home > notícias

MUNDO

24/09/2019

Brasil quer receber mais três eventos da Fifa nos próximos anos

O país terá o Mundial Sub-17 e ainda concorre para ser a sede nos próximos anos do Mundial Sub-20 (2021) e o Mundial Feminino (2023)

Brasil quer aproveitar a experiência acumulada na organização da Copa do Mundo de 2014 e da Copa América de 2019 para receber outras grandes competições internacionais de futebol. Em outubro, o país terá o Mundial Sub-17 e ainda concorre para ser a sede nos próximos anos do Mundial Sub-20 (2021) e o Mundial Feminino (2023).

A candidatura para os eventos organizados pela Fifa faz parte de uma estratégia definida pela CBF para manter o prestígio internacional do Brasil como anfitrião, aproveitando a expertise que adquiriu nos torneios anteriores.

“Não é de hoje que o futebol move os brasileiros e desperta seus sonhos. Mais do que isso, é um importante componente da nossa economia. Por isso, vamos nos candidatar a todos os grandes eventos disponíveis do futebol. A Fifa tem absoluta confiança na nossa capacidade operacional e a prova foi a escolha do Brasil como sede da Copa do Mundo Sub-17”, afirmou Rogério Caboclo antes de ser confirmado como presidente da entidade que dirige o futebol brasileiro.

Segundo um porta-voz da Fifa, a experiência adquirida pelo país formou um aprendizado importante e valorizado na hora de definir qual será o destino das próximas competições.

Para o professor de marketing esportivo da ESPM Ivan Martinho, o aprendizado possibilitou o surgimento de empresas e profissionais especializados. “Em um país que já recebeu Copa do Mundo e Olimpíada, nenhum evento vai ser tão complexo do que isso. Tudo o que vier a partir de então, será mais fácil”, afirmou.

Na opinião do especialista, o país se tornou capaz de formar mão de obra especializada. “Essa mão de obra já se formou no Brasil. Isso vai desde o profissional que fornece gerador de energia, até a hospitalidade em áreas VIPs, licenciamento, material de merchandising, logística dos eventos e segurança”, explicou Martinho.

Em outubro, o país recebe o Mundial Sub-17 masculino. O Brasil substituiu o Peru, que não conseguiu cumprir os encargos exigidos pela Fifa, e vai receber as delegações de 24 países. Os estádios passam por algumas melhorias, mas modestas, distantes dos extensos caderno de encargos da Copa do Mundo do Brasil há cinco anos.

A entidade conseguiu flexibilizar o chamado “padrão Fifa”, conjunto de exigências e critérios sobre a utilização dos estádios, além de regras para isentar os organizadores do pagamento de impostos locais ou mesmo de tarifas de importação.

O estádio Kleber Andrade, maior praça esportiva do Espírito Santos, na cidade de Cariacica, na região metropolitana de Vitória, uma das sedes do Mundial Sub-17, contou com investimentos de R$ 15 milhões parar corrigir falta de sinalização, aparentes infiltrações e falta de acabamento. Brasília e Goiânia são as outras sedes do torneio.

A CBF não vai ceder estádios que estão sendo usados para jogos do Campeonato Brasileiro. A competição começa no dia 26 de outubro, quando o Brasil encara o Canadá, às 17h, no Bezerrão, na cidade-satélite do Gama (DF).

Fonte: Metropole



NOTÍCIAS RELACIONADAS
08/10/2019
Pesquisa da FGV revela que o teatro musical movimentou R$1 bilhão na capital paulista em 2018
08/10/2019
Vários filmes portugueses em competição em São Paulo
08/10/2019
Cinema brasileiro conquista seis prêmios no Festival Biarritz América Latina
08/10/2019
Sétima edição do Outono em Jazz com 11 concertos internacionais no Porto
08/10/2019
Bienal Videobrasil traz trabalhos de 55 artistas de 28 países
08/10/2019
Trienal de Arquitetura de Lisboa abre com exposição 'Economia de Meios'