home > notícias

ASSOCIADOS

23/04/2019

Criminalização do assédio moral no trabalho é para o agente agressor e não para a empresa, esclarece especialista [Franco Advogados]

Depois de passar pela Câmara dos Deputados, agora é a vez de o Senado apreciar projeto que torna crime o assédio moral no trabalho
 

De acordo com o texto, assédio moral é ofender reiteradamente a dignidade de alguém, causando-lhe dano ou sofrimento físico ou mental, no exercício de emprego, cargo ou função. O tema levantou debates acalorados e muitas dúvidas sobre os conceitos do que seja dano ou sofrimento. Subjetividades à parte, a advogada Renata Bonet, de Franco Advogados, chama atenção para o que é relevante neste momento: “ Engana-se quem pensa que a aprovação do Projeto de Lei n. 4.742-A, de 2001 trará responsabilidades ao empregador como pessoa jurídica”.
 

De acordo com a especialista, a introdução do artigo 146-A no Código Penal, que dispõe sobre a tipificação do assédio moral, se destina ao agente agressor, ou seja, à pessoa que efetivamente praticou o assédio. “Ressalta-se que na esfera trabalhista é o empregador que arca com eventual indenização por assédio moral praticado por seu empregado. Contudo, na esfera penal quem responderá pelo crime é o autor do fato e não a empresa”, esclarece.
 

Evidentemente, a tipificação do assédio moral como crime coibirá, de forma mais robusta, a sua ocorrência no ambiente de trabalho, uma vez que prevê punição direta ao autor da conduta, diz Renata Bonet. No seu entendimento, o novo artigo ao Código Penal vai preencher lacuna na legislação, tipificando o assédio moral como o ato de desqualificar, reiteradamente, por meio de palavras, gestos ou atitudes, a autoestima, a segurança ou a imagem do empregado em razão de vínculo hierárquico funcional laboral.
 

“Por certo, a ausência de punição específica ao agressor o tornava imune de qualquer responsabilidade pelo ato praticado, gerando a ideia de que poderia reiterar na conduta irregular. Assim, a introdução do artigo 146-A, ao Código Penal, deve ser observada por todos, sobretudo aqueles que exercem cargo de liderança, independentemente do nível hierárquico”, explica a advogada.

Fonte: Franco Advogados



NOTÍCIAS RELACIONADAS
15/05/2019
Já se imaginou a viver perto da praia? No Algarve é possível! [Casa em Portugal]
15/05/2019
Evento FreedomeE- Soluções de internacionalização 4.0 para a Indústria de Moda Portuguesa [EE PROJECT]
15/05/2019
Registo Central do Beneficiário Efetivo (RCBE) – Portugal [Asa Lawyers]
15/05/2019
Treinamentos corporativos: como garantir resultados reais [Gi Group]
15/05/2019
POINT2POINT cria canal para o varejo alimentício e exporta pimentas para Portugal [Point2Point]
15/05/2019
Plano de fiscalização da RFB para 2019: as principais áreas de atuação [Scharlack]