home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

22/05/2017

Portugal tem carros ligeiros de mercadorias novos com menos emissões na Europa - Zero

Portugal continua a ser o país europeu com veículos ligeiros de mercadorias novos com menos emissões de dióxido de carbono, segundo a organização ambientalista Zero que apela às empresas para aproveitarem incentivos e comprarem viaturas elétricas.

"As emissões médias de dióxido de carbono, um importante indicador de eficiência e de impacte dos veículos no que respeita à mitigação das alterações climáticas, passaram em Portugal de 141,7 gramas por quilómetro, em 2015, para 140,5 gramas, em 2016", quando já estava em primeiro lugar, refere um comunicado da Zero.

A Associação Sistema Terrestre Sustentável, Zero, analisou os dados da Agência Europeia do Ambiente (EEA na sigla em inglês) e concluiu que "Portugal continua em primeiro lugar na Europa no que respeita à eficiência de veículos ligeiros de mercadorias novos (vans, furgões, pick-up)", vendidos no ano passado, seguido da Bulgária, Chipre e Itália.

Considera que "o bom posicionamento de Portugal também é consequência da compra de automóveis mais pequenos e assim também menos pesados, cujo valor de compra se adequa mais às dimensões e necessidades" das empresas portuguesas.

A redução em 2016 das emissões médias dos veículos ligeiros de mercadorias registados na União Europeia (UE) resulta num valor que está 6,4% abaixo da meta de 175 gramas de dióxido de carbono por quilómetro (CO2/km) para 2017.

"São ainda necessárias novas melhorias de eficiência para atingir o objetivo mais rigoroso da UE de 147 gramas CO2/km fixado para 2020", alertam os ambientalistas.

Os veículos elétricos, que têm sido uma aposta do Ministério do Ambiente, são uma forma de diminuir as emissões com origem no transporte rodoviário que, em Portugal, é um dos principais setores responsáveis pela emissão de gases com efeito de estufa, com cerca de 23%.

A Zero alerta que "as empresas não fazem contas face aos incentivos que as privilegiam e só 27 ligeiros de mercadorias elétricos foram vendidos em 2017, até final de março", apesar desta número significar um crescimento de 285% nas vendas, segundo as contas da associação.

As empresas, explica, podem candidatar-se a um incentivo de 2.250 euros por veículo elétrico, a isenção de imposto sobre veículos (ISV), imposto de circulação (IUC), dedução em sede de imposto sobre o rendimento de pessoas coletivas (IRC) e recuperar o imposto sobre o valor acrescentado (IVA).

"Com todos estes incentivos, um veículo elétrico é claramente uma opção eficaz em termos de custo para muitas empresas, para além do benefício enquadrável na sua política de responsabilidade social e ambiental", considera a associação.

Embora reconheça que a posição de liderança de Portugal na percentagem de veículos ligeiros de mercadorias com poucas emissões, "é um boa novidade", a Zero defende que tem de ser conjugada com medidas de promoção do transporte de mercadorias por via ferroviária e com a expansão dos apoios aos veículos de tração elétrica.

E recorda que os veículos a gasóleo "continuam a constituir a grande maioria da nova frota de furgões, constituindo 96% das vendas, o que é dramático", dada a maior poluição gerada por este combustível.

Fonte: DN PT



NOTÍCIAS RELACIONADAS
19/09/2018
Cerca de 120 investidores brasileiros participam em Missão empresarial a Portugal [Brasil-Portugal]
19/09/2018
BNDES lança edital para fundo de R$ 500 milhões em infraestrutura [Brasil]
19/09/2018
Economia cresce 0,57% em julho e tem 2º mês seguido de alta, aponta BC [Brasil]
19/09/2018
Universidades de Lisboa e Porto entre as 100 melhores na empregabilidade [Portugal]
19/09/2018
Jornal de Angola destaca "nova era" nas relações com Portugal [Portugal-Angola]
19/09/2018
AEP lança 5.ª feira em Bragança plataforma de suporte ao investimento no Norte [Portugal]