home > notícias

ASSOCIADOS

23/10/2017

Foguetão Ariane 6 vai integrar telemetria portuguesa [Critical Software]

A Critical Software assinou um contrato com a Arianespace e fará parte de um pequeno grupo de empresas que irá contribuir para a construção de um novo foguetão Espacial.

A tecnológica portuguesa foi escolhida, em competição aberta, e assinou um contrato com a Arianespace para para integrar o programa que vai conceber e construir o Ariane 6. A tecnológica portuguesa ficou responsável pelo desenvolvimento do software de telemetria do novo foguetão.

A Arianespace seleccionou um pequeno conjunto de empresas que integra o programa cujos objectivos é conceber e construir o referido veículo modular de lançamento espacial europeu, para agilizar e aumentar a capacidade de transporte de satélites para o espaço, divulgou esta semana a Critical.

O software de telemetria do novo foguetão  será responsável pelo processamento, agregação e transmissão dos dados de voo que serão usados pelas estações de controlo terrestre. Aqueles dados são essenciais para a monitorização e controlo das várias fases do lançamento, incluindo a análise e correcção de eventuais falhas que possam comprometer o foguetão, explica comunicado.

A Critical assinala que “a construção do Ariane 6 é essencial para o desenvolvimento do sector espacial na Europa”.

“Este é um momento muito especial” para a empresa, “quer por aquilo que significa [nós], quer por aquilo que significa para o futuro da Europa em matéria de exploração do espaço”, refere Paulo Guedes, director de desenvolvimento de negócio da tecnológica portuguesa.

A Critical assinala que “a construção do Ariane 6 é essencial para o desenvolvimento do sector espacial na Europa”, sendo um passo decisivo para garantir o acesso ao Espaço e para assegurar à indústria espacial europeia a competitividade de que esta necessita para triunfar num contexto de fortíssima concorrência entre diferentes regiões do globo”.

Ariane 6 voa pela primeira vez em 2020
O Ariane 6 é um marco na indústria espacial europeia e apoia-se no sucesso e na fiabilidade alcançados pela família de foguetões. Com o voo inaugural previsto para 2020, este novo foguetão irá reduzir os prazos de entrega e espera-se que venha a diminuir para metade os custos dos serviços associados aos lançamentos, abrindo novas oportunidades para a ESA – a Agência Espacial Europeia.

Deste modo, serão também criadas condições sem precedentes para o envolvimento das empresas privadas na exploração comercial do espaço, inaugurando-se assim uma nova era de desenvolvimento da indústria espacial, assinala a Critical..

Fonte: Computer World



NOTÍCIAS RELACIONADAS
06/11/2018
Os desafios do sistema tributário para empreendedores [PWC]
06/11/2018
Brasileiros expatriados em Portugal passam a contar com programa especial de seguros [MDS]
06/11/2018
EDP leva carteira com 45 milhões de euros para startups que se destaquem na Web Summit [EDP]
06/11/2018
Izirepair é a grande vencedora do NORS Digital Disruptors [NORS]
06/11/2018
Compliance, sanções e perdas financeiras [Franco Advogados]
06/11/2018
Morar em Chaves: seu refúgio e tranquilidade em Portugal [Nacionalidade Portuguesa]