home > notícias

MUNDO

10/07/2018

Bailarinos portugueses arrasam em Barcelona

Conservatório Annarella Sanchéz, de Leiria, esteve em peso no Dance World Cup 2018.

O Conservatório Internacional de Dança Annarella Sanchéz, em Leiria, conquistou mais de 30 medalhas de ouro, prata e bronze na final do Dance World Cup 2018, uma das maiores competições de dança de todo o Mundo, e que este ano ocorreu em Sitges, uma cidade na província de Barcelona.

Margarita Fernandes, bailarina de Leiria com 13 anos, arrecadou seis medalhas de ouro e três de prata em várias categorias. "Esta foi a terceira vez que participei e que ganhei prémios. É sempre uma nova experiência porque temos contacto com outros países. É muito bom", explicou ao CM a jovem artista, que já dança desde os dois anos.

António Casalinho, 15 anos, conhecido do grande público pela sua participação no concurso da RTP ‘Got Talent’, voltou para Portugal como embaixador do Dance World Cup. "É uma grande honra para mim", disse ao CM, acabado de chegar de Espanha com várias medalhas "no bolso".

Carolina Costa, natural de Braga, viu cinco das seis coreografias nas quais participou serem premiadas, quatro delas com ouro.

"Foi uma menina que se mudou para o conservatório há pouco tempo e que ainda assim conseguiu aprender as coreografias", explicou Annarella Sanchéz, orgulhosa da prestação dos seus alunos na competição mundial.

PORMENORES
Braga acolhe competição A cidade de Braga vai acolher o Dance World Cup 2019, num evento que irá juntar cerca de 6500 crianças e jovens de 48 países, no mês de junho. 

Fonte: Correio da Manhã



NOTÍCIAS RELACIONADAS
17/07/2018
Pelos labirintos de Fernando Pessoa
17/07/2018
Prêmio da Música Brasileira divulga lista dos indicados deste ano
17/07/2018
Isabel Minhós Martins é finalista de prémio literário norte-americano
17/07/2018
Summer Campus da Universidade do Algarve: uma experiência para a vida de dezenas de brasileiros
17/07/2018
Companhia de Dança quer Viseu como foco privilegiado de formação
17/07/2018
Algés volta a ser palco do NOS Alive nos próximos cinco anos