home > notícias

ASSOCIADOS

17/04/2018

Grandes consultorias entram cautelosamente no mercado de ICOs [PwC e EY]

Ofertas iniciais de moedas digitais renderam bilhões de dólares para startups e atraíram criminosos e autoridades ao redor do mundo. Agora, as quatro grandes firmas globais de consultoria e contabilidade podem colaborar para a faxina nesse mercado.

Nos últimos meses, essas firmas começaram - cautelosamente - a oferecer serviços especializados no aarriscado mercado das ICOs (initial coin offerings). Esse mecanismo de captação, pelo qual uma empresa cria uma moeda digital e vende ao público, ficou grande demais para ser ignorado pelas chamadas "Big Four" - Deloitte, PricewaterhouseCoopers, EY e KPMG.

No ano passado, as ICOs geraram US$ 5,6 bilhões, incentivadas por investimentos especulativo, segundo relatório da firma de pesquisas TokenData e do fundo de investimento Fabric Ventures, focado na tecnologia blockchain.

Esse crescimento chamou a atenção dos órgãos reguladores. China e Coreia do Sul baniram ICOs em setembro. Nos Estados Unidos, a comissão de valores mobiliários (SEC, da sigla em inglês) distribuiu intimações ao longo do ano e, na semana passada, interrompeu uma emissão de moedas digitais alegando que os fundadores "orquestraram uma ICO fraudulenta"

Talvez as firmas de consultoria ajudem as empresas a navegar nesse mercado -- ou sejam arrastadas para escândalos. 

"O que temos feito é aconselhar alguns investidores e clientes sobre se devem ou não fazer uma ICO", disse Eric Piscini, responsável por blockchain no grupo de serviços financeiros da Deloitte Consulting. "Não quero dizer que nossa postura seja de aversão a risco, mas de esperar para ver o que acontece com as ICOs porque o ambiente regulatório muda muito rápido."

A hesitação quando se trata de ICOs contrasta com a animação de Deloitte, PricewaterhouseCoopers, EY e KPMG em relação à blockchain já em 2012. Essas firmas logo produziram pesquisas e dedicaram equipes à tecnologia, que funciona como uma espécie de planilha distribuída mais rápida e segura do que os sistemas usados por bancos e outros setores. 

A mania das moedas digitais embala o mercado de ICOs. O conceito se destacou internacionalmente pela primeira vez em 2016, quando a Dao levantou mais de US$ 150 milhões em poucos dias. 

Consultoria 

Desde então, o negócio se expandiu e as ICOs captaram mais de US$ 500 milhões em um mês em meados do ano passado. A Telegram Group, dona do aplicativo de mensagens criptografadas de mesmo nome, captou US$ 1,7 bilhão na maior ICO já feita e estuda realizar outra oferta. 

Quando Egor Gurjev decidiu fazer uma ICO para sua startup de videogames em nuvem, chamada Playkey, ele arregimentou a Deloitte. A firma prestou consultoria jurídica durante seis meses antes da ICO da Playkey, que levantou US$ 10,5 milhões em dezembro, segundo Gurjev. 

Na PwC, o trabalho envolvendo ICOs ainda se limita a clientes da Ásia e Europa. "Temos sido bem ativos na avaliação do mercado de ICOs nos EUA para criar estruturas abrangentes para nossos clientes", disse Grainne McNamara, líder de blockchain na divisão de serviços financeiros. 

A KPMG começou a aceitar clientes para projetos de ICO em meados do ano passado, após receber muitas indicações de interesse, explicou Eamonn Maguire, responsável por blockchain nos EUA para a firma. "Todos os dias somos contatados a respeito de ICOs." 

A EY também recebe perguntas diárias sobre projetos de consultoria para colocações de moedas digitais. "Estamos trabalhando seletivamente em toda a firma para ajudar empresas a realizar ICOs domésticas e internacionais", disse Jeffrey Grabow, líder do grupo de venture capital para os EUA. Em cada oferta, a EY toma especial cuidado para informar sobre os diversos riscos envolvidos nos projetos, segundo ele.

"Estamos acompanhando a evolução e constantemente tentando descobrir que papel podemos ou devemos desempenhar."

Fonte: Valor Economico



NOTÍCIAS RELACIONADAS
20/03/2019
IOF-câmbio: recursos mantidos no exterior (solução de consulta 246) [Chiarottino e Nicoletti Sociedade de Advogados]
20/03/2019
Dados digitais: o que é feito com nossas informações na internet quando morremos? [Opice Blum]
20/03/2019
São Paulo recebe exposição de artesanato português contemporâneo [Cunha Vaz]
20/03/2019
EDP nas Escolas vai beneficiar 1.900 alunos em São Paulo [EDP]
20/03/2019
André Jordan Group firma parceria com a Oaktree [Belas Clube]
20/03/2019
Da desconsideração da personalidade jurídica e a Reforma Trabalhista [Franco Advogados]