home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

16/01/2019

Fundo privado português de 46 milhões vai investir em 'startups' [Portugal]

A sociedade de capital de risco portuguesa Indico Capital Partners lançou hoje um fundo de 46 milhões de euros para investir em empresas tecnológicas ibéricas globalmente promissoras.

O Indico Capital Partners "é o primeiro fundo de Venture Capital nacional, independente e privado, focado em investir nas fases iniciais de 'startups' tecnológicas, e sediado em Lisboa, um dos centros tecnológicos em ascensão na Europa", indica a Indico Capital Partners, em comunicado.

O fundo tem o objetivo de "identificar, investir e capitalizar as 'startups' ibéricas mais promissoras, em particular as sediadas em Portugal", e vai direcionar os seus investimentos para empresas que atuem em áreas como SaaS (Software as a Service) B2B, Inteligência Artificial, Fintech e Cibersegurança, e também em Marketplaces e Plataformas digitais B2C.

Os 46 milhões de euros provêm de investidores de oito países diferente, sendo o Fundo Europeu de Investimento (FEI) o principal investidor da Indico.

Ao FEI, que é o maior investidor institucional europeu nesta classe de ativos, juntaram-se mais de 20 investidores institucionais e individuais.

Do grupo de investidores fazem parte a Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) através do Portugal Tech, a Draper Esprit, um dos maiores fundos de Venture Capital mundiais, fundos de pensões, instituições de ensino e investigação, entidades gestoras de fortunas, empresários, gestores e empreendedores de tecnologia locais e internacionais.

O fundo vai investir entre 150 mil e cinco milhões de euros por empresa durante o seu período de vida de 10 anos.

"As empresas alvo do 'portfolio' do fundo ambicionam tornar-se líderes globais na sua categoria" e "os primeiros investimentos da Indico já foram concluídos e serão anunciados em breve", indica a sociedade de capital de risco.

A equipa de gestão da Indico é constituída por Stephan Morais (ex-Administrador Executivo da Caixa Capital), Ricardo Torgal (ex-gestor de investimentos na Caixa Capital) e por Cristina Fonseca (co-fundadora e acionista da Talkdesk).

"É um marco para o ecossistema português, vamos continuar a apoiar as 'startups' tecnológicas portuguesas mais promissoras, mas agora com uma plataforma de investimento estável, maior e independente, suportada por uma base de investidores global e diversificada", afirma Stephan Morais, Managing General Partner da Indico.

Já Ricardo Torgal, General Partner da Indico, destaca que "Venture Capital e 'startups' não são uma moda, é uma atividade profissional que visa construir um 'portfolio' diversificado e estar presente quando as empresas precisam de ajuda para crescer e atingir uma nova fase".

"É nesta fase inicial que ter apoio de pessoas experientes e acesso a uma rede global pode ser o fator decisivo para o sucesso", acrescenta Cristina Fonseca, Venture Partner da Indico.

Fonte: Notícias ao Minuto



NOTÍCIAS RELACIONADAS
19/02/2019
Indicador antecedente da economia fecha janeiro com expansão de 2,9% [Brasil]
19/02/2019
Confiança dos micro e pequenos empresários cresce, diz pesquisa [Brasil]
19/02/2019
Portugueses compraram mais bens tecnológicos de consumo em 2018 [Portugal]
19/02/2019
Porto mostra-se ao mundo através do Financial Times [Portugal]
19/02/2019
Portugal "voltou a ter capacidade de atrair e reter" investigadores [Portugal]
19/02/2019
Carnaval vai render R$ 6,78 bilhões ao país, estima CNC [Brasil]