home > notícias

ASSOCIADOS

09/01/2018

Reforma trabalhista continuará a gerar dúvidas’, avalia Demarest [Demarest]

O escritório Demarest Advogados avalia que a reforma trabalhista “continuará a gerar dúvidas”, e por isso deve ser a lei de 2018, “especialmente quanto à aplicação de vários de seus aspectos pelos tribunais”.

A instabilidade política e econômica atrapalhou alguns planos da banca em 2017, mas áreas como arbitragem, tributária e previdenciária garantiram o faturamento.

+JOTA: “Ano eleitoral será voltado para estratégia”

“As maiores derrotas vieram das perdas de oportunidades na área de infraestrutura, por exemplo, que poderiam ter deslanchado mais não fosse por esse contexto”, avaliou o sócio Paulo Coehonda Rocha.

Para Rocha, muitos investimentos em curso no país foram congelados por causa do cenário de insegurança e de crise.

+JOTA: “Instabilidade eleva o número de consultas jurídicas”

Para o ano que vem, a banca espera uma grande atividade na área de recuperação judicial em função da conjuntura econômica, bem como uma continuação da preocupação com as questões de compliance.

+JOTA: “Escritórios deverão se envolver em negociações trabalhistas”

Leia a entrevista na íntegra:

Quais áreas registraram crescimento e garantiram faturamento em 2017?

As áreas que mais cresceram foram M&A, Contencioso/Arbitragem, Tributário, Trabalhista e Previdenciário.

Quais áreas tiveram retração em 2017?

Todas as áreas tiveram bom desempenho em 2017, mas o ano foi menos movimentado para as áreas de Bancário e Contratos.

Os dois movimentos surpreenderam o escritório ou os avanços e recuos eram esperados nestas áreas?

De certa forma os movimentos eram esperados, pois o nosso negócio acompanha o momento econômico do país. Temas relevantes como a recente aprovação da Reforma Trabalhista certamente foram essenciais para o crescimento da área Trabalhista, por exemplo.

Quais as grandes vitórias da banca em 2017 tanto no Judiciário quanto no âmbito administrativo?  

Em respeito aos nossos clientes e à nossa política de confidencialidade, nos resguardamos de comentar casos em detalhes. Entre os casos mais relevantes, podemos citar que assessoramos:

  • Azul Linhas Aéreas em uma discussão judicial relativa à execução do contrato de concessão, de aproximadamente R$ 3 bilhões, das atividades no Aeroporto Internacional de Viracopos
  • Fundo de investimento KKR em uma discussão societária envolvendo o investimento feito no Brasil. A discussão judicial envolvia diversos procedimentos arbitrais iniciados contra os antigos acionistas e as medidas

E as derrotas mais sentidas?

O ano de 2017 foi de menos instabilidade econômica e política, porém as empresas brasileiras ainda estão sentindo bastante os efeitos da crise. Muitos investimentos em curso no país foram congelados por conta do cenário inseguro. As maiores derrotas vieram das perdas de oportunidades na área de infraestrutura, por exemplo, que poderiam ter deslanchado mais não fosse por esse contexto.

O que esperava que aconteceria neste ano que na prática não se concretizou?

Era esperado que as crises econômica e política fossem revertidas mais rapidamente, retomando o crescimento do país e das empresas brasileiras. Entre as reformas, além da Trabalhista, a Previdenciária também era esperada para acontecer em 2017.

O escritório aposta em quais áreas para crescer em 2018?

Para 2018 estamos apostando no crescimento das áreas Tributária, M&A, Mercado de Capitais, Arbitragem e Infraestrutura.

Quais as perspectivas para o mercado de advocacia em 2018 num contexto ainda de instabilidade política e econômica?

Continuaremos a ver uma grande atividade na área de recuperação judicial em função da conjuntura econômica, bem como uma continuação da preocupação com as questões de compliance. Certamente são áreas que continuarão em demanda.

Em 2017, vários escritórios apareceram nas delações da JBS sob acusação de emitirem notas falsas e outros advogados foram acusados de intermediar propina por outros delatores. A imagem da advocacia saiu arranhada neste ano?  

Como em todas as áreas existem bons e maus profissionais, e cabe à OAB e ao Judiciário apurar e punir os envolvidos. Mas isso não deve impactar a imagem da advocacia como um todo.

Este foi o ano da reforma trabalhista. E no ano que vem, que lei será o destaque?

A reforma trabalhista continuará a gerar dúvidas, especialmente quanto à aplicação de vários de seus aspectos pelos tribunais. Uma nova legislação que regulamente adequadamente os investimentos estrangeiros em terras rurais também é esperada. Finalmente, caso não seja aprovada ainda este ano, a Reforma Previdenciária certamente continuará em pauta no ano que vem.

Raio-x do escritório

Número de sócios: 46

Número de advogados (além dos sócios): 230

Fonte: Jota



NOTÍCIAS RELACIONADAS
23/04/2018
Mattos Filho é reconhecido pelo Latin Lawyer em cerimônia do Deal of the Year Awards [Mattos Filho]
19/04/2018
Mota-Engil investe 250 ME este ano sobretudo na EGF e em África [Mota-Engil]
19/04/2018
Imposto de Renda: Penalidade para entrega em atraso [Master Consultores]
18/04/2018
Três em um [ABPSL]
18/04/2018
Tivoli Mofarrej São Paulo recebe obra do escultor Israel Kislansky [Tivoli]
17/04/2018
Grandes consultorias entram cautelosamente no mercado de ICOs [PwC e EY]