home > notícias

MUNDO

16/01/2018

Um nome de referência da música portuguesa - Tozé Brito

"É um nome de referência da música portuguesa. É inevitável não falar da Madalena Iglésias, quando se fala da história da música portuguesa. Nesse sentido, tenho muito respeito por ela e imensa pena da sua morte", disse.

Em declarações à agência Lusa, Tozé Brito, que não trabalhou nem escreveu nada para Madalena Iglésias, disse ter acompanhado "aquela geração", que incluía nomes como Simone de Oliveira e António Calvário, entre outros.

"Havia três ou quatro nomes que marcaram aquela época da música portuguesa, principalmente a Simone que foi `rival` da Madalena Iglésias. Elas competiam por um lugar de rainhas da música portuguesa, de primeira dama na música portuguesa", salientou.

Tozé Brito disse ainda que Madalena Iglésias "foi uma grande senhora, uma mulher com comportamento exemplar, lindíssima, com muito boa presença em palco e que um ídolo da televisão".

A cantora Madalena Iglésias, que venceu o Festival da Canção em 1966 com a música "Ele e Ela", morreu hoje, aos 78 anos, numa clínica em Barcelona, Espanha, disse à Lusa uma fonte familiar.

O velório da cançonetista realiza-se hoje, a partir das 18:00 locais (17:00 em Portugal), na sala 18 do Tanatório de Collserola, em Barcelona.

Madalena Lucília Iglésias do Vale nasceu a 24 de outubro de 1939, na freguesia de Santa Catarina, em Lisboa.

Madalena Iglésias iniciou carreira no Centro de Preparação de Artistas, na ex-Emissora Nacional, e em 1966 venceu o Festival RTP da Canção com o tema "Ele e Ela", de Marco Canelhas.

Na altura, a artista já se tinha apresentado em 1959, na televisão espanhola, e em 1960 foi eleita por votação popular, através de subscritos, Rainha da Rádio e da Televisão.

Em 1962, representou Portugal no Festival de Benidorm, que lhe abriu definitivamente as portas do mercado internacional.

Em 2008, em declarações à Lusa, a propósito da publicação da sua fotobiografia "Meu nome é Madalena Iglésias", de autoria de Maria de Lourdes de Carvalho, a intérprete afirmou que sempre se sentiu perseguida pelo complexo da beleza, apesar de reconhecer que "estava à frente" do seu tempo.

Além de "Ele e Ela", do repertório da cantora fazem parte, entre outras, as canções "Silêncio Entre Nós", "Poema de Nós Dois", "Canção para um poeta", "Canção Que Alguém Me Cantou", "É Você", "Oração Na Neve" e "De Longe, Longe, Longe...", "Canção de Aveiro", "Cuando Sali de Cuba", "Ven esta noche", "La frontera" e "La más bella del baile".



NOTÍCIAS RELACIONADAS
18/11/2018
Livro relembra cenário musical brasileiro entre 1976 e 1985
18/11/2018
Pessoa Festival quer levar mais autores de língua portuguesa aos EUA
18/11/2018
Brasileiro com ELA cria aplicativo para pessoas com distúrbios na fala
18/11/2018
Live Electric Tours é a primeira startup portuguesa a receber o prémio Startup Europe Awards
18/11/2018
Fado e viola campaniça representam Portugal em festival na China
18/11/2018
Sérgio Godinho atua em fevereiro nos Coliseus de Lisboa e do Porto