home > notícias

MUNDO

30/06/2017

Historiador baiano vence Prêmio Machado de Assis da ABL

João José Reis tem diversos livros publicados, dentre eles "A morte é uma festa"

O historiador baiano João José Reis é o vencedor de 2017 do Prêmio Machado de Assis, concedido pela Academia Brasileira de Letras (ABL) a escritores pelo conjunto da obra. O anúncio foi feito nesta qinta-feira (29) pelo presidente da Academia, Domício Proença Filho. A entrega do prêmio será em solenidade no salão nobre do Petit Trianon, a sede da academia, no dia 20 de julho, data em que a instituição estará comemorando seus 120 anos de fundação.

Referência mundial para o estudo da história e da escravidão no século 19 no Brasil, João José Reis, de 65 anos, tem diversos livros publicados, dentre eles A morte é uma festa, que lhe rendeu o Prêmio Jabuti de Literatura. Graduado em História pela Universidade Católica de Salvador, Reis tem mestrado e doutorado pela Universidade de Minnesota (EUA) e diversos pós-doutorados, que incluem as universidades de Londres, na Inglaterra, e de Stanford, na Califórnia (EUA).

João José Reis também foi professor visitante de outras prestigiadas universidades norte-americanas, entre elas Princeton e Harvard. Atualmente, é professor titular do Departamento de História da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Considerado o mais importante prêmio literário do país, o Machado de Assis é concedido anualmente pela ABL desde 1941. No ano passado, o vencedor foi o romancista e contista Ignácio de Loyola Brandão. (Agência Brasil)

Fonte: Cultura ao Minuto



NOTÍCIAS RELACIONADAS
15/10/2018
São portuguesas e foram "extraordinárias" no seu tempo. Sabe quem são?
15/10/2018
Uma das Sete Maravilhas do Mundo, Cristo Redentor completa 87 anos
15/10/2018
CAV de Coimbra explora tema do trabalho em nova exposição
15/10/2018
Associação Aldeias Históricas de Portugal promove cimeira internacional de turismo inédita
15/10/2018
'Foi Deus' é a canção portuguesa mais votada para o primeiro Cancioneiro da UE
15/10/2018
Uma 'antologia mínima' para descobrir ou redescobrir Fernando Pessoa