home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

28/09/2017

Startups vão revolucionar o mercado de escritórios?

Os espaços de Coworking e Hubs criativos transformam espaços devolutos e desactualizados, em áreas de trabalho modernas, criativas e altamente funcionais, que dependendo da área de atividade da empresa, dimensão e capacidade financeira poderão competir com alguns edifícios tradicionais de escritórios.
De acordo com a 1ª Edição do Estudo Startups – Office Needs Survey 2017, desenvolvido pela consultora imobiliária Worx, as novas dinâmicas de trabalho, a par das diversificadas culturas empresariais, ditam as novas regras de ocupação de mercado. E as startups, mercado em plena ascensão, não fogem à regra. O que hoje pode representar uma procura de 25 m2, amanhã poderá representar a procura de novas instalações num edifício emblemático.

 
O estudo lembra ainda que gigantes do mundo tecnológico nasceram de iniciativas levadas a cabo por um grupo de amigos, num quarto de universidade ou mesa de café e provaram que pequenas ideias de negócio podem transformar-se em negócios de dimensão internacional. “Uma realidade à qual o Mercado de Escritórios de Lisboa não pode estar alheio, dada a projeção da cidade de Lisboa no mapa de localização de startups nacionais e internacionais”, revela.
 
O inquérito elaborado pela Worx inicidiu em 90% de startups portuguesas e apenas 10% são de origem internacional. Portugal e em particular, a cidade de Lisboa, tem sido apontada como uma das capitais europeias mais atrativas e competitivas para a implantação de startups. 85% das startups inquiridas têm equipas compostas por um a cinco elementos.
 
Porque escolhem um espaço de coworking? Maior produtividade e crescimento da equipa são os principais factores de escolha. No fundo da tabela surge o incentivo ao processo criativo e as relações intersociais.
 
Mas acima de tudo num espaço destes, o preço, a localização e a segurança são os factores considerados mais importantes pelos inquiridos, com o factor ‘preço’ a reunir o maior consenso em termos da sua importância no processo de tomada de decisão de escolha de um espaço para lançarem a sua atividade. No final da lista, e curiosamente, surge o sentido de comunidade e os serviços de apoio (ex:cafetaria) que não constam na lista de prioridades das startups, sendo considerados factores com pouco ou mesmo nenhuma importância.
 
E o que consideram obrigatório? 90% Internet rápida; 85% Espaços de reuniões e brainstorming; 70% Luz natural; 60% Espaço adequado para colocar laptop; 45% Ar Condicionado; 30% serviços/Equipamentos apoio.
 
E porquê Lisboa a cidade preferida? Custo de vida muito acessível, quando comparado a outras capitais europeias; Incentivos governamentais para lançamento de startups e projetos de empreendedorismo individual; Nível de talento humano muito competitivo; Presença de um forte espírito de sinergia e comunidade entre Startups; Realização de vários eventos com projeção internacional; O inglês é falado por uma percentagem significativa da população; Lisboa é a capital eleita por algumas multinacionais para implantação das suas sedes; Rede de transportes muito extensa, com ligação a todos os principais pontos da cidade e Excelente ligação Wi-Fi por toda a cidade.

Fonte: Portugal Global



NOTÍCIAS RELACIONADAS
19/09/2018
Cerca de 120 investidores brasileiros participam em Missão empresarial a Portugal [Brasil-Portugal]
19/09/2018
BNDES lança edital para fundo de R$ 500 milhões em infraestrutura [Brasil]
19/09/2018
Economia cresce 0,57% em julho e tem 2º mês seguido de alta, aponta BC [Brasil]
19/09/2018
Universidades de Lisboa e Porto entre as 100 melhores na empregabilidade [Portugal]
19/09/2018
Jornal de Angola destaca "nova era" nas relações com Portugal [Portugal-Angola]
19/09/2018
AEP lança 5.ª feira em Bragança plataforma de suporte ao investimento no Norte [Portugal]