home > notícias

ASSOCIADOS

06/03/2017

McKinsey: Robôs e algoritmos poderão substituir até o trabalho de CEOs

Estudo da McKinsey indica que a análise de relatórios e dados para tomar decisões, por exemplo, poderá ser realizada por algoritmos. Ao todo, um quarto do trabalho dos CEOs poderá ser automatizado

O uso de robôs e algoritmos para aprimorar a produção, logística e outros setores vitais de empresas não é apenas uma realidade como o avanço tecnológico está prestes a abrir uma nova era da automação. Um estudo recente da consultoria McKinsey confirma essa premissa ao apontar que cerca de metade das atividades hoje realizadas por humanos também será automatizada até 2055 — o equivalente a US$ 16 trilhões em salários.

Mas, apesar da ascensão dos robôs, o estudo afirma que a relação entre homens e máquinas não será de conflito. Ao contrário, isso porque menos de 5% das atividades humanas podem ser totalmente automatizadas, segundo a consultoria. Cerca de 60% de todas as ocupações têm ao menos 30% de atividades que podem ser feitas por máquinas. Ou seja, mais profissões serão modificadas do que extintas.

O relatório da McKinsey afirma também que o uso de robôs ainda melhora a performance dos negócios ao reduzir erros e elevar a produtividade, atingindo patamares que a capacidade humana não seria capaz de alcançar. Para se ter uma ideia, o estudo estima que a automação tenha potencial para elevar o PIB global entre 0,8% e 1,4% anualmente.

Os efeitos da automação também não ficarão restritos ao chão de fábrica. Segundo a McKinsey, até os CEOs terão seu trabalho afetado: a análise de relatórios e dados para tomar decisões, por exemplo, poderá ser realizada por algoritmos. Ao todo, um quarto do trabalho dos CEOs poderá ser automatizado.

O cenário brasileiro segue a mesma tendência. A consultoria estima que, considerando-se apenas a economia formal, o potencial de automação no país seja de 50%, o que afeta 53 milhões de empregados. Os setores industrial e varejista são os que têm o maior número de processos que poderão ser modificados pelo uso de softwares ou máquinas inteligentes — o que atingiria mais de 20 milhões de postos de trabalho.

No Brasil e no restante do mundo, garantir que a convivência entre homens e máquinas seja de fato pacífica exigirá mudanças no ensino. É preciso repensar o currículo para educar pessoas com as habilidades que realmente serão necessárias no futuro – como programação, robótica e serviços para uma população cada vez mais velha.

Fonte: http://computerworld.com.br/robos-e-algoritmos-poderao-substituir-ate-o-trabalho-de-ceos



NOTÍCIAS RELACIONADAS
24/07/2017
Declaração CBE e Repatriação de bens no exterior [BR-VISA]
24/07/2017
Seminário analisará políticas para riscos cibernéticos [EY do Brasil | Demarest Associados]
24/07/2017
Receita Federal regulamenta a tributação de aporte de capital por investidor-anjo em microempresa e empresas de pequeno porte [Souza Cescon]
24/07/2017
Reforma Trabalhista – Uma Nova Jornada [Cascione, Pulino, Boulos & Santos - Sociedade de Advogados]
21/07/2017
Promulgado: vistos para estudantes dos países de língua portuguesa [BR-VISA]
21/07/2017
Miguel Setas é eleito entre os melhores CEOs do Brasil pela Revista Forbes