home > notícias

ASSOCIADOS

03/08/2017

De onde deve vir o crescimento no mercado de mídia [PWC]

O mercado de entretenimento e mídia está desacelerando. A PwC prevê que, nos próximos cinco anos, o crescimento médio global do setor deve ficar em 4,2%.

A projeção do ano passado era de 4,4% de expansão anual.

A participação de entretenimento e mídia no Produto Interno Bruto (PIB) global deve cair de 2,54% neste ano para 2,39% em 2021.

Muitos grandes mercados parecem ter alcançado um ponto de saturação, segundo a consultoria:

“Conforme consumidores compram assinaturas de streaming no lugar de downloads de músicas, e anunciantes fazem aquisições segmentadas online no lugar de buscar a mídia de massa, seus gastos gerais talvez não cresçam tão rápido quanto no passado.”

Áreas de crescimento
Somente jornais e revistas devem apresentar queda em números absolutos.

Os motores do crescimento, com avanço acima da média da economia, serão quatro: vídeo via internet, publicidade online, videogames e acesso à internet.

O estudo não levou em conta os segmentos de e-sports e realidade virtual, pois, por partirem de uma base muito pequena, têm crescimentos projetados elevados.

Projeção de crescimento do mercado de mídia e entretenimento / Fonte: PwC

O faturamento do vídeo via internet deve registrar um crescimento médio anual de 6%, já descontada uma expansão de 5,6% do PIB mundial.

Os jornais, por outro lado, devem diminuir 8,3% ano ano. A TV e o vídeo tradicionais têm uma queda esperada de 4,2%.

Foco nos fãs

O relatório da PwC sugere que as empresas de entretenimento e mídia devem focar nos fãs de seus produtos e construir seu negócio em torno deles.

Com os fãs, é possível conseguir maior engajamento, fidelidade e gasto per capita, diferentemente de uma audiência ocasional e de baixo valor.

A consultoria faz quatro recomendações:
Saiba quem são os fãs. As empresas precisam melhorar sua capacidade de captar informações e segmentar a audiência. Para isso, precisam fortalecer análise de dados, medição e gestão.

Aumente a agilidade e flexibilidade do negócio. As organizações precisam estar conectadas, ter equipes multidisciplinares e responder rapidamente a novas preferências, modelos de negócio e tecnologias.

Monetize o relacionamento total com fãs. Estenda as marcas preferidas dos fãs a novos mercados e gere receita por meio de múltiplos modelos de negócio, como publicidade, assinaturas e transações.

Adote um foco centrado no fã. As empresas precisam de criar relacionamento direto com o consumidor. Isso significa deixar de operar no atacado e oferecer experiências fim a fim diretamente aos usuários.

Fonte: Inova



NOTÍCIAS RELACIONADAS
19/09/2018
Sócio advogado participa de evento em Fortaleza [Brasil Salomão e Matthes Advocacia]
19/09/2018
António Fernandes da Silva assume cargo de consultor da administração da SABSEG [Sabseg]
19/09/2018
EDP abre inscrições para programa de Estágio [EDP]
19/09/2018
Demarest lança podcast para debater os principais temas jurídicos do país [Demarest Advogados]
19/09/2018
TAP aumenta número de voos diários na ponte aérea Lisboa-Porto [TAP]
19/09/2018
Claritas na expert XP 2018: o maior evento de investimento na América Latina [Claritas]