home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

03/09/2019

Porto Editora investe 6 milhões na renovação de instalações [Portugal]

A Porto Editora inaugura na terça-feira instalações renovadas na Maia, num investimento superior a seis milhões de euros que surge depois de, em março do ano passado, um "fenómeno climático extremo" ter causado a destruição do espaço.

Em março de 2018 a unidade da Porto Editora, na Maia, ficou parcialmente destruída na sequência de um "fenómeno climatérico extremo" que foi considerado como difícil de catalogar pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Os responsáveis da editora chegaram a avançar que a impressão e distribuição de manuais escolares estava ameaçada. O prejuízo terá rondado os sete milhões de euros. Aproximadamente o mesmo que a Porto Editora precisou de investir para poder inaugurar na próxima terça-feira instalações renovadas, na Maia.

"O prejuízo total devido ao acidente, contando com a reconstrução, o acréscimo dos custos de produção e manutenção dos postos de trabalho ainda está em fase de apuramento", avança a Porto Editora estimando que se situe entre os seis e os sete milhões de euros. Em causa o bloco gráfico e o 'Zuslog', unidades gráfica e logística do grupo localizadas na Zona Industrial da Maia, no distrito do Porto.

Após "um período muito, muito difícil", descreve a empresa, e depois de um "um tremendo esforço" da equipa foi possível "planear a reconstrução e, ao mesmo tempo, procurar empresas e gráficas portuguesas e algumas estrangeiras para confiar a produção", acrescenta o grupo. "De repente, ficamos sem capacidade de produção e distribuição e, todavia, tínhamos que imprimir vários milhões de livros, nomeadamente livros escolares, e assegurar a devida distribuição para que o abastecimento do mercado acontecesse normalmente sem prejudicar a procura por parte das famílias", adianta. A Porto Editora conseguiu evitar situações graves no funcionamento do mercado, "muito graças à equipa fantástica que tem, altamente profissional e comprometida, que se desdobrou", referem os responsáveis do grupo.

A inauguração das instalações reconstruídas, numa cerimónia marcada a próxima terça-feira, tem prevista a presença do secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade, José Gomes Mendes, bem como do presidente da Câmara Municipal da Maia, António Silva Tiago.
Paralelamente, no mesmo dia, vai decorrer um 'Open Day' dirigido à comunidade com visitas guiadas que incluem as diferentes etapas de edição de um livro.

Na sequência das obras realizadas, o bloco gráfico da editora tem agora uma área de 12.887 metros quadrados e uma capacidade de produção anual de 16 milhões de livros. Já a área chamada de 'Zuslog' tem 14.000 metros quadrados e uma capacidade de armazenamento de 21.000 europaletes, 70.000 contentores e 12.000.000 livros. Quanto à capacidade de distribuição, esta corresponde a 12.000 encomendas e a 15.000 volumes expedidos por dia.

Em relação às perspetivas de contratação de novos trabalhadores, a Porto Editora refere que o atual quadro de funcionários é "estável", situando-se nos "mesmos 180 que trabalhavam antes do incidente, com algumas flutuações sazonais". "É de sublinhar que, durante o período de inatividade destas unidades, todos os direitos dos trabalhadores mantiveram-se intactos, ou seja, continuaram a receber os seus vencimentos completos ao dia certo, como sempre aconteceu". Com gráficas em Portugal, Angola, Moçambique e Timor, o Grupo Porto Editora exporta atualmente para 90 países.

Fonte: Expresso



NOTÍCIAS RELACIONADAS
17/09/2019
Petrobras conclui venda de participação de 70% no Campo de Maromba [Brasil]
17/09/2019
CEO português do Lloyds Bank, António Osório, vai a Portugal participar numa conferência [Portugal]
17/09/2019
Governo aumenta previsão de crescimento da economia para 0,85% [Brasil]
17/09/2019
Estudo prevê crescimento dos investimentos no Brasil nos próximos anos [Brasil]
17/09/2019
Vai à Web Summit? Pode deixar as notas e moedas para trás [Portugal]
17/09/2019
Paraíba será contemplada com fundo de incentivo à agricultura familiar [Brasil]