home > notícias

MUNDO

14/02/2018

Intercâmbio cultural marca tradicional desfile do Ano Novo Chinês em Lisboa

O intercâmbio cultural entre a China e Portugal esteve patente no tradicional desfile do Novo Ano Chinês, dedicado ao cão, onde centenas de figurantes percorreram parte da Avenida Almirante Reis até à Praça do Martim Moniz. O cortejo, que desfilou pelo quinto ano consecutivo, integrou equipas de dança do dragão, do leão e do tambor, além de artes marciais e de bailado, ao qual dezenas de pessoas assistiram, na sua maioria, chinesas, à celebração do Novo Ano, que tem início oficial em 16 de fevereiro.

Engalanada com as tradicionais lanternas vermelhas e douradas, um dos mais importantes símbolos chineses, que representam a prosperidade e boa sorte, a praça do Martim Moniz acolhe a partir deste sábado e durante dois dias a feira do Ano Novo Chinês. Foi aqui que os figurantes se encontraram no final do desfile, assim como as centenas de pessoas que se deslocaram àquela zona da cidade, onde puderam deliciar-se com bancas de gastronomia e produtos chineses.

À Agência Lusa, Patrícia, uma turista brasileira em Portugal, confessou a sua paixão pela cultura chinesa, tendo vindo propositadamente para visitar a cidade e ver como era a celebração. “Achei muito interessante a integração e o respeito de culturas no desfile, surpreendeu-me. Trata-se de uma cultura que tem algumas questões importantes em respeito ao ser humano, à ligação com as coisas da natureza, uma integração muito bondosa, atrai-me a cultura budista como um todo”, explicou.

A integração das duas culturas foi também o aspeto que mais surpreendeu Teresa que se deslocou à baixa da cidade para assistir ao desfile: “achei muito bom o intercâmbio com a nossa cultura com as minhotas, achei muito bom”. “É uma mistura cultural bonita e que eu gosto”, frisou. Já Sandro deslocou-se ao Martim Moniz pela união de culturas que sabia já existir no espaço, tendo ficado igualmente agradado, com a relação entre a cultura chinesa portuguesa, o norte, com um grupo de dança do Minho e o Alentejo, salientando tratar-se de uma “mistura salutar”.

Eugénia Dipi disse à Lusa que não podia faltar ao desfile, afinal tem uma costela chinesa, canta num coro e logo mais à tarde vai fazer uma apresentação no programa da festa. Quanto ao facto de se entrar no Ano do Cão refere não saber pormenores, apenas que será “um ano bom”. “Todos os anos tenho vindo celebrar a cultura chinesa”, afirmou Eugénia, assim com Sue Sum que veio até ao Martim Moniz para comemorar e fazer parte integrante desta mostra da China à população de Lisboa. “A China tem 56 etnias, aqui só se vem mostrar uma parte. Viemos comemorar e mostrar o que há de bom. Vieram da China, de propósito artes marciais, um conjunto de danças sobre a cultura chinesa”, adiantou Sue Sum.

Bingbing é uma dessas jovens que, aos 15 anos, mostra a cultura do seu país através de um grupo de dança que desfilou, reservada nas explicações, apenas diz, com orgulho visível, que foi convidada para participar no cortejo “vestir e mostrar a cultura da China”.

Fonte: Observador



NOTÍCIAS RELACIONADAS
19/09/2018
Animação portuguesa candidata a nomeação aos prémios César
19/09/2018
RTP já tem Festival da Canção 2019 em andamento
19/09/2018
Semana das Culturas Estrangeiras em Paris com programação portuguesa
19/09/2018
Ronaldo: "Christianinho diz que vai ser melhor do que eu mas penso que será difícil"
19/09/2018
Mostra em São Paulo traz obras de Rafael nunca expostas no Brasil
19/09/2018
Turismo de Portugal volta a estar presente na mais importante feira de turismo São Paulo