home > notícias

MUNDO

03/04/2017

Simpósio em universidade britânica discute futuro da língua portuguesa

Um painel de especialistas incluindo o secretário de Estado da Educação, João Costa, vai discutir o futuro do Português na Europa enquanto língua de herança num simpósio na universidade britânica de Lancaster a 08 de abril.

O simpósio pretende abordar a situação sobretudo nos dois principais países de destino da emigração portuguesa, Reino Unido e França, e analisar o panorama atual do ensino do português nas escolas e universidades nestes dois países, tendências e desafios.

O simpósio "Futuro Português - O futuro da língua portuguesa na Europa" terá como oradores, entre outros, a cofundadora e diretora do projeto Native Scientist, Tatiana Correia, a Coordenadora do Ensino de Português no Reino Unido, Regina Duarte, e a homóloga em França, Adelaide Cristóvão, a jornalista Sara Belo Luís e a leitora de Português na Universidade de Leeds Sofia Martinho.

"A ideia é reunir pessoas com interesse no futuro do português como língua de herança. O Observatório da Emigração estima que vivem atualmente no estrangeiro mais de 2,3 milhões de portugueses, que têm filhos e filhas. A questão perene é: será que estes filhos vão falar português?", disse o organizador da iniciativa, Patrick Rebuschat, professor na Universidade de Lancaster.

O uso da língua materna em casa "muitas vezes é limitado" e diferente do que se ensina em Portugal, nomeadamente História e Geografia, pelo que várias gerações de lusodescententes têm beneficiado da rede de ensino no estrangeiro financiada pelo Estado português.

"Eu beneficiei disso. Eu falo português, leio e escrevo porque eu sou um produto dessa rede de ensino. Eu nasci na Alemanha e cresci bilingue português-alemão porque na cidade onde eu vivia, em Wolfsburg, existe uma grande comunidade portuguesa. A partir dos seis anos entrei na escola alemã e também à tarde, duas vezes por semana, quatro horas ao todo", descreveu o académico, que é filho de pai alemão e mãe portuguesa.

Rebuschat conta que continuou até aos 17 anos, mas, do grupo inicial, só permaneciam ele, o irmão e outra rapariga.

"Gostava de perceber qual é a motivação e atitude dos pais e alunos em relação a Português", afirmou este especialista em bilinguismo e aprendizagem de línguas, que pretende aprofundar esta via de investigação.

No seu caso pessoal, Patrick Rebuschat mudou-se para Portugal ainda adolescente para completar os estudos secundários e depois a licenciatura, o que fez sem dificuldades de adaptação à língua e ao sistema nacional.

Posteriormente, fez carreira como linguista no Reino Unido, Alemanha e EUA.

"O português como língua de herança é uma rede importante não só para os filhos dos emigrantes, para crescerem bilingues e terem uma ligação a Portugal, como para o país, porque [os lusodescentes] são vastíssimo recurso humano a viver no estrangeiro", vincou.

O impacto do Brexit será também um tema de debate no evento, onde serão apresentados dois casos exemplares de promoção da língua portuguesa no Reino Unido, a Native Scientist, que faz divulgação de ciência junto de crianças de origem portuguesa, e a Anglo-Portuguese School, uma escola bilingue em Londres que prevê iniciar o funcionamento em Londres no próximo ano letivo.

Fonte: Notícias ao Minuto



NOTÍCIAS RELACIONADAS
23/10/2017
Igreja: Padres missionários em Portugal
23/10/2017
Portugal tem turismo de primeira e ótimas ondas o ano todo
23/10/2017
Casa de Portugal SP presta homenagem à TV Globo, onde “Portugal nunca saiu de moda” diz homenageado
23/10/2017
Revista de Sábado conhece projeto que leva estudantes de escolas públicas para Portugal
23/10/2017
Na Trilha da História: Como ficou o Brasil assim que se separou de Portugal
20/10/2017
Prêmio Oceanos 2017 anuncia os dez livros finalistas; veja a lista