home > notícias

ASSOCIADOS

03/04/2019

MP 876/19 Inaugura o registro imediato de empresas na junta comercial [Menna Barreto]

Referida medida alterou alguns artigos da lei 8.934/94 (Registro Público de Empresas Mercantis), para viabilizar o deferimento imediato do pedido de registro de constituição dos tipos jurídicos acima referidos, incluindo a inscrição perante a Receita Federal (CNPJ) e demais cadastros sociais, como, por exemplo, a inscrição estadual e municipal, possibilitando, assim, o início imediato das atividades.

Neste mês de março (14) foi publicada MP objetivando a desburocratização do registro e constituição de Empresários Individuais, Empresas Individuais de Responsabilidade Limitada (Eireli) e Sociedades Limitadas (Ltda), implementando o registro imediato após o protocolo realizado perante a Junta Comercial.

Em tese, referida medida alterou alguns artigos da lei 8.934/94 (Registro Público de Empresas Mercantis), para viabilizar o deferimento imediato do pedido de registro de constituição dos tipos jurídicos acima referidos, incluindo a inscrição perante a Receita Federal (CNPJ) e demais cadastros sociais, como, por exemplo, a inscrição estadual e municipal, possibilitando, assim, o início imediato das atividades.

Contudo, importante destacar que, a análise formal do ato constitutivo foi postergada para o momento após o registro, no prazo máximo de dois dias úteis. E na eventualidade de a Junta Comercial entender pela presença de inconsistências nas informações apresentadas (o que costuma-se chamar de “cair em exigência”), o registro será mantido, mas será exigida a apresentação de documentos adicionais para sanar a “exigência". Do contrário, caso o vício seja considerado insanável, as inscrições sociais serão imediatamente canceladas, tornando nulo todos os atos praticados pelo referido ente jurídico.

Ressaltamos que, apesar de a medida provisória, em regra, possuir aplicação imediata após sua publicação, em decorrência de seu caráter de urgência, o referido procedimento ainda não foi implementado pelo Departamento de Registro Empresarial e Integração – DREI e demais órgãos competentes (Receita Federal, Prefeitura, Secretaria da Fazenda), ensejando, por enquanto, a sua inaplicabilidade.

Em suma, percebe-se um grande esforço governamental para desburocratizar e facilitar o processo de registro das sociedades no Brasil, visando, ainda, fomentar a atividade empresarial, alavancar a economia e atrair investidores. 

Fonte: Menna Barreto



NOTÍCIAS RELACIONADAS
24/04/2019
Métodos Híbridos para a gestão de projetos: Uma abordagem prática [Síntese Consultoria]
24/04/2019
EDP lança programa de aceleração global para startups do setor de energia [EDP]
23/04/2019
Investir e viver em Portugal [Global Trust]
23/04/2019
Livro sobre os portugueses e o tropeirismo nos séculos XVI e XVII no Brasil [Essential Idea]
23/04/2019
EDP orienta sobre riscos com a rede de energia ao construir ou reformar [EDP]
23/04/2019
Perdão de dívida:Não incidência do PIS e da COFINS [Gaia, Silva, Gaede Advogados]