home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

09/01/2018

Portugal vai continuar na moda? Provavelmente sim

Tudo indica que Portugal vai continuar na moda enquanto destino turístico em 2018, a questão resume-se a saber a que ritmo é que irá continuar a crescer (e quando é que começa a abrandar).

Embalado pelo crescimento da Europa do Sul e do Mediterrâneo (Espanha, Itália e Grécia também têm crescido bastante) e por reconhecimentos internacionais como os World Travel Awards (que, entre outros prémios, atribuíram a Portugal o galardão de “Melhor destino turístico do Mundo)”, o país, que tem batidos recordes, depende cada vez mais das receitas deste sector e da sua dinâmica de criação de emprego.

De acordo com os últimos dados, as exportações de viagens e turismo chegaram aos 22.446 milhões de euros nos primeiros nove meses deste ano. Este valor representa uma subida de 13% face a idêntico período de 2016, e já corresponde a mais de metade das exportações de serviços e a quase 1/5 do total das exportações.

Num jogo de acertos entre procura e oferta, com o impulso das low cost, tem havido uma subida constante de estrangeiros a visitar Portugal. Entre Junho e Setembro deste ano passou-se pela primeira vez a fasquia das 60 mil aviões a aterrar nos aeroportos nacionais, com a época alta a render mais 200 milhões à hotelaria do que no ano anterior (chegando aos 1688 milhões de euros).

Ao nível da nacionalidade dos turistas, não se espera que haja grandes alterações de perfil, com os cidadãos do Reino Unido, Espanha, França e Alemanha a manterem a preponderância no ano que vem.

Por outro lado, devem consolidar-se as tendências de crescimento de países mercados como os EUA, China, Brasil e Polónia. No primeiro caso, uma explicação deriva da nova aposta da TAP, que abriu novas rotas para este mercado e tem dinamizado o programa stop over (que propicia a estadia em Portugal dividindo uma viagem em duas, com uma paragem de curta duração).

Já no caso da China a tendência de crescimento (é o principal mercado emissor a nível global) foi acentuada pela primeira ligação directa entre os dois países, inaugurada no início do Verão pela Beijing Capital Airlines (do grupo chinês HNA, accionista indirecto da TAP), podendo o ano de 2018 assistir a um reforço do número de voos.   

PÚBLICO -

Foto

PAULO PIMENTA

Um obstáculo ao crescimento em 2018 -- e ainda mais nos dois anos seguintes -- pode ser a falta de capacidade de resposta do aeroporto de Lisboa, cuja solução Portela+1 (Montijo) só deverá estar no terreno em 2021.

Para já, e de acordo com a Associação de Hotelaria de Portugal (AHP), que fez um inquérito recente junto dos seus associados, espera-se que em 2018 haja “uma melhor performance em todos os indicadores”, à excepção da estada média (que não chega às três noites).

Onde há maior grau de unanimidade é nas receitas totais e de alojamento, com 89% dos inquiridos a esperar uma melhoria desse indicador. Isto tendo em conta que o ritmo já tem sido bastante favorável, com os proveitos totais a subirem 17% para 3053 milhões entre Janeiro e Outubro deste ano. Numa análise mais longa, a dez anos (antes da grande recessão global, portanto),a subida é bastante mais expressiva, com os proveitos a crescerem 73%.

Não há nenhuma região que não tenha beneficiado deste crescimento, mas existem ritmos diferentes. Em termos homólogos, a Madeira foi a única cujas receitas hoteleiras não cresceram a dois dígitos em Janeiro e Outubro (ficou-se pelos 8%). No topo ficaram os Açores e a região de Lisboa, com subidas de 24% e 22%, respectivamente.

A dinâmica do sector tem trazido mais intervenientes e investimentos no sector, bem como empregos (em Setembro havia mais 70 mil pessoas a trabalhar face ao mesmo mês de 2016). No caso dos alojamentos, antevê-se novas aberturas de hotéis (para 2018 esperam-se cerca de 60 novas unidades, das quais 15 em Lisboa) mas também de unidades de alojamento local (AL), que já tem um peso da ordem dos 15% do total de camas disponíveis.

No caso do AL torna-se mais difícil de saber o que têm sido legalizações ou entradas efectivas no mercado, mas deverão surgir mais unidades no ano que vem. É preciso, no entanto, que se clarifiquem as alterações à legislação em vigor que estão planeadas (há várias propostas no Parlamento, inclusive uma do PS, mas o Governo quer ter uma palavra a dizer sobre esta matéria).

Em 2018 assistir-se-á também a mais grandes eventos internacionais, ao mesmo tempo que se manterá, pelo menos nesse ano, a realização da Websummit (o acordo foi para 2016-2018, podendo ou não ser renovado), com mais turistas e receitas mas também visibilidade e notoriedade. No caso da Websummit, esta realiza-se em Novembro, algo que ajuda a um desígnio do sector e das autoridades oficiais: a de depender menos da época alta, e de alargar o clássico Sol e praia à gastronomia, natureza e património histórico e religioso.

Aqui, o objectivo do actual Governo é o de reduzir o índice de sazonalidade de 37,5% para 33,5% em 2027. Além disso, e até para aliviar alguma pressão em cidades como Lisboa e Porto, a aposta passa por “alargar a actividade turística a todo o território”, promovendo o turismo “como factor de coesão social”. Se tudo correr como previsto, em 2018 serão dados mais passos em direcção a esses objectivos.  

FONTE: Publico.pt



NOTÍCIAS RELACIONADAS
13/11/2018
Governo vai reformular seguro para exportações [Brasil]
13/11/2018
Portugal registou uma das maiores descidas na taxa de desemprego em setembro [Portugal]
13/11/2018
Faturamento do setor de serviços em SP vai a R$ 29,3 bi e bate recorde [Brasil]
13/11/2018
Infraestruturas de Portugal já investiu até setembro mais que em todo ano de 2017 [Portugal]
13/11/2018
Produção na construção cresceu 4,2% em setembro [Portugal]
13/11/2018
Portugal está entre os melhores destinos para gozar a reforma [Portugal]