home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

01/08/2018

Portugal e Espanha em boa posição para cumprir metas de descarbonização [Portugal]

Portugal e Espanha estão bem posicionados para cumprir os objetivos de descarbonização fixados para 2020, e deverão conseguir descarbonizar o mercado da energia até 2030, refere um relatório hoje divulgado pela agência de rating Moody´s.

O documento da agência de análise de risco com o título 'Mercados de eletricidade europeus: na Iberia, as políticas de descarbonização vão conduzir à evolução dos mercados de energia em 2030", refere a evolução esperada nas energias renováveis, no aquecimento e arrefecimento e nos transportes.

"A penetração das renováveis em Espanha e Portugal permanece ligeiramente abaixo da meta de descarbonização para 2020, mas a combinação do aumento da capacidade de produção das renováveis, com o progresso nos setores do aquecimento e arrefecimento e dos transportes deverá ultrapassar" a diferença ainda existente relativamente ao objetivo, defende o vice-presidente da Moodys's, Niel Bisset.

Os dois países estão também a desenvolver estratégias de 'transição energética' para descarbonizar durante a década de 2030, em linha com os objetivos fixados pela União Europeia.

"Esperamos que o mercado de energia ibérico continue a evoluir gradualmente durante a década de 2030, com o encerramento das centrais a carvão, o aumento da penetração das renováveis e as medidas para assegurar a geração de gás como 'backup'", explica o especialista.

A Moody´s espera uma pequena descida dos preços da energia até 2022 e refere que o crescimento das energias renováveis vai pressionar os valores no mercado, o que será compensado pela redução da capacidade das centrais a carvão que vão encerrando.

Portugal fixou como meta atingir a neutralidade carbónica em 2050, ou seja, reduzir as emissões de dióxido de carbono e conseguir compensar as restantes, nomeadamente através de sumidouros, como as florestas.

O dióxido de carbono é um dos gases com efeito de estufa apontados como responsáveis pelas alterações climáticas, como o aumento da temperatura média do planeta, que leva a maior frequência de fenómenos extremos, de calor e de frio.

Fonte: Notícias ao Minuto



NOTÍCIAS RELACIONADAS
15/10/2018
Lisboa prevê investir 37 milhões de euros em habitação no próximo ano [Portugal]
15/10/2018
Atenção, startups. Câmara de Lisboa vai dar 30 bilhetes para o Web Summit [Portugal]
15/10/2018
Moody’s eleva rating de Portugal e país volta a ser grau de investimento [Portugal]
15/10/2018
Portugal tem a «confiança, reconhecimento e credibilidade» dos mercados internacionais [Portugal]
15/10/2018
Brasil está bem para resistir a choques, diz Goldfajn para FMI [Brasil]
15/10/2018
Comércio varejista cresce 1,3%, diz pesquisa do IBGE [Brasil]