a crise sem rejeitar a democracia