home > notícias

ASSOCIADOS

02/07/2019

Risco e Oportunidade na Gestão [Síntese Consultoria]

Temos batido recordes no número de pessoas desempregadas. Muitas vagas não podem, entretanto, ser preenchidas por falta de conhecimento, formação e experiência dos candidatos. Por outro lado, o Brasil jamais assistiu um volume tão alto de cursos e programas de pós-graduação. Eles são inúmeros: MBA, programas de extensão universitária, cursos de capacitação e outras modalidades.
Aparentemente o país poderá recuperar parte do débito que possui em investimento no “capital humano” através da valorização deste “capital intelectual”.A maior “capacitação” do elemento humano pode ser um elemento que promova o Brasil tanto em termos de competitividade quanto em atratividade para os investimentos. A pergunta que nos fazemos, entretanto, refere-se ao aproveitamento das informações, das práticas e das trocas de experiências tão freqüentes nestes cursos. Existem profissionais de vários “extratos hierárquicos” freqüentando novamente os bancos escolares. Sabemos – através de relatos de vários deles – o quão importante é poder testar novos conceitos, aplicar técnicas mais adequadas e inovadoras e utilizar corretamente as ferramentas que hoje são disponibilizadas aos gestores de sistemas produtivos. Estes “testes” permitem que vários processos possam mudar de patamar tecnológico e que ofereçam oportunidades ímpares para um melhor posicionamento da empresa: no mercado, financeiramente, em suas operações, na sua relação com a comunidade e com seus colaboradores.

Talvez devêssemos avaliar as condições encontradas nas organizações para aproveitar todo este potencial latente. Determinadas organizações valorizam e dão espaço para que as contribuições apareçam, sejam analisadas e algumas implementadas. Algumas possuem até programas estruturados para o aproveitamento das sugestões de melhoria e incremento de sua competitividade. Infelizmente ainda estas empresas são minoria no mercado. Podemos afirmar que um grande número de empresas trabalha sem que estes “programas” mencionados estejam estruturados. Desta forma, pouco é aproveitado destes profissionais que buscam um aperfeiçoamento em suas formações ou o ganho de competências antes inexistentes ou pouco desenvolvidas. A “resistência a mudança” também latente em organismos vivos encontra aí um terreno fértil para se desenvolver e anular as eventuais inovações.

Outra condição que dificulta o aproveitamento destes novos conhecimentos encontra-se na postura das pessoas que os adquirem. O fato de possuírem um conhecimento teórico, acadêmico, não os credencia a aplicarem-no corretamente. A sua aplicação exige determinação pessoal, persistência na implementação e capacidade de “ouvir” tanto a sua realidade – que precisa ser adaptada – quanto profissionais mais experientes na aplicação destes que lhes são “novos” conhecimentos. Assim, cria-se, por vezes, um ciclo vicioso: o profissional não coloca em prática seus novos conhecimentos porque lhe falta a atitude adequada e não adquire a postura necessária porque lhe falta a habilidade, outro conhecimento específico. Gestores de Finanças, de Recursos Humanos, de Marketing, de Operações, de Processos, de Projetos, executivos (e pleiteantes a) perdem oportunidade ímpares de transformarem a sua realidade, de criarem oportunidades para o seu desenvolvimento e de suas organizações.

A solução para este dilema não está exclusivamente sob a responsabilidade da organização – que deve criar condições para receber a inovação – nem do profissional em processo de aprimoramento dos seus conhecimentos - que deve criar condições para aplicá-los em sua vida. Muitas vezes a solução repousa numa terceira entidade, um profissional ou grupo de profissionais que lhes empreste suporte a implantação de seus novos conhecimentos. Esta atividade, conhecida como coaching mais do que ensinar, auxilia o profissional a colocar em prática os novos conceitos, técnicas e/ou ferramentas. Através do coaching é possível preparar as condições do ambiente: a venda da idéia, o apoio político e financeiro, a conquista de aliados, o preparo de instalações e procedimentos e cuidar da transição. O coaching permite que o profissional mais experiente transmita segurança para que o “novo” possa dar os seus passos iniciais e “lançar-se” com maior confiança nas novas tarefas. Erros e problemas sempre existirão mas o papel do coach (técnico) é o de trazer alternativas para trabalhar as surpresas e os riscos numa dada situação. Os acertos também virão e eles devem ser utilizados como alavancas para que outras e novas implementações possam ser feitas.

A semelhança do coach para o profissional e o papel do “pai” no processo de crescimento de uma criança é muito grande. O profissional, face a um novo conceito ou técnica que deseja implementar, comporta-se – muitas vezes - como se fosse uma criança, ainda pouca o nada maturo no “novo”, que precisa ser apoiado nos seus novos desafios mas que vai se independendo e ganhando maturidade a cada conquista, a cada vitória amealhada. A mesma segurança que uma criança experimenta quando deixa o colo da mãe para engatinhar, depois andar e então correr pode ser experimentado pelo profissional que mantem contato com o “novo”, depois o exercita e – com algum apoio – o coloca em prática em sua vida. Assim, a diferença entre continuarmos como estamos ou sermos mais competentes; mantermos o status quo ou inovarmos; estagnarmos ou crescermos, dependerá, em grande parcela, da capacidade que estes novos executivos exibirão no trato com a inovação. Somos assim, co-responsáveis pela experimentação de maiores e melhores patamares e resultados em nossas organizações.

Mãos-a-obra !

Fonte: Síntese Consultoria

 



NOTÍCIAS RELACIONADAS
20/08/2019
Apresentação de Registro Criminal por Cidadãos Estrangeiros [Asa Lawyers]
20/08/2019
Como garantir a segurança dos alimentos, da cadeia de produção do campo para o consumo [Apcer Brasil]
20/08/2019
Startups e pequenos empresários – primeiros passos [Franco Advogados]
20/08/2019
Hospital BP é reconhecido pela qualidade dos dados sobre câncer compartilhados pela instituição [BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo]
20/08/2019
Receita Federal entende que alienação de quotas de FII deve ser tributada à 20% [FCB - Sociedade de Advogados]
20/08/2019
Educação de qualidade impulsiona mercado imobiliário português [Belas Clube de Campo]