home > notícias

ASSOCIADOS

04/04/2017

Seminário Ecobrasil abordará benefícios da contabilidade ambiental para gestão portuária

Criar uma base de dados confiável com informações relacionadas à gestão ambiental é um dos desafios do setor portuário para os próximos anos. O tema passa pela necessidade de os gestores portuários evidenciarem impactos das ações junto ao meio ambiente, seja em situações de investimentos para prevenção e melhor uso de recursos ambientais, seja para demonstração de passivos ambientais e mensuração de resultados de ações de sustentabilidade. Para o diretor da Master Consultores, Nilton de Araújo, a contabilidade ambiental é um assunto recente e ainda pouco discutido no setor. 

Ele observa que muitas empresas utilizam relatórios de sustentabilidade como 'vitrines', mas não têm dados concretos e bem consolidados. Araújo acrescenta que conseguir extrair da contabilidade das empresas informações sociais é algo ainda muito pouco usual no Brasil. Em contrapartida, o diretor da Master Consultores ressalta que existem iniciativas positivas e cita o Índice de Desempenho Ambiental (IDA) criado pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) como exemplo de padrão de comparabilidade. 

"Daqui a cinco anos, aquela empresa que preencher esses relatórios criados pela Antaq de maneira consistente e frequente nesse período permitirá a qualquer um que pegar esses índices criar um ponto de comparabilidade dentro da própria empresa", explica Araújo, que será um dos palestrantes do 13º Seminário Nacional sobre Indústria Marítima e Meio Ambiente (Ecobrasil 2017). O evento, que acontece nos dias 4 e 5 de maio, no Rio de Janeiro, é organizado pela Revista Portos e Navios e tem a coordenação técnica de Heitor Ciuffo, da Cisporto Consultoria.

A Master, que atua há quase 20 anos, criou há três anos uma unidade de negócios para auxiliar o mercado com as necessidades de demonstrar suas ações de sustentabilidade e meio ambiente com o uso da “ciência contábil”. A empresa Contabilidade Ambiental abrange registros e controles de informações da empresa que afetam o meio ambiente, funcionando como um registro do patrimônio ambiental e resultados da exploração ambiental expressos monetariamente.

Fonte: Portos e Navios 



NOTÍCIAS RELACIONADAS
22/06/2017
Aproveitamento do ágio com base no regime da Lei 9.532/97 encerra-se no fim do ano [Souza Sescon]
22/06/2017
Marketing da Sonae Sierra premiado
22/06/2017
Padaria da Esquina entre os melhores do ano no Brasil
22/06/2017
Novo presidente executivo no Haitong deverá vir da China
22/06/2017
Gigantes tecnológicas secam talentos em Portugal
20/06/2017
EDP considerada a marca portuguesa mais valiosa