home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

14/06/2017

Serviços com crescimento mais forte em quase 10 anos [Portugal]

O sector dos serviços acelerou o crescimento em Abril, conseguindo mesmo a expansão mais forte desde 2008.

O volume de negócios no sector dos serviços cresceu a uma taxa homóloga de 9% em Abril, o que representa a expansão mais forte desde Fevereiro de 2008, mês em que cresceu 9,8%.
 
De acordo com os dados publicados pelo INE esta segunda-feira, o sector dos serviços acelerou pelo terceiro mês consecutivo. Em Janeiro tinha crescido 3,9%, em Fevereiro o crescimento passou para 4,8% e em Março para 6,7%.
 
O crescimento ao rimo mais elevado de quase 10 anos ficou a dever-se ao desempenho positivo registado nas classes Comércio por grosso; reparação de veículos automóveis e motociclos (+9,3%) e a de Transportes e armazenagem (+11,3%).
 
A evolução deste sector vem juntar-se a outros indicadores que apontam para a aceleração do crescimento da economia nacional, já que o PIB cresceu a um ritmo anual de 2,8% no primeiro trimestre e o ministro das Finanças, Mário Centeno, apontou para um crescimento acima de 3% no segundo trimestre.
 
Os outros indicadores relativos ao sector dos serviços revelados pelo INE também apontam para uma evolução positiva.  
 
O índice de emprego nos serviços apresentou um crescimento homólogo de 4%, enquanto as remunerações aumentaram 3,1%. O índice de volume de trabalho, medido pelo número de horas trabalhadas ajustado dos efeitos de calendário, apresentou um crescimento homólogo de 1,1%.

Fonte: Portugal Global 



NOTÍCIAS RELACIONADAS
11/12/2018
Produção na construção aumentou 4,5% em outubro [Portugal]
11/12/2018
IBGE prevê safra de grãos 1,7% maior no próximo ano [Brasil]
11/12/2018
Exportações de têxteis e vestuário aumentaram 2,4% para 4,47 mil milhões [Portugal]
11/12/2018
Volume de negócios na indústria cresce 5,4% em outubro [Portugal]
11/12/2018
Israel e Brasil investirão US$ 5 milhões em cooperação tecnológica [Brasil e Israel]
11/12/2018
Portugal promove-se em Londres como destino para gestoras de ativos [Portugal e Inglaterra]