home > notícias

ASSOCIADOS

17/03/2017

EY revela que mais de metade das empresas já foram alvo de ataques cibernéticos

A empresa de consultoria EY divulgou um estudo em que avisa que cerca 86% das organizações inquiridas não estão preparadas para ataques virtuais em empresas e mais de metade nem têm planos de prevenção sobre este tipo de fenómeno.

A  EY divulgou um estudo sobre a Cibersegurança, onde é realçada a importância da preparação para ataques cibernéticos para a sobrevivência das organizações. As conclusões têm por base as respostas de 1735 organizações no mundo inteiro e pertencentes a 20 setores empresariais distintos e revelam que a aposta na segurança da informação é um pilar estratégico para as organizações.

De acordo com o comunicado, o estudo revela que as organizações estão cada vez mais alerta para ataques informáticos mas aponta que ainda à necessidade de melhorarem os seus sistemas de protecção. Mais de 80% das organizações que responderam, admitem que as suas capacidades de defesa a ataques virtuais não está a corresponder às suas necessidades.

O mesmo estudo destaca ainda que cerca de 57% dos inquiridos já foram vítimas de um ataque cibernético, enquanto que  89% das organizações afirma ainda que não avaliam o impacto financeiro de todas os ataques. Menos de metade das empresas inquiridas não tem qualquer tipo de plano de prevenção caso sejam vítimas de ataques deste género.

O relatório realizado pela empresa de consultoria EY está disponível na íntegra para download neste link.


Fonte: http://www.bit.pt/ey-revela-metade-das-empresas-ja-alvo-ataques-ciberneticos/



NOTÍCIAS RELACIONADAS
28/04/2017
Sonae Sierra vence 3 Prémios Europeus pelo desenvolvimento do Centro Comercial ParkLake
28/04/2017
Tomi recebe Ouro em competição internacional
28/04/2017
Casa Santa Luzia automatiza gestão e reduz ruptura de estoque a 3% com RMS by TOTVS
28/04/2017
Imobiliário português em missão de 'charme'
27/04/2017
EDP Live Bands Brasil’17 divulga as oito bandas finalistas
27/04/2017
Brasil fecha acordo para desenvolver o Plano Nacional de Internet das Coisas