home > notícias

NEGÓCIOS E ECONOMIA

17/12/2019

Metalurgia bate mais um recorde na frente externa [Portugal]

O sector mais exportador da indústria portuguesa vai fechar o ano “muito perto” dos 20 mil milhões de euros

As exportações da indústria metalúrgia e metalomecânica vão fechar o ano com mais um recorde, à beira da barreira dos 20 mil milhões de euros. “Esperamos um crescimento na ordem dos 9% em 2019”, adiantou esta quinta-feira ao Expresso Rafael Campos Pereira, vice-presidente da associação sectorial AIMMAP.

Depois de conhecido o desempenho da fileira na frente externa em outubro (+8,7% face ao mês homólogo de 2018), esta expetativa do sexto recorde consecutivo confirma a trajetória de crescimento num sector que em 2015 exportava 14,6 mil milhões de euros e fechou o ano passado nos 18,3 mil milhões de euros, 11% acima do registo de 2017.

O ritmo de crescimento, que já andou nos dois dígitos/ano, está a abrandar, mas a AIMMAP - Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal (AIMMAP) prefere ler os números de outra forma: “Continuamos a crescer, mas a base é cada vez maior, o que significa que é difícil manter as taxas do passado”, comenta o seu vice-presidente.

"CAUTELA" PARA 2020

Na previsão para o próximo ano, Rafael Campos Pereira coloca “alguma cautela”. “Devido à conjuntura, pode ser difícil manter os níveis de crescimento dos últimos exercicios”, admite.

No entanto, ainda há margem para otimismo, desde logo nos EUA, um mercado onde o sector conheceu um forte crescimento durante alguns anos, “mas a dada altura, durante a administração Trump, começou a desacelerar e a lutar para resistir sem perdas”. “Agora, a dinâmica volta a ser consistentemente positiva. No mês de outubro tivemos um crescimento homólogo de 30%, repetindo o que já tinha acontecido em setembro”, comenta.

Itália (+20%) é outro mercado onde as coisas têm corrido bem para o metal português, assim como o Canadá, onde o salto homólogo de outubro rondou os 1.900%. “Aqui (Canadá), partimos recentemente, numa aposta de diversificação, motivados pelo acordo comercial entre este país e a União Europeia, e também pela pressão que começamos a sentir nos EUA”, explica Rafael Campos Pereira. Mas até na Alemanha, o motor europeu, a fileira está a crescer 6,7%.

Responsável por cerca de 18% do Produto Interno Bruto luso, a fileira do metal atribui os recordes na exportação ao "trabalho consistente que tem vindo a ser feito ao longo dos últimos anos pelas empresas do setor, com investimento em qualidade, fatores de diferenciação, inovação e formação dos recursos humanos”, defende o dirigente associativo sem esquecer a aposta feita “no posicionamento junto de empresas de referência e nos mercados mais exigentes" em diferentes áreas, da indústria ferroviária, à automóvel, aeroespacial e química, ao consumo e distribuição.

Fonte: Expresso 

 

 



NOTÍCIAS RELACIONADAS
30/03/2020
Governo duplica para 400 milhões a linha de crédito para empresas
30/03/2020
Governo regulariza todos os imigrantes que tenham pedidos pendentes no SEF [Portugal]
30/03/2020
Aviões voltam a atender a capitais e outras 19 cidades brasileiras
30/03/2020
Vendas nos super e hipermercados subiram 65% entre 9 e 15 de março [Portugal]
30/03/2020
Governo lançará linha de antecipação de pagamento a fornecedores [Brasil]
30/03/2020
UE aprova flexibilização de uso de fundos para combater pandemia [Portugal]