home > notícias

MUNDO

27/03/2018

Festival IndieLisboa celebra novo cinema e novos autores na 15ª edição

Mais cinema português, novos autores e cineastas consagrados que estão ainda por descobrir em Portugal fazem mover o IndieLisboa - Festival Internacional de Cinema de Lisboa, que começa a 26 de Abril e foi hoje apresentado.

Apesar de ser a 15.ª edição, o programador Nuno Sena explicou hoje, numa conferência de imprensa, que a programação não é propriamente de celebração nem vive de novidades: "O motor são novos filmes e novos autores dentro do espírito do IndieLisboa".

 

Este ano estão programados 245 filmes e é dada uma importância maior ao cinema português com as secções competitivas, com escolhas transversais a outras secções e com uma decisão particular para a abertura e encerramento.

O IndieLisboa abrirá a 26 de Abril com "A árvore", de André Gil Mata, exibido este ano em Berlim, e encerrará a 06 de maio com "Raiva", de Sérgio Tréfaut, um realizador já premiado em edições anteriores do festival, e que estreará uma adaptação de "Seara de vento", de Manuel da Fonseca.

Miguel Valverde, outro dos diretores, sublinhou que as competições nacionais são "a pedra de toque do festival", e que são os filmes que ditam anualmente o tom da competição.

Este ano, a secção competitiva portuguesa de longas-metragens conta com os filmes "A árvore", "Tempo Comum", de Susana Nobre, "Our Madness", de João Viana, "Mariphasa", de Sandro Aguilar - todos já exibidos em festivais internacionais -, e "Bostofrio, où le ciel rejoint la terre", primeira longa-metragem de Pedro Carneiro, em estreia mundial.

A competição de curtas-metragens contará com 16 filmes, entre os quais "Anjo", que assinala a estreia do ator Miguel Nunes na realização, "Russa", de João Salaviza e Ricardo Alves Jr., "Sleepwalk", de Filipe Melo, "The great attractor", de Rita Figueiredo, e "Self destructive boys", de André Santos e Marco Leão.

A organização já tinha anunciado as retrospetivas, na secção "Herói Independente", dedicadas à realizadora argentina Lucrecia Martel e ao cineasta francês Jacques Rozier, ambos convidados a estarem presentes em Lisboa.

Com Lucrecia Martel, Nuno Sena disse que o IndieLisboa faz a ponte com o passado, quando a realizadora esteve na primeira edição, e projeta-se para o presente. "É a descoberta de novos valores e uma família de cineastas que acompanhamos ao longo dos anos".

De Jacques Rozier, 91 anos, uma das primeiras figuras da 'Nouvelle Vague' francesa, serão exibidos 22 dos 30 títulos do autor, numa parceria do IndieLisboa com a Cinemateca Portuguesa.

"É uma obra tão reconhecida pela importância histórica e paradoxalmente desconhecida. É um dos cineastas menos vistos e alvo de alguns equívocos, com uma obra bastante desconhecida e singular. Nenhum dos filmes dele se estreou em Portugal", disse Maria João Madeira, da Cinemateca, na conferência de imprensa.

Da longa lista de filmes escolhidos para esta edição, a direção do IndieLisboa destacou algumas das sessões especiais, nomeadamente "Debaixo do céu", de Nicholas Oulman, sobre a passagem de judeus por Lisboa, durante a Segunda Guerra Mundial, "O homem pikante", de Edgar Pêra, sobre o escritor Alberto Pimenta, e os dois primeiros episódios de "Sara", a série televisiva que Marco Martins fez para a RTP, protagonizada por Beatriz Batarda.

Das edições anteriores mantêm-se as secções "Novíssimos", para jovens cineastas - e que este ano conta com uma longa-metragem, "Infância, Adolescência, Juventude", de Rúben Gonçalves -, "Silvestre", "Boca de inferno", que terá uma parte da programação no terraço do Teatro Capitólio, e "IndieMusic".

No "IndieMusic" serão mostrados documentários sobre o hip hop português, o músico Ryuichi Sakamoto, o baterisa Milford Graves, as L7 e sobre o epicentro nova-iorquino Studio 54, entre outros.

À boleia desta secção, o músico John Parish estará em Portugal para duas atuações, a 3 de Maio, no Hard Club, no Porto, e no dia seguinte, na Culturgest, em Lisboa, com o espetáculo "Screenplay".

Destaque ainda para o IndieJúnior, responsável por uma fatia considerável do público do festival, cuja programação se estende para fora do ecrã.

Uma das iniciativas será "Strá...tum...pschh", com os bateristas Quim Albergaria e Ricardo Martins a musicarem ao vivo "obras primas do cinema mudo de comédia burlesca".

O orçamento do festival ronda o milhão de euros, entre apoios financeiros, serviços e logísticos.

O IndieLisboa decorrerá no Cinema São Jorge, na Culturgest, na Cinemateca e no Cinema Ideal, mas terá também programação na Biblioteca Palácio Galveias e na Casa Independente.

Toda a programação pode ser consultada em www.indielisboa.com.

Fonte: RTP



NOTÍCIAS RELACIONADAS
15/10/2018
São portuguesas e foram "extraordinárias" no seu tempo. Sabe quem são?
15/10/2018
Uma das Sete Maravilhas do Mundo, Cristo Redentor completa 87 anos
15/10/2018
CAV de Coimbra explora tema do trabalho em nova exposição
15/10/2018
Associação Aldeias Históricas de Portugal promove cimeira internacional de turismo inédita
15/10/2018
'Foi Deus' é a canção portuguesa mais votada para o primeiro Cancioneiro da UE
15/10/2018
Uma 'antologia mínima' para descobrir ou redescobrir Fernando Pessoa