home > notícias

ASSOCIADOS

08/03/2017

Sonae Sierra Brasil apresenta receita líquida de R$ 342,3 milhões em 2016

A taxa de ocupação do portfólio apresentou crescimento pelo quinto trimestre seguido, fechando o 4T16 em 95,4%

• As vendas dos lojistas cresceram 2,1% no 4T16 sobre o mesmo período do ano passado, apresentando o melhor desempenho relativo do ano

• O aluguel nas mesmas lojas (SSR) registrou crescimento de 5,9% em comparação ao 4T15, o maior nível do ano

A Sonae Sierra Brasil, uma das maiores incorporadoras, proprietárias e administradoras de shopping centers do Brasil, anuncia seus resultados referentes ao quarto trimestre de 2016 (4T16) e consolidado 2016. A receita líquida da companhia totalizou R$ 93,4 milhões no 4T16, apresentando um crescimento de 10,6% frente ao 4T15. Desta forma, a receita líquida consolidada de 2016 registrou crescimento de 3,4%, atingindo R$ 342,3 milhões. O EBITDA totalizou R$ 66,6 milhões no 4T16, um crescimento de 10,6% frente ao 4T15. No ano, o índice alcançou R$ 239,8 milhões, aumento de 3,1% sobre 2015.

O aluguel nas mesmas lojas (SSR) apresentou crescimento no trimestre, com um aumento de 5,9% em comparação com o mesmo período de 2015. As taxas de ocupação no portfólio geral e maduro também apresentaram aumento significativo nos últimos três meses, fechando o trimestre em 95,4% e 98,2%, respectivamente, alcançando a maior taxa desde junho de 2015. Já as vendas dos lojistas cresceu 2,1% no 4T16 sobre o mesmo período do ano passado, também apresentando o melhor desempenho relativo do ano.

Para José Baeta Tomás, CEO da Sonae Sierra Brasil, o último trimestre de 2016, apesar de ainda intensamente impactado pela crise econômica, foi o melhor do ano para a empresa, tanto em termos operacionais quanto financeiros.

“Nossos lojistas apresentaram uma melhora significativa em seus desempenhos em relação ao mesmo período do ano anterior, enquanto nossas margens financeiras evoluíram de forma expressiva em relação aos trimestres anteriores. O desempenho dos lojistas neste período foi muito semelhante ao do último mês do ano, com o melhor trimestre em vendas de 2016, crescendo 2,1%. Esse desempenho prova, mais uma vez, a qualidade e resiliência de nossos ativos”, confirma o executivo.

O presidente ainda destaca o resultado operacional da Companhia, que reflete na taxa de ocupação dos shoppings. “Mesmo durante a pior crise econômica da história do Brasil, a ocupação de nossos shoppings maduros permaneceu em níveis elevados e pudemos acelerar a atualização do mix de lojas em alguns de nossos shoppings”.

Em termos de perspectiva, a Companhia acredita em um cenário econômico de recuperação para o Brasil, com um ambiente mais favorável para investimentos e com oportunidades de crédito mais barato. “Acreditamos que a recuperação do varejo e do setor de shopping centers pode ser mais rápida do que previamente antecipado. Nossas prioridades de curto prazo continuarão tendo foco na maturação de nossa nova geração de ativos e o fortalecimento do nosso portfólio”, afirma Tomás, que revela ainda que a Companhia vai centrar-se no incremento das taxas de ocupação e melhoria efetiva da qualidade do serviço, como por exemplo o desenvolvimento de projetos multiuso em terrenos adjacentes aos shoppings Uberlândia, Passeio das Águas e Franca, por meio de parcerias, fomentando gradualmente o fluxo de visitantes destes shoppings e acelerando o processo de maturação dos dois primeiros.

Além disso, a Sonae Sierra Brasil continuará centrando esforços na evolução na estratégia de gestão do mix de lojas, intensificando o papel social dos centros de compras, amplificando a oferta de entretenimento e maior variedade gastronômica, a exemplo do Parque D. Pedro, onde esta já é uma realidade.

A Sonae Sierra Brasil segue estudando cuidadosamente oportunidades de crescimento, especialmente nas principais áreas metropolitanas do país. Na medida em que as condições macro e do setor de shopping melhorem, a Companhia estará preparada para iniciar um novo ciclo de crescimento e criação de valor para seus stakeholders.

Sobre a Sonae Sierra Brasil

A Sonae Sierra Brasil (www.sonaesierrabrasil.com.br) é uma empresa especialista em shopping centers e uma das principais proprietárias, desenvolvedoras e administradoras do Brasil.

A empresa é proprietária de 9 shopping centers em operação: Plaza Sul e Campo Limpo (São Paulo-SP), Shopping Metrópole (São Bernardo do Campo-SP), Franca Shopping (Franca-SP), Parque D. Pedro Shopping (Campinas-SP), Manauara Shopping (Manaus-AM), Uberlândia Shopping (Uberlândia–MG), Boulevard Londrina Shopping (Londrina-PR) e Passeio das Águas Shopping (Goiânia-GO), e administra mais um shopping de terceiros, Shopping Penha (São Paulo-SP), totalizando 474,7 mil m2 de Área Bruta Locável (ABL) e 2.103 lojas.

A sustentabilidade é uma das preocupações essenciais da Sonae Sierra Brasil, presente em todas as áreas da empresa. A empresa foi a primeira do setor a certificar os seus Sistemas de Gestão Ambiental (norma ISO 14001) e de Gestão de Segurança & Saúde (norma OHSAS 18001), distinções que atestam a qualidade e as boas práticas implementadas nessas áreas.

A Sonae Sierra Brasil também investe em inovação através do Digital Experience, programa que tem por objetivo conectar os consumidores com os centros de compras, por meio de inovação tecnológica contínua, como serviços digitais e sociais, interatividade e experiências digitais indoor.

Fonte: http://www.segs.com.br/info-ti/55241-sonae-sierra-brasil-apresenta-receita-liquida-de-r-342-3-milhoes-em-2016.html



NOTÍCIAS RELACIONADAS
07/11/2017
Comissário Carlos Moedas antecipa uma "revolução" na indústria de pagamentos bancários [Roland Berger]
07/11/2017
Lucro da EDP aumenta 86% para 1.147 milhões nos primeiros nove meses do ano [EDP]
07/11/2017
EDP Espírito Santo promoveu oficina de grafite e rimas em Guarapari [EDP]
07/11/2017
Franco | Advogados anuncia expansão no atendimento Penal [Franco Advogados]
06/11/2017
Instituto Tomie Ohtake apresenta exposição com as obras dos vencedores EDP nas artes [EDP]
06/11/2017
Medida Provisória nº 806/17: Instituição de Tributação de Fundos de Investimento Fechados e Alterações na Sistemática de Tributação de Outros Fundos [CPBS]