home > notícias

MUNDO

17/02/2020

Museu do Carnaval da Graciosa divulga tradição da ilha açoriana

"O Carnaval da Graciosa tem história, tradição e memória, com uma grande quantidade e diversidade de atividades", disse o diretor da Associação Cultural, Desportiva e Recreativa da Graciosa, entidade gestora do Museu do Carnaval que funciona na Casa do Povo da Praia.

Jorge Cunha explicou que o espaço abriu "há dois anos e desde então tem vindo a arrecadar cada vez mais acervo", dada a grande quantidade de trajes e fantasias confecionados anualmente pelas costureiras locais, daí que o espaço tenha vindo a aumentar consideravelmente o seu espólio. Atualmente a exposição é constituída por cinco núcleos.

"Sempre que é possível vamos adquirindo mais. As pessoas dão fantasias. E nós vamos substituindo umas por outras, dada a grande quantidade de trajes e fantasias que saem todos os anos", adiantou.

 

São cerca de 40 os trajes confecionados por costureiras locais em exposição no Museu do Carnaval da Graciosa e "algumas destas fantasias têm mais de 30 anos", de acordo com o diretor.

"A fotografia mais antiga é de 1914 e é uma foto só de senhoras após um baile. Existem ainda fotografias dos anos 30, 40, 60, 70, 90 e até 2000", explicou ainda Jorge Cunha, salientando que "antigamente a maior parte dos bailes eram animados com recurso a instrumentos de corda e o piano apenas usado em algumas casas particulares".

 

O museu conta com um espaço para as costureiras locais, que são também um elemento importante na confeção das fantasias na ilha, e um núcleo dedicado aos bailinhos de Carnaval na Graciosa.

"São muitos os grupos do exterior que nos contactam para visitarem o museu, para verem fotografias ou fantasias antigas", sublinhou o responsável, acrescentando que o museu tem ainda uma vertente itinerante, podendo realizar exposições temporárias noutras localidades da ilha.

 

O Carnaval de salão tipicamente graciosense "é o resultado de todo um trabalho que tem história e tradição, devido ao empenhamento das pessoas", frisou o responsável do Museu do Carnaval da Graciosa.

Os bailes decorrem até de madrugada um pouco por toda a ilha em salões e, segundo Jorge Cunha, "anualmente são elaborados entre 18 e 20 trajes diferentes".

Em 1990, Jorge Cunha integrou a organização da Semana do Carnaval.

"Esta organização funcionou durante oito anos, sendo responsável por projetar o Carnaval no exterior", explicou, destacando o trabalho muito intenso junto da comunidade neste objetivo e na dinamização da ilha nesta época baixa.

Ainda hoje, sublinhou, os graciosenses envolvem-se nos festejos "de uma forma muito organizada".

"É uma manifestação popular, muito participada. É aberta a todos e é de salão, porque é na sede dos clubes que se desenrola a maioria das atividades, que são os bailes e as fantasias individuais e de grupo", realçou.

Fonte: Notícias ao Minuto



NOTÍCIAS RELACIONADAS
24/03/2020
Flip 2020 é adiada para novembro por causa do surto do novo coronavírus
24/03/2020
Vozes da Rádio lançam novo single gravado à distância e em quarentena
24/03/2020
Porta dos Fundos fará lives para idosos na web durante quarentena
23/03/2020
Ministério da Cultura de Portugal avança com medidas excecionais
23/03/2020
Festival português disponibiliza curtas online
23/03/2020
Prefeitura de São Paulo vai destinar R$ 103 milhões para artistas