home > notícias

ASSOCIADOS

23/10/2017

Os caminhos para o sucesso escolar [McKinsey & Company]

Cinco fatores impactam no sucesso escolar na América Latina, inclusive no Brasil. Motivação pessoal ou mentalidade; combinação adequada de orientação do professor e investigação própria na prática do ensino; uso de tecnologias de informação e comunicação como ferramenta pedagógica; aumento da jornada escolar e educação infantil são as molas propulsoras deste desempenho. Foi o que apontou estudo global de educação.

Esse estudo da McKinsey & Company, firma global de consultoria, foi baseado em microdados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Essa prova é aplicada a cada três anos a jovens de 15 anos de diversos países desde 2000, informaram os organizadores. Ano retrasado, a prova foi aplicada a 540 mil estudantes em 72 países.

Segundo os organizadores, o foco foi na disciplina de Ciências além de entrevistas com professores, pais e alunos. Foram avaliados indicadores de Argentina, Brasil, Chile,e Colômbia, Costa Rita, República Dominicano, México, Peru, Trinidade e Tobago e Uruguai. Segundo os organizadores, o Brasil foi destaque na atual pesquisa como exemplo do impacto das ações combinadas sobre o desempenho escolar.

A intenção foi discutir políticas públicas para melhorar a aprendizagem e buscar inovações educacionais. "A pesquisa reforça nosso entendimento de que, para haver avanço na qualidade da educação, é preciso um conjunto de intervenções diferentes. De qualquer modo, a importância da mentalidade do aluno, que é o conjunto de atitudes e crenças desses estudantes, chamou a atenção", informou, em nota, a líder da prática de Política Pública e Social da McKinsey no Brasil, Patricia Ellen da Silva. "Outro ponto de destaque foi a confirmação do papel central do professor, principalmente liderando aulas expositivas", reforçou.

Curiosidades da pesquisa

No Brasil, a pontuação dos alunos foi influenciada por fatores ligados à motivação/mentalidade (29%), à frente de características da escola (28%), contexto socioeconômico (14%), características do professor (14%) e outros fatores (15%).

Resultados são melhores quando há uma combinação entre instrução expositiva na maioria ou em quase todas as aulas e aprendizado investigativo em algumas aulas.

O uso das Tecnologias de Informação e Comunicação pelos professores produz melhores resultados no desempenho dos alunos. O impacto dessa solução é mais de 30 vezes superior ao efeito da inclusão de um computador para alunos na mesma sala de aula.

O aumento percentual mais significativo nas notas no Brasil se dá na faixa de quatro horas e meia a cinco horas diárias de estudos. Depois de sete horas, o desempenho começa a cair.

A recomendação é investir em educação infantil de qualidade, especialmente para crianças de baixa renda.

Fonte: McKinsey & Company



NOTÍCIAS RELACIONADAS
19/09/2018
Sócio advogado participa de evento em Fortaleza [Brasil Salomão e Matthes Advocacia]
19/09/2018
António Fernandes da Silva assume cargo de consultor da administração da SABSEG [Sabseg]
19/09/2018
EDP abre inscrições para programa de Estágio [EDP]
19/09/2018
Demarest lança podcast para debater os principais temas jurídicos do país [Demarest Advogados]
19/09/2018
TAP aumenta número de voos diários na ponte aérea Lisboa-Porto [TAP]
19/09/2018
Claritas na expert XP 2018: o maior evento de investimento na América Latina [Claritas]